ESTUDO DO AMBIENTE INSTITUCIONAL PARA A INSERÇÃO DA TEMÁTICA SUSTENTABILIDADE EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARANAENSES: RECOMENDAÇÕES PRÁTICAS AOS ATORES INSTITUCIONAIS

Autores

  • Anne Carolina dos Santos UEM
  • Marguit Neumann Universidade Estadual de Maringá
  • Kerla Mattiello Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v33i1.7424

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Graduação, Ciências Contábeis, Teoria institucional

Resumo

O objetivo geral deste artigo foi investigar como o ambiente institucional contribui para a inserção da temática sustentabilidade em cursos de graduação em Ciências Contábeis de universidades públicas do Paraná. O objetivo específico foi propor recomendações práticas aos atores institucionais quanto a inserção da sustentabilidade nos cursos. Tais objetivos foram alcançados por meio de entrevistas realizadas junto a coordenadores de curso, assim foram desenvolvidas 18 recomendações aos principais atores envolvidos no ambiente institucional dos cursos, tendo como foco a inserção do tema. Para tratamento dos dados utilizou-se a análise de conteúdo. Os resultados apontam que o ambiente institucional contribui mediante valorização do tema pela sociedade e pelos acadêmicos, havendo interferência da concorrência. Docentes influentes incentivam a inserção da temática nos cursos analisados. A pró-reitoria de ensino demonstrou ser capaz de tornar-se independente do arranjo institucional, sendo que a transdisciplinaridade detectada em três cursos expõe a ausência de projetos de extensão. Dentre outras recomendações práticas aos atores, há a necessidade de capacitação de docentes e da administração (pró-reitorias); diversificar a área dos cursos de pós-graduação realizados pelos docentes; necessidade de alteração da diretriz vigente do curso de Ciências Contábeis ou estabelecer diretrizes de avaliação dos cursos com maior destaque na sustentabilidade. A característica pioneira da pesquisa é investigar o tema junto a coordenadores de diversas instituições e disponibilizar recomendações práticas ao Ministério da Educação, Instituições de Ensino Superior, docentes e discentes do curso de Ciências Contábeis. Contribuições teóricas incluem o preenchimento da lacuna sobre a inserção da sustentabilidade em cursos de graduação.

 

Biografia do Autor

Anne Carolina dos Santos, UEM

Doutoranda em Administração pelo Programa de Pós Graduação em Administração da Universidade Estadual de Maringá (PPA-UEM).

Marguit Neumann, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Sciences Economiques pela Université Pierre Mendès France. Professora na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PCO-UEM).

Kerla Mattiello, Universidade Estadual de Maringá

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Administração Pública e Governo da Fundação Getúlio Vargas (CEAPG-EAESP-FGV). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PCO-UEM).

Referências

Astley, W. G., & Van de Ven, A. H. (2005). Debates e perspectivas centrais na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 52-73. Recuperado de: https://rae.fgv.br/rae/vol45-num2-2005/debates-perspectivas-centrais-na-teoria-organizacoes

Barber, N. A., Wilson, F., Venkatachalam, V., M. Cleaves, S., & Garnham, J. (2014). Integrating sustainability into business curricula: University of New Hampshire case study. International Journal of Sustainability in Higher Education, 15(4), 473-493. doi: https://doi.org/10.1108/IJSHE-06-2013-0068

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G. D., Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. D. (2010). Inovação e Sustentabilidade: Novos Modelos e Proposições. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-75902010000200002

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Beddewela, E., Warin, C., Hesselden, F., & Coslet, A. (2017). Embedding responsible management education–Staff, student and institutional perspectives. The International Journal of Management Education, 15(2), 263-279. doi: https://doi.org/10.1016/j.ijme.2017.03.013

Beltrame, I., Reis, L. G., & Gehlen, K. R. H. (2018). A institucionalização do tema sustentabilidade no curso de graduação em Administração. Revista Gestão Universitária na América Latina, 11(1), 300-320. doi: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2018v11n1p300

Benn, S., & Dunphy, D. (2009). Action research as an approach to integrating sustainability into MBA programs: An exploratory study. Journal of Management Education, 33(3), 276-295. doi: https://doi.org/10.1177/1052562908323189

Bocken, N. M., Short, S. W., Rana, P., & Evans, S. (2014). A literature and practice review to develop sustainable business model archetypes. Journal of Cleaner Production, 65(1), 42-56. doi: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2013.11.039

Boyce, G., Greer, S., Blair, B., & Davids, C. (2012). Expanding the horizons of accounting education: Incorporating social and critical perspectives. Accounting Education, 21(1), 47-74. doi: https://doi.org/10.1080/09639284.2011.586771

Brasil (1999). Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Recuperado de <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321> em 09 maio de 2018.

Cornuel, E., & Hommel, U. (2015). Moving beyond the rhetoric of responsible management education. Journal of Management Development, 34(1), 2-15. doi: https://doi.org/10.1108/jmd-06-2014-0059

Czinkota, M., Kaufmann, H. R., & Basile, G. (2014). The relationship between legitimacy, reputation, sustainability and branding for companies and their supply chains. Industrial Marketing Management, 43(1), 91-101. doi: https://doi.org/10.1016/j.indmarman.2013.10.005

Dallabona, L. F., Cunha, P. R., & Rausch, R. B. (2012). Inserção da área ambiental na matriz curricular do curso de Ciências Contábeis: um estudo das IES da região Sul do Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, 31(3), 7-22. doi: https://doi.org/10.4025/enfoque.v31i3.15302

Demajorovic, J., & Silva, H. C. O. (2012). Formação interdisciplinar e sustentabilidade em cursos de Administração: desafios e perspectivas. Revista de Administração Mackenzie, 13(5), 39-64. doi: https://doi.org/10.1590/S1678-69712012000500003

DiMaggio, P. J. & Powell, W. W., (1983). The Role Of Institutionalization in Cultural Persistence. In The new institutionalism in organizational analysis. University of Chicago Press (Chapter 1, pp. 1-41).

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89. Recuperado de: https://rae.fgv.br/rae/vol45-num2-2005/gaiola-ferro-revisitada-isomorfismo-institucional-racionalidade-coletiva-nos

Doh, J. P., & Tashman, P. (2014). Half a world away: The integration and assimilation of corporate social responsibility, sustainability, and sustainable development in business school curricula. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 21(3), 131-142. doi: https://doi.org/10.1002/csr.1315

Dyllick, T. (2015). Responsible management education for a sustainable world: The challenges for business schools. Journal of Management Development, 34(1), 16-33. doi: https://doi.org/10.1108/jmd-02-2013-0022

Elkington, J. (2012). Sustentabilidade: canibais com garfo e faca. M. Books. do Brasil Editora.

Gehlen, K. R. H., Reis, L. G., & Favato, K. J. (2021). Inserção do tema sustentabilidade no curso de Ciências Contábeis à luz da teoria Institucional: FEA/USP. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 15(2), 225-242. doi: https://doi.org/10.17524/repec.v15i2.2666.

Gray, R. (2010). Is accounting for sustainability actually accounting for sustainability… and how would we know? An exploration of narratives of organisations and the planet. Accounting, Organizations and Society, 35(1), 47-62. doi: https://doi.org/10.1016/j.aos.2009.04.006

Gray, R., & Collison, D. (2002). Can’t see the wood for the trees, can’t see the trees for the numbers? Accounting education, sustainability and the public interest. Critical Perspectives on Accounting, 13(5), 797-836. doi: https://doi.org/10.1006/cpac.2002.0554

Laffin, M. (2012). Currículo e trabalho docente no curso de Ciências Contábeis. Revista de Contabilidade da UFBA, 6(3), 66-77. Recuperado de: https://rigs.ufba.br/index.php/rcontabilidade/article/view/6979/4835

Lawrence, T. B., & Suddaby, R. (2006). Institutions and institutional work. In Clegg, S; Hardy, C.; Lawrence. T. B.; Nord, W. R. (eds.), Handbook of Organization Studies, 2 ed., 215–254. London: Sage.

Lawrence, T. B., Suddaby, R., & Leca, B. (Eds.). (2009). Institutional work: Actors and agency in institutional studies of organizations. Cambridge University Press, New York.

Lessa, B. D. S., Souza, A. C. D., & Lopes, F. D. (2019). Why has sustainability advanced in management schools? A sociological explanation. Educação e Pesquisa, 45(1), 1-16. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-4634201945206670

Lima, C. E., & Amancio-Vieira, S. F. (2017). A institucionalização da temática da sustentabilidade no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Estadual de Londrina. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 20-36. doi: http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v11i5.1049

Lima, C. E., Amâncio-Vieira, S. F., & Romagnolo, D. F. (2018). A inserção da temática sustentabilidade em um programa privado stricto sensu em Administração: o isomorfismo institucional como potencializador da mudança organizacional. Revista Gestão e Desenvolvimento, 15(1), 104-126. doi: https://doi.org/10.25112/rgd.v15i1.1295

Lousada, A. C. Z., & Martins, G. D. A. (2005). Egressos como fonte de informação à gestão dos cursos de Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 16(37), 73-84. doi: https://doi.org/10.1590/S1519-70772005000100006

Machado-da-Silva, C. L., & da Fonseca, V. S. (2018). Estruturação da estrutura organizacional: o caso de uma empresa familiar. Revista de Administração Contemporânea, 14(spe), 11-32. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000600002

Mannes, S., Ferreira, D. D. M., Ferreira, L. F., & Rover, S. Panorama da Temática Sustentabilidade no Curso de Ciências Contábeis das Universidades Federais Brasileiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 13(3), 1-18. doi: http://dx.doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i3.14657

Marques, T. O., Schultz, C. A., & Hofer, E. (2012). Contabilidade ambiental: uma análise do conhecimento dos alunos de dois cursos de Ciências Contábeis. Ciências Sociais em Perspectiva, 11(20), 1-23. doi: https://doi.org/10.5935/rcsp.v11i20.6140

MEC (2004). Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004. Recuperado de <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf> em 30 de junho de 2018.

MEC (2012). Resolução nº 2, de 15 de Junho de 2012: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Recuperado de <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192> em 12 de abril de 2018.

MEC (2018). Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Recuperado de <http://emec.mec.gov.br/emec/nova> em 19 de Julho de 2018.

Meyer, J. W. & Rowan, B. (1977). Institutionalized Organizations: Formal Structure as Myth and Ceremony. American Journal of Sociology, 8(2), 340-363. doi: https://doi.org/10.1086/226550

Ott, E., & Pires, C. B. (2010). Estrutura curricular do curso de Ciências Contábeis no Brasil versus Estruturas curriculares propostas por organismos internacionais: uma análise comparativa. Revista Universo Contábil, 6(1), 28-45. doi: 10.4270/ruc.2010102

Santos, A. C. dos, Neumann, M., & Mattiello, K. (2021). Inserção curricular da temática sustentabilidade em cursos de graduação em ciências contábeis de universidades públicas paranaenses. Contabilidade Vista & Revista, 32(3), 73-97. doi: https://doi.org/10.22561/cvr.v32i3.6659

Scott, W. R. (1987). The adolescence of institutional theory. Administrative Science Quarterly, 32(4), 493-511. doi: https://doi.org/10.2307/2392880

Scott, W. R. (1995). Institutional Effects on Societal Systems, Organizational Fields, and Organizational Populations: Empirical Research. In: Institutions and organizations. Thousand Oaks: Sage Publications.

Silva, H. H. M., Campanario, M., & Souza, M. T. S. (2013). O isomorfismo na educação ambiental como tema transversal em programas de graduação em administração. Ciencias da Administraçao, 15(37), 170-186. doi: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8077.2013v15n37p170

Sisaye, S. (2013). The development of sustainable practices in complex organizations: Implications and potentials for integration into the accounting curriculum. World Journal of Entrepreneurship, Management and Sustainable Development, 9(4), 223-245. doi: https://doi.org/10.1108/wjemsd-01-2013-0010

Zucker, L. G. (1987). Institutional Theories of Organization. Annual Review of Sociology, 13(1), 443-464. doi: https://doi.org/10.1146/annurev.so.13.080187.002303

Publicado

2022-04-30

Como Citar

SANTOS, A. C. dos; NEUMANN, M.; MATTIELLO, K. . ESTUDO DO AMBIENTE INSTITUCIONAL PARA A INSERÇÃO DA TEMÁTICA SUSTENTABILIDADE EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARANAENSES: RECOMENDAÇÕES PRÁTICAS AOS ATORES INSTITUCIONAIS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 33, n. 1, p. 244-269, 2022. DOI: 10.22561/cvr.v33i1.7424. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/7424. Acesso em: 20 maio. 2022.