O PERCURSO DO CONTRATO DE LEGITIMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ANÁLISE DOS TEMAS ATRELADOS NO RELATO INTEGRADO DO BNDES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.5318

Palavras-chave:

desenvolvimento sustentável, relato integrado, BNDES

Resumo

Os bancos de desenvolvimento atuam concedendo financiamento a projetos de longo prazo em vista ao desenvolvimento. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que é o maior banco de desenvolvimento da América Latina e um dos maiores do mundo, adotou voluntariamente o Relato Integrado em 2013. Este estudo objetivou analisar quais os temas relacionados ao desenvolvimento sustentável que o BNDES tem trabalhado no Relato Integrado e realizar um levantamento biográfico com reflexões sobre o percurso das fases de mandatos políticos do banco entre as décadas de 1960 e os anos 2000. A sustentação teórica é com a ótica da Teoria da Legitimidade, acrescida da discussão sobre desenvolvimento sustentável com os fatores econômico, social e ambiental. Aplicou-se a técnica de análise de conteúdo nos relatos dos anos de 2013 a 2016. Conclui-se que o BNDES consegue atrelar capital econômico, social e ambiental, mas faltam indicadores para mensurá-los. Este estudo contribui ao inferir que o Relato Integrado pode ser uma forma comunicação do contrato de legitimação do banco com diversos stakeholders para o desenvolvimento sustentável, atrelando a missão do banco de desenvolvimento a longo prazo ainda que a sua gestão esteja relaciona aos mandatos públicos de curto prazo.

Biografia do Autor

Kelli Juliane Favato, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCONT) na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Marguit Neumann, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em Sciences Economiques pela Université Pierre Mendès France. Professora na Universidade Estadual de Maringá (UEM), Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PCO-UEM).

Simone Leticia Raimundini Sanches, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora na Universidade Estadual de Maringá (UEM), Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PCO-UEM), Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

Abramovay, R. (2010) Desenvolvimento sustentável : qual a estratégia para o Brasil ? Novos Estudos Cebrap (Impresso), v. 87, p. 97–113. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/nec/n87/a06n87.pdf

Abramovay, R. (2012). Muito Além da Economia Verde. Editora Ab ed. São Paulo.

Adams, C. A. (2015). The International Integrated Reporting Council : A call to action. Critical Perspectives on Accounting, v. 27, p. 23–28. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2014.07.001.

Aronovich, S.; Fernandes, A. G. (2006). A Atuação do Governo no Mercado de Crédito: Experiências de IFDs em Países Desenvolvidos. Revista do BNDES, v. 13, n. 25, p. 3–34, 2006. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/13513

Bachiller, J. V. (2016). Das Privatizações à Nova Estratégia de Desenvolvimento A Trajetória do BNDES entre 1990 e 2010. Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 36, p. 5–30. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2016.36.5-30

BNDES. (2017). Livro Verde: nossa história como ela é / BNDES. 2017

Bommel, K. VAN. Towards a legitimate compromise ? An exploration of Integrated Reporting in the Netherlands. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 27, n. 7, p. 1157–1189, 2014.

Burke, J. J.; Clark, C. E. (2016). The business case for integrated reporting : Insights from leading practitioners , regulators , and academics. Business Horizons, v. 59, p. 273–283. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2016.01.001

Chen, J. C.; Roberts, R. W. (2010). Toward a More Coherent Understanding of the Organization–Society Relationship. Journal of Business Ethics, v. 97, p. 651–665, 2010. https://doi.org/10.1007/s10551-010-0531-0

Cho, C. H.; Freedman, M.; Patten, D. M. (2012) Corporate disclosure of environmental capital expenditures A test of alternative theories. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 25, n. 3, p. 486–507. https://doi.org/10.1108/09513571211209617

Colombo, A. L.; Andrade, N. T. H. Desigualdades regionais e bancos públicos: o papel do bndes na federação brasileira. Perspectivas, v. 47, p. 67–87, 2016.

Cosenza, J. P.; Mamede, E.; Laurencel, L. DA C. (2010). Análise dos fundamentos teóricos associados à pesquisa contábil na área ambiental. Enfoque, v. 29, n. 1, p. 18–38. https://doi.org/10.4025/enfoque.v29i1.10359

Deegan, C. (2002) The Legitimising Effect of Social and Environmental Disclosures – A Theoretical Foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 15, n. 3, p. 282–311. https://doi.org/10.1108 / 09513570210435852

Doctor, M. (2005). Assessing the Changing Roles of the Brazilian Development Bank. Bulletin of Latin American Research, v. 34, n. 2, p. 197–213. https://doi.org/10.1111/blar.12210

Elkington, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone Publishing Limited, 1999.

Fank, O. L.; Beuren, I. M. (2010). Evidenciação das estratégias de legitimidade da tipologia de suchman (1995) nos relatórios da administração da petrobras. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações, v. 4, n. 10, p. 25–47. https://doi.org/10.11606/rco.v4i10.34775

Ferraz, J. C.; Coutinho, L. (2017). Investment policies, development finance and economic transformation: Lessons from BNDES. Structural Change and Economic Dynamics. https://doi.org/10.1016/j.strueco.2017.11.008.

Flower, J. (2015). The International Integrated Reporting Council : A story of failure. Critical Perspectives on Accounting, v. 27, p. 1–17. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2014.07.002

Garzon, L. F. N. (2015). Política socioambiental e de entorno do BNDES : dos ajustes espaciais aos corretivos territoriais – os casos das UHEs de Santo Antônio e Jirau ( RO ) e da UHE de Belo Monte ( PA ). Revista Política e Planejamento Regional, v. 2, n. 2.

Giambiagi, F.; Pinheiro, F.; Giambiagi, F. (2011). A capacidade de desembolso do BNDES durante a década de 2010 A capacidade de desembolso do BNDES durante a década de 2010. Revista BNDES, v. 36.

Gray, R. (2010). Is accounting for sustainability actually accounting for sustainability and how would we know ? An exploration of narratives of organisations and the planet. Accounting, Organizations and Society, v. 35, n. 1, p. 47–62, 2010. https://doi.org/10.1016/j.aos.2009.04.006

Hanley, A.; Pires, J. M.; Marcondes, R. L.; Faria, R. N.; Sakurai, S. N. (2016). Critiquing the Bank : 60 Years of BNDES in the Academy. Journal of Latin American Studies, v. 48, n. 4, p. 823–850. https://doi.org/10.1017/S0022216X16001814

Hochstetler, K. (2014). The Brazilian National Development Bank goes International : Innovations and Limitations of BNDES ’ Internationalization Special Section Article. Global Policy, v. 5, n. 3, p. 360–365. https://doi.org/10.1111/1758-5899.12131

Hopwood, A. G. (2009). Accounting and the environment. Accounting, Organizations and Society, v. 34, p. 433–439. https://doi.org/10.1016/j.aos.2009.03.002

Kraychete, E. S. (2016). O Banco Nacional De Desenvolvimento Econômico E Social (Bndes) E A Expansão De Empresas Brasileiras De Construção Civil Para A América Do Sul. CRH, v. 29, n. 03, p. 125–134. https://doi.org/10.1590/S0103-49792016000400009.

Lai, A.; Melloni, G.; Stacchezzini, R. (2014). Corporate Sustainable Development: is Integrated Reporting a Legitimation Strategy? Business Strategy and the Environment, v. 25, p. 165–177. https://doi.org/10.1002/bse.1863

Latres, H. M. M.; Lemos, C.; Falcon, M.; Magalhães, W. (2014). Arranjos produtivos locais e a experiência do BNDES. Liinc em Revista, v. 10, n. 2, p. 652–664. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3596/3075

Lazzarini, S. G.; Musacchio, A.; Bandeira-de-Mello, R.; Marcon, R. (2015). What Do State-Owned Development Banks Do ? Evidence from BNDES , 2002 – 09. World Development, v. 66, p. 237–253. https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2014.08.016

Perego, P.; Kennedy, S.; Whiteman, G. (2016). A lot of icing but little cake ? Taking integrated reporting forward. Journal of Cleaner Production, v. 136, n. July 2014, p. 53–64. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2016.01.106

Pezzin, D. C. (2015). Financiamentos do BNDES para concessões em transportes no Brasil : uma análise a partir da ótica do desenvolvimento regional. Revista Política e Planejamento Regional, v. 2, n. 1, p. 173–198.

Preston, L. E.; Post, J. E. (1981). Private Management and Public Policy. California Management Review, v. 23, n. 3, p. 56–62.

Quaglio, G. D. M.; Paiva, C. C. (2017). A questão regional e o BNDES : uma análise da conformidade entre a atuação do Banco e a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Economia e Sociedade, v. 26, n. 2, p. 337–368. https://dx.doi.org/10.1590/1982-3533.2017v26n2art3.

Rezende, F. (2015). Working Paper N. 825 Why Does Brazil ’ s Banking Sector Need Public Banks ? What Should BNDES Do ? by Hobart and William Smith Colleges Electronic copy available at : http://ssrn.com/abstract=2544722 Preferred URL : why-does-brazils-banking-sector-need-. Levy Economics Institute, n. 825.

Richardson, A. J. (1987). Accounting as a legitimating institution. Accounting Organizations and Society, v. 12, n. 4, p. 341–355. https://doi.org/10.1016/0361-3682(87)90023-7

Roberts, R. W. (1992). Determinants Of Corporate Social Responsibility Disclosure : An Application Of Stakeholder Theory. , v. 17, n. 6. https://doi.org/10.1016/0361-3682(92)90015-K

Schapiro, M. G. (2017). Legalidade ou discricionariedade na governança de bancos públicos : uma análise aplicada ao caso do BNDES. Revista de Administração Pública, v. 51, n. 1, p. 105–128. https://doi.org/10.1590/0034-7612155828

Schlickmann, P. (2016). A Distribuição Geográfica Dos Aportes Do Bndes Para A Indústria Do Plástico, Da Borracha E Da Química No Brasil. Bol. Goia. Geogr, v. 36, n. 3, p. 463–481. https://doi.org/10.5216/bgg.v36i3.44553

Silva, L.; Pereira, M. (2017). Os financiamentos do BNDES à logística do setor sucroenergético ( 2002-2015 ): concentração e reforço do uso corporativo do território no Brasil 1. As ações do Estado Brasileiro e atividades sucroenergéticas. Revista de Geografia e Ordenamento do Território, , n. 12, p. 335–356. http://dx.doi.org/10.17127/got/2017.12.015

Simonassi, Andrei Gomes, Arraes, Ronaldo de Albuquerque e, & Silva, José Henrique Felix. (2017). Política de Crédito do BNDES e Sustentabilidade de Crescimento do Setor Primário. Revista de Economia e Sociologia Rural, 55(1), 31-46. https://doi.org/10.1590/1234-56781806-94790550102

Sobreira, R.; Martins, N. M. (2011). Os Acordos de Basileia e bancos de desenvolvimento no Brasil : uma avaliação do BNDES e do BNB. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 2, p. 349–376. https://doi.org/10.1590/S0034-76122011000200004.

Souza, M. J. P. DE; Ferreira, A. L.; Hanley, A.; (2015). A quantitative analysis of the academic economic literature regarding the Brazilian Development Bank ( BNDES ). Economi, v. 16, n. 2, p. 157–175. http://dx.doi.org/10.1016/j.econ.2015.03.006

Spence, C. (2007). Social and environmental reporting and hegemonic discourse. Journal Accounting, Auditing & Accountability, v. 20, n. 6, p. 855–882. https://doi.org/10.1108/09513570710830272.

Suchman, M. C. (1995). Managing Legitimacy: Strategic And Institutional And Strategic Managing Legitimacy : Approaches. Academy of Management Review, v. 20, n. 3, p. 571–610. https://doi.org/10.2307/258788

Thomson, I. (2015). But does sustainability need capitalism or an integrated report ’ a commentary on ‘ The International Integrated Reporting Council : A story of failure ’ by Flower , J . Critical Perspectives on Accounting, v. 27, p. 18–22, 2015. 10.1016/j.cpa.2014.07.003

Torres, E. T. F.; Nogueira, F. (2012). BNDES e o financiamento do desenvolvimento. Economia e Sociedade, v. 21, p. 975–1009. https://doi.org/10.1590/S0104-06182012000400011

Downloads

Publicado

2020-12-05

Como Citar

FAVATO, K. J.; NEUMANN, M.; SANCHES, S. L. R. O PERCURSO DO CONTRATO DE LEGITIMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ANÁLISE DOS TEMAS ATRELADOS NO RELATO INTEGRADO DO BNDES. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 3, p. 52-73, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.5318. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5318. Acesso em: 19 jan. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)