Competitividade industrial de Minas Gerais no período 1985-2000: um enfoque econométrico

Autores

  • Eduardo Gonçalves
  • Tarsila Reis de Medeiros
  • Alexandre Sabino de Oliveira
  • Cristina Márcia Barros de Castro

Palavras-chave:

competitividade industrial, quebra estrutural, determinação endógena, Minas Gerais, Brasil.

Resumo

Este artigo propõe um tratamento econométrico sobre indicadores de competitividade vinculados à eficiência empresarial, especialmente aqueles relacionados à competitividade potencial relativa. Estes índices são obtidos
mediante a relação entre as séries de salário real e de produtividade do trabalho de Minas Gerais em comparação com o Brasil. Aplica-se este teste aos dados da Pesquisa Industrial Mensal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As características econométricas das séries dos indicadores de competitividade são analisadas através dos testes de Dickey-Fuller Aumentado e de Perron. A data da quebra estrutural é endogenamente determinada. Os resultados diferem, de acordo com o setor industrial considerado, com o momento em que ocorreu o ajuste estrutural no período 1985-2000 e com a existência ou não de uma trajetória crescente ou decrescente para a competitividade industrial.

Downloads

Publicado

2009-05-31

Como Citar

GONÇALVES, E.; MEDEIROS, T. R. de; OLIVEIRA, A. S. de; CASTRO, C. M. B. de. Competitividade industrial de Minas Gerais no período 1985-2000: um enfoque econométrico. Nova Economia, [S. l.], v. 13, n. 2, 2009. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/417. Acesso em: 24 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares