A INFLUÊNCIA DOS CAMPOS PESSOAL E ORGANIZACIONAL NA DECISÃO DO PREÇO SOB A PERSPECTIVA DE TOLERÂNCIA AO RISCO

Autores

  • Lisiany Andrino Borges Universidade Federal de Uberlândia
  • Edvalda Araújo Leal Universidade Federal de Uberlândia
  • Janser Moura Pereira Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v33i2.6990

Palavras-chave:

Teoria do Prospecto, Tomada de decisão, Aversão ao risco, Preço, Heurística da Disponibilidade

Resumo

O objetivo do estudo foi identificar a influência dos campos pessoal e organizacional na decisão do preço sob a perspectiva de tolerância ao risco à luz da Teoria do Prospecto proposta por Kahneman e Tversky em 1979. A análise no campo organizacional é realizada em relação a definição do preço e no campo pessoal na percepção de justiça na formação do preço. Para tanto, foi realizado um experimento em condições de laboratório aplicado de forma virtual para 174 estudantes de especialização lato sensu dos cursos de Administração e Contabilidade oferecidos pela Universidade Federal de Uberlândia. Os participantes foram direcionados aleatoriamente para dois grupos representando os campos pessoal e organizacional, os quais tomam decisões acerca do preço. Os dados foram analisados estatisticamente por meio de regressão logística e os resultados indicam que o campo em que a decisão foi tomada não afeta a tolerância ao risco do indivíduo, diferenciando-se o resultado dos demais encontrados em outros estudos da área.  Além disso, foi possível concluir que algumas variáveis demográficas influenciam o gestor na decisão referente a definição do preço e também o consumidor (campo pessoal) na percepção de justiça na formação do preço. Os achados condizem com a Teoria do Prospecto, a qual defende que os indivíduos se arriscam para evitar uma perda e evitam riscos em situações que podem obter um ganho. Os resultados do estudo contribuem com a apresentação de evidências empíricas sobre a tolerância ao risco, complementando a literatura no meio científico e para as organizações e a sociedade demonstrando quais características demográficas podem afetar a tolerância ao risco do cliente e do gestor nas decisões sobre o preço de venda.  

Biografia do Autor

Lisiany Andrino Borges, Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em ciências contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia. 
Especialista em Contabilidade Tributária pelo IPOG
ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8797-4494
Endereço: Av. João Naves de Ávila, 2121 - Bairro Santa Mônica, Uberlândia - MG, 38400-902
Telefone: (34) 3239-4176
E-mail: lisianyandrino@hotmail.com

Edvalda Araújo Leal, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Administração pela Fundação Getúlio Vargas - FGV-SP
Docente da Faculdade de Ciências Contábeis/Universidade Federal de Uberlândia
ORCID - https://orcid.org/0000-0002-7497-5949
Endereço: Av. João Naves de Ávila, 2121 - Santa Mônica, Uberlândia - MG, 38408-100 - Bloco 1 F - Sala 253
Fone: (34) 3239-4176
edvalda@ufu.br

Janser Moura Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras - UFLA
Docente da Faculdade de Matemática/Universidade Federal de Uberlândia
Orcid: https://orcid.org/0000-0002-4622-6203  
Av. João Naves de Ávila, 2121 - Bairro Santa Mônica, Uberlândia - MG, 38400-902 - Bloco 1F - Sala 1F120
Fone: +55 34 3239-4234
janser@ufu.br

Referências

Aguiar, A. B. (2017). Pesquisa experimental em contabilidade: Propósito, desenho e execução. Asaa Journal., 10 (2), 224-244. https://doi.org/10.14392/asaa.2017100206.

Alves, C. A., Varotto, L. F., & Gonçalves, M. N. (2012). Objetivos e métodos de preço no varejo: estudo na zona sul de São Paulo. Revista de Administração de Empresas, 52 (6), 595-612. https://doi.org/10.1590/S0034-75902012000600003.

Andersson, O., Holm, H. J., Tyran, J. R., & Wengström, E. (2014). Deciding for others reduces loss aversion. Management Science, 62 (1), 29-36. Disponível em: https://lusem.lu.se/media/kwc/working-papers/2014/kwc-wp-2014-4_1.pdf. Acesso em: 08 jan. 2021.

Atkinson, A. A., Banker, R. D., Kaplan, R. S. & Yong, S. M. (2011). Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 3 ed.

Bazerman, M. H. (2004). Processo decisório: para os cursos de administração, economia e MBA's (5a ed). Elsevier.

Bernoulli, D. (1954). Exposition of a new theory on the measurement of risk. Econometrica, 22 (1), 23-36. (Trabalho original publicado em 1738). https://doi.org/10.2307/1909829.

Brooks, C., Sangiorgi, I., Hillenbrand, C., & Money, K. (2018). Why are older investors less willing to take financial risks? International Review of Financial Analysis, 56, 52-72. https://doi.org/10.1016/j.irfa.2017.12.008.

Bolton, G. E., & Ockenfels, A. (2010). Betrayal aversion: evidence from Brasil, China, Omã, Suíça, Turquia e Estados Unidos, American Economic Review, 100 (1), 628-33. https://doi.org/10.1257/aer.100.1.628.

Cardoso, R. L., Riccio, E., & Lopes, A. B. (2008). O Processo decisório em um ambiente de informação contábil: Um estudo usando a Teoria dos Prospectos. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 5 (2), 85-95, https://doi.org/10.4013/base.20082.01.

Corrar, S. L., Paulo, E., & Dias Filho, J.M. (Coord.). (2007). Análise multivariada para cursos de administração, ciências contábeis e economia. Atlas.

Eriksen, K.W., & Kvaloy, O. (2009). Myopic investment management. Review of Finance, 14 (3), 521-542. https://doi.org/10.1093/rof/rfp019.

Fagundes, E. (2019). Tolerância ao risco dos gestores: uma análise na tomada de decisões nos campos pessoal e organizacional. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina].

Fernandes, R., Dantas, M. M., & Macedo, M. A. S. (2011). Análise do comportamento decisório de profissionais de contabilidade sob a perspectiva da racionalidade limitada: um estudo sobre os impactos da teoria dos prospectos e das heurísticas da representatividade e da disponibilidade. Anais do 18o Congresso Brasileiro De Custos.

Gall, M., Gall, J. & Borg, R.(2007). Educational research an introduction. 8. ed. New York: NY Pearson Education.

Geetha, S. N., & Selvakumar, M. M. (2016). An analysis on the factors influencing risk tolerance level of individual investors. International Journal of Business Excellence, 9 (2), 253-264. https://doi.org/10.1504/IJBEX.2016.074867.

GIL, A. C. (2006). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed). Atlas.

Grable, J.E., & Joo, S.H. (2004). Environmental and biophysical factors associated with financial risk tolerance. Journal of Financial Counseling and Planning, 15 (1), 73-82. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2260471#. Acesso em 07 mar. 2021.

Hallahan, T. A., Faff, R. W., & Mckenzie, M. D. (2004). An empirical investigation of personal financial risk tolerance. Financial Services Review-Greenwich, 13 (1), 57-78. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.392.58&rep=rep1&type=pdf. Acesso em 07 mar. 2021.

Harvey, N., Twyman, M., & Harries, C. (2006). Making decisions for other people: the problem of judging acceptable levels of risk. Forum: Qualitative Social Research, 7 (1).

Leary, M.R. (2001). Introduction to behavioral research methods, 3.ed. New Jersey: Pearson Education Inc.

Kahneman, D., & Tversky, A. (1979). Prospect theory: an analysis of decisions under Risk. Econometrica, 47 (2), 263-291. https://doi.org/10.2307/1914185.

Kahneman, D. (2012). Rápido e devagar: duas formas de pensar. Objetiva.

Lima Filho, R. N., Bruni, A. L., Sampaio, M. S., Cordeiro Filho, J.B., & Carvalho Jr., C.V.O. (2010). Heurísticas e práticas orçamentárias: um estudo experimental. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 5 (1), 42-58. https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v5i1.13190.

March, J. G., & Simon, H. A. (1975). Teoria das organizações. FGV.

March. J. G. (2010). Como as decisões realmente acontecem. Leopardo.

Meier-Pesti, K., & Goetze, E. (2005). Masculinity and femininity as predictors of financial risk-taking: Evidence from a priming study on gender salience. ACR European Advances, 7, 45-46. Disponível em: https://www.acrwebsite.org/volumes/13766/eacr/vol7/E-07. Acesso em 08 mar. 2021.

Montinari, N., & Rancan M. (2013). Social preferences under risk: the role of social distance. Jena Economic Research Papers, 50 (1). Disponível em: https://www.econstor.eu/handle/10419/98455. Acesso em 08 mar. 2021.

Mortensen, T., Fisher, R., & Wines, G. (2012). Students as surrogates for practicing accountants: Further evidence. Accouting Forum, 36 (4), 251-265. https://doi.org/10.1016/j.accfor.2012.06.003.

Nogueira, R. C. G. (2009). Finanças comportamentais: diferenças na tolerância de risco entre cônjuges - replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares. [Dissertação de Mestrado em Administração, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro].

Oliveira, R. L., & Krauter, E. (2015). Teoria do prospecto: como as finanças comportamentais podem explicar a tomada de decisão. Revista Pretexto, 16 (3), 106-121. https://doi.org/10.21714/pretexto.v20i3.7134.

Reis, R. G. B., & Santana, A. F. B. (2012). Formação de preço de venda e a Relação de Custo x Volume x Lucro: Um Estudo de Caso em uma Empresa de Confecções. Revista Eletrônica Saber Contábil, 2 (2), 93-114.

Ross, G. D., Nora, B. D., & Milani, B. (2015). Aversão ao risco em profissionais do setor financeiro. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 8, 104-118. DOI: 10.5902/1983465916344.

Rosadas, L.A.S.; Macedo, M.A.S. (2004). Formação do preço de venda: Uma análise do setor de material de construção. Anais do 11o Congresso Brasileiro de Custos, Disponível em: https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/download/2440/2440. Acesso em 17 abr. 2020.

Securato, J. R. (12012). Decisões financeiras em condições de risco. Saint Paul.

Shepherd, D. A., Williams, T. A., & Patzelt, H. (2015). Thinking about entrepreneurial decision making: Review and research agenda. Journal of management, 41 (1), 11-46. https://doi.org/10.1177/0149206314541153.

SIMON, H. A. (1947). Administrative behavior: a study of decision-making processes in administrative organization. Macmillan.

Smith, G. E., & Nagle, T. T. (1995). Frames of reference and buyer's perception of price and value. California Management Review, 38 (1), 98-116. https://doi.org/10.2307/41165823.

Schultz, K. L., Robinson, L. W., Thomas, L.J. Schultz, J., & Mcclain, J. O. (2018). The use of framing in inventory decisions. Production and Operations Management. 27 (1), 49-57. https://doi.org/10.1111/poms.12782.

Sollisch, J. (2016, 10 Junho). The cure for decision fatigue. Wall Street Journal (WSJ), Disponível em:https://www.wsj.com/articles/the-cure-for-decision-fatigue-1465596928. Acesso em: 10 jan. 2021.

Swerts, G.B.A. (2001). A Teoria da decisão e sua utilização pela contabilidade. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ, 6 (1), 72-85, Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rcmccuerj/article/view/7299/pdf Acesso em: 26 set. 2019.

Tversky, A., & Kahneman, D. (1974). Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Science, 185 (4157), 1124-1131. https://doi.org/10.1126/science.185.4157.1124.

Walliman, N. (2011). Research methods: the basics. Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203836071.

Yao, J., & Li, D. (2013). Bounded rationality as a source of loss aversion and optimism: A study of psychological adaptation under incomplete information. Journal of Economic Dynamics and Control, 37 (1), 18-31, https://doi.org/10.1016/j.jedc.2012.07.002.

Publicado

2022-09-13

Como Citar

BORGES, L. A.; LEAL, E. A.; PEREIRA, J. M. A INFLUÊNCIA DOS CAMPOS PESSOAL E ORGANIZACIONAL NA DECISÃO DO PREÇO SOB A PERSPECTIVA DE TOLERÂNCIA AO RISCO. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 129-156, 2022. DOI: 10.22561/cvr.v33i2.6990. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/6990. Acesso em: 4 out. 2022.