GESTÃO DE CUSTOS INTERORGANIZACIONAIS: UM ESTUDO DA “REDE CERRADO” DE SUPERMERCADOS

Autores

  • Larissa Couto Campos Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis
  • Karine Gonzaga de Oliveira Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis
  • Edvalda Araujo Leal Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis
  • Sérgio Lemos Duarte Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Palavras-chave:

Gestão Estratégica de Custos. Redes Interorganizacionais. Gestão de Custos Interorganizacionais.

Resumo

Sobrevier em um mercado competitivo e dinâmico é um desafios dos gestores das pequenas e médias empresas. Neste ambiente a Gestão de Custos Interorganizacionais (GCI) pode ser uma alternativa para os pequenos e médios empresários, pois coordena as atividades empresariais por meio de uma formação de rede interorganizacional com fornecedores e outros empresários, gerenciando os custos da rede. O objetivo da pesquisa foi verificar quais os fatores ou circunstâncias acondicionam a prática da GCI por parte dos empresários que participam da “Rede Cerrado”, bem como comparar a aderência dos fatores condicionantes e motivacionais por parte dos empresários que participam de uma rede interorganizacional. Para isso, foi realizado um estudo de caso na “Rede Cerrado” localizada na cidade de Uberlândia (MG). Essa pesquisa se caracteriza como descritiva, com abordagem qualitativa. A coleta de dados envolveu entrevistas semiestruturadas com quatro associados da Rede Cerrado e pesquisa documental, foi feita a triangulação de dados. Observou-se que o principal fator que motivou os empresários a entrar na rede foi a possibilidade de realizar compras em conjunto e assim, diminuir os custos da compra junto aos fornecedores. Em relação às variáveis de relacionamento da GCI, verificou-se que há na Rede Cerrado os cinco atributos necessários para o bom funcionamento da GCI em uma rede: confiança, estabilidade, interdependência, cooperação e benefícios mútuos. Quanto aos fatores condicionantes, aqueles que favorecem a aplicação da GCI são os relacionados ao produto, nível de relacionamento e presença de mecanismos disciplinadores e capacitadores. O tipo de cadeia da rede foi classificada como democrática, dificultando a utilização da GCI.

Biografia do Autor

Larissa Couto Campos, Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis/ Universidade Federal de Uberlândia, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia

Karine Gonzaga de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis/ Universidade Federal de Uberlândia, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia

Edvalda Araujo Leal, Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Doutora em Administração pela Fundação Getúlio Vargas, mestre em Ciências Contábeis pel PUC/SP, professora adjunta da Universidade Federal de Uberlândia/Faculdade de Ciências Contábeis

Sérgio Lemos Duarte, Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Doutorando em Contabilidade de Controladoria pela Universidade de São Paulo/USP; mestre em Administração pela FAGEN/Universidade Federal de Uberlândia; Professor da Faculdade de Ciências Contábeis/Universidade Federal de Uberlândia.

Downloads

Publicado

2016-09-23

Como Citar

CAMPOS, L. C.; OLIVEIRA, K. G. de; LEAL, E. A.; DUARTE, S. L. GESTÃO DE CUSTOS INTERORGANIZACIONAIS: UM ESTUDO DA “REDE CERRADO” DE SUPERMERCADOS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 27, n. 3, p. 81-104, 2016. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/2958. Acesso em: 31 out. 2020.