MODALIDADES DE AVALIAÇÃO PROPOSTAS PARA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS: UMA ANÁLISE À LUZ DA TEORIA DA AVALIAÇÃO

Autores

  • Rayanne Silva Barbosa Universidade Federal de Uberlândia
  • Edvalda Araujo Leal Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis
  • Janser Moura Pereira Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.5280

Palavras-chave:

Teoria da Avaliação, Modalidades de avaliação, Norma Internacional de Educação Contábil, Avaliação da competência profissional

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo identificar e analisar as modalidades de avaliação adotadas para o processo de ensino-aprendizagem nos cursos de Ciências Contábeis à luz da Teoria da Avaliação. A Teoria da avaliação, proposta por Scriven (1966), categoriza as avaliações em três modalidades (diagnóstica, formativa e somativa) conforme o objetivo que se deseja alcançar. As avaliações são utilizadas também para avaliar se o discente apresenta as competências profissionais (conhecimentos, habilidades e atitudes) necessárias para a futura profissão. As Normas Internacionais de Educação Contábil (IES) almejam a internacionalização do ensino em Ciências Contábeis, sendo que a IES 6 sugere princípios a serem seguidos para a Avaliação da Competência Profissional, envolvendo competências requeridas pelos empregadores, clientes e usuários no geral. A coleta de dados ocorreu com a aplicação de um questionário online aos 141 docentes atuantes em 25 cursos de graduação em Ciências Contábeis das Instituições de Ensino Superior públicas federais e estaduais da região Sudeste do Brasil. Para análise dos dados fez-se uso dos testes estatísticos de correlação linear, comparação múltipla de proporções e Kruskal-Wallis. Os resultados mostram que os docentes fazem uso dos princípios propostos pela IES 6 e que eles adotam as modalidades de avaliação somativa e formativa da Teoria da Avaliação.

Biografia do Autor

Rayanne Silva Barbosa, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Ciências Contábeis - Universidade Federal de Uberlândia

Edvalda Araujo Leal, Universidade Federal de Uberlândia/ Faculdade de Ciências Contábeis

Doutora em Administração pela Fundação Getúlio Vargas, mestre em Ciências Contábeis pela PUC/SP, professora adjunta da Universidade Federal de Uberlândia/Faculdade de Ciências Contábeis

Janser Moura Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras  e doutorado em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras 

Referências

Abreu, J. R. P. de. (2009). Contexto atual do ensino médio: metodologias tradicionais e ativas – necessidades pedagógicas dos professores e da estrutura das escolas (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Abreu, M. C. T. A. de, & Masetto, M. T. (1983). O professor universitário em aula: prática e princípios teóricos (3a ed.). São Paulo: MG Ed. Associados.

Alberto, J. L. M., & Balzan, N. C. (2008). Avaliação de projeto político-pedagógico pelos funcionários: espaço e representatividade. Avaliação, 13(3), 745-770. https://doi.org/10.1590/S1414-40772008000300007

Almeida, A. M. F. da P. M. de. (1997). A avaliação da aprendizagem e seus desdobramentos. Revista da Avaliação da Educação Superior, 2(2), 37-50.

Amorim, J., Rego, I. de M. S., Siqueira, J. M. de, & Martínez-Sáez, A. (2011). Defining the design parameters of a teacher training course on the incorporation of ICT into teaching practices. Social and Behavioral Sciences, 15, 653-657. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2011.03.158

Andere, M. A., & Araújo, A. M. P. (2008). Aspectos da formação do professor de ensino superior de ciências contábeis: uma análise dos programas de pós-graduação. Revista de Contabilidade e Finanças, 19(48), 91-102.

Andrade, M. M. (2004). Como preparar trabalho para cursos de pós-graduação: noções práticas (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Araújo, A. O., & Moraes, V. F. de, Jr. (2012). Avaliação da aprendizagem: uma experiência do uso do portfólio em uma disciplina do curso de Ciências Contábeis. Revista Ambiente Contábil, 4(1), 36-50.

Azevedo, Y. G. P., Araújo A. O., & Medeiros V. C. (2017). Conhecimentos, habilidades e atitudes desenvolvidas pelos discentes de contabilidade através da aprendizagem baseada em projetos. Revista de Contabilidade, Gestão e Governança, 20(1), 153-174. https://doi.org/10.21714/1984-3925_2017v20n1a9

Biase, N. G. (2006). Comparações múltiplaspara parâmetros binomiaisutilizando bootstrap (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Beuren, I. M. (Org.). (2008). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Black, P., & Willian, D. (2013). Assessment for learning in the classroom. In J. Gardnerr (Org.), Assessment and learning. Londres: Sage.

Bolzan, L. M., Fernandes, D., & Antunes, E. D. D. (2019). Concepções avaliativas no ensino superior de Administração. Meta: Avaliação, 11(32), 376-405. https://doi.org/10.22347/2175-2753v11i32.1998

Conselho Federal de Contabilidade. (2016a). Desenvolvimento profissional. Exame de suficiência. Recuperado de http://portalcfc.org.br/coordenadorias/desenvolvimento_profissional/exames/exame_de_suficiencia/

Conselho Federal de Contabilidade. (2016b). Quantos Somos. Profissionais ativos nos conselhos regionais de contabilidade agrupados por categoria. Recuperado de http://www3.cfc.org.br/spw/crcs/ConsultaPorRegiao.aspx?Tipo=1

Cornachione, E. B., Jr. (2004). Tecnologia da educação e cursos de ciências contábeis: modelos colaborativos virtuais (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

DCeC. (2017). Portifólio. Recuperado de http://dcec.atwebpages.com/portifolio/pagina_principal

Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e metodológicas. In M. P. Alves, & J. M. de Ketele (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo. Lisboa: Porto.

Fernandes, D. (2006). Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação, 19(2), 21-50.

Fernandes, D. (2008). Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional, 19(41), 347-372. https://doi.org/10.18222/eae194120082065

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, 5, 183-196. https://doi.org/10.1590/S1415-65552001000500010

Garcia, J. (2009). Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudo em Avaliação Educacional, 20(43), 201-213. https://doi.org/10.18222/eae204320092045

Haydt, R. C. C. (1991). Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática.

Hernández, F. (2000). Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho (J. H. Rodrigues, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013). Censo da Educação Superior 2013. Recuperado de https://www.ufmg.br/dai/textos/coletiva_censo_superior_2013.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2015). Censo da Educação Superior 2014 - Notas Estatísticas. Recuperado de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2015/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2014.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016). Censo da Educação Superior 2015. Recuperado de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/apresentacao/2015/Apresentacao_Censo_Superior_2015.pdf

International Accounting Education Standards Board. (2014a). Handbook of International Education Pronouncements. Nova York: IFAC. Recuperado de https://www.ifac.org/system/files/publications/files/IAESB-2015-Handbook_0.pdf

International Accounting Education Standards Board. (2017). Handbooks, Standards, and Pronouncements. 2017 Handbook of International Education Pronouncements. Recuperado de https://www.ifac.org/publications-resources/2017-handbook-international-education-pronouncements

International Accounting Education Standards Board. (2014b). Proposed Framework for International Education Standards. New York: IFAC. Recuperado de https://www.ifac.org/system/files/publications/files/IAESB-Framework-Explanatory-Memo-and-Exposure-Draft-2.pdf

Jacomossi, F. A., & Biavatti, V. T. (2017). Normas Internacionais de Educação Contábil propostas pelo Internatinal Accounting Education Standards Board. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(3), 57-78. https://doi.org/10.18405/recfin20170304

Krüger, L. M., & Ensslin, S. R. (2013). Método tradicional e método construtivista de ensino no processo de aprendizagem: uma investigação com os acadêmicos da disciplina Contabilidade III do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Organizações em Contexto, 9(18), 291-270. https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v9n18p219-270

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais (P. C. R. Reuillard, Trad.) (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Lemos, P. S., & Sá, L. P. (2013). A avaliação da aprendizagem na concepção de professores de química do ensino médio. Revista Ensaio, 15(3), 53-71. https://doi.org/10.1590/1983-21172013150304

Luckesi, C. C. (2008). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições (19a ed.). São Paulo: Cortez.

Mazzioni, S. (2013). As estratégias utilizadas no processo de ensino-aprendizagem: concepções de alunos e professores de Ciências Contábeis. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, 2(1), 93-109.

Ministério da Educação. (2016a). Enade – Apresentação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/enade

Ministério da Educação. (2016b). Instituições de educação superior e cursos cadastrados. Recuperado de http://emec.mec.gov.br/

Ministério da Educação. (2006). Instrumento de avaliação de cursos de graduação. Recuperado de http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/488884

Oliveira, M. C. de S. M. de, Paiva, K. C. M. de, & Melo, M. C. de O. L. (2008). Formação de competências profissionais e interdisciplinaridade no Curso de Ciências Contábeis: percepções dos discentes. Anais do Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32. Recuperado de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/EPQ-B2633.pdf

Ott, E., Cunha, J. V. A. da, Cornacchione, E. B., Jr., & De Luca, M. M. M. (2011). Relevância dos conhecimentos, habilidades e métodos instrucionais na perspectiva de estudantes e profissionais da área contábil: estudo comparativo internacional. Revista de Contabilidade e Finanças, 22(57), 338-356. https://doi.org/10.1590/S1519-70772011000300007

Patrama, A. (2015) Bridging the gap between academicians and practitioners on accountant competencies: an analysis of international education standards (IES) implementation on Indonesia's accounting education. Procedia – social and behavioral science, (211), 19-26. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.11.004

Piletti, C. (2007). Didática geral (23a ed., 8a imp.). São Paulo: Ática.

Resolução CNE/CES n. 10, de 16 de dezembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf

Ribeiro, L. R. de C., & Escrivão, E., Filho (2011). Avaliação formativa no ensino superior: um estudo de caso. Acta Scientiarum - Human and Social Sciences, 33(1), 45-54. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v33i1.9214

Ruas, R. (2003). Mestrado modalidade profissional: em busca da identidade. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 55-63. https://doi.org/10.1590/S0034-75902003000200004

Sá, P., Monteiro, A., & Lopes, A. (2014). Ensino, avaliação e aprendizagem em universidades brasileiras. In D. Fernandes, A. Borralho, & C. Barreira (Orgs.). Avaliação, ensino e aprendizagem no ensino superior em Portugal e no Brasil: realidades e perspectivas (Vol. 1). Lisboa: EDUCA.

Sakamoto, B. A. M. (2008). Avaliação em questão: Perrenoud e Luckesi. Anais do Simpósio Nacional de Educação, Cascavel, PR, Brasil, 1. Recuperado de http://ltc.nutes.ufrj.br/constructore/objetos/Artigo%20sakamoto.pdf

Saupe, R., Benito, G. A. V., Wendhausen, Á. L. P., & Cutolo, L. R. A. (2006). Conceito de competência: validação por profissionais de saúde. Saúde em Revista, 8(18), 31-37.

Scriven, M. (1966). The methodology of evaluation. Social Science Education Consortium, 110, 1-58.

Shaftel, J. S., & Shaftel, T. L. (2007). Educational assessment and the AACSB. Issues in Accounting Education, 22(2), 215-232. https://doi.org/10.2308/iace.2007.22.2.215

Silva, M. Z., Theiss, V., & Rausch, R. R. (2013). Avaliação da aprendizagem na educação superior: relato de uma experiência. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, (Ed. especial Anpad), 363-398.

Slomski, V. G. (2013). Saberes da docência que fundamentam a prática pedagógica do professor que ministra a disciplina de gestão de custos em um curso de ciências contábeis. Revista Universo Contábil, 9(4), 71-89. https://doi.org/10.4270/ruc.2013431

Sousa, S. Z. L. (2007). Revisando a teoria da avaliação da aprendizagem. In C. P. de Sousa (Org.), Avaliação do rendimento escolar (14a ed.). Campinas: Papirus.

Sparrow, P. R., & Bognanno, M. (1994). Competency requirement forecasting: issues for international selection and assessment. In C. Mabey, & P. Iles (Orgs.), Managing Learning. Londres: Thomson.

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

BARBOSA, R. S.; LEAL, E. A.; PEREIRA, J. M. MODALIDADES DE AVALIAÇÃO PROPOSTAS PARA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS: UMA ANÁLISE À LUZ DA TEORIA DA AVALIAÇÃO. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 2, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.5280. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5280. Acesso em: 25 set. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)