INFLUÊNCIA DO CAPITAL PSICOLÓGICO NA INTENÇÃO DE ROTATIVIDADE DE AUDITORES INDEPENDENTES

Autores

  • Mara Vogt Fundação Universidade Regional de Blumenau
  • Cleyson Marcos
  • Paulo Roberto da Cunha Universidade Regional de Blumenau – FURB

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v32i2.5990

Palavras-chave:

Capital Psicológico no Trabalho, Intenção de Rotatividade, Auditores Independentes

Resumo

Este estudo objetiva verificar a influência do capital psicológico na intenção de rotatividade de auditores independentes. Realizou-se uma pesquisa descritiva, de levantamento e com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 166 auditores independentes que responderam devidamente o questionário proposto. O constructo do Capital Psicológico no Trabalho é constituído de quatro dimensões: autoeficácia, otimismo, esperança e resiliência. Já o constructo relacionado a Intenção de Rotatividade no Trabalho é constituído de uma escala constituída de três questões que avaliam o grau em que um indivíduo elabora planos para sair da firma. Para a análise dos dados utilizou-se a análise descritiva de frequências e a técnica estatística regressão logística multinomial. Os resultados indicam uma relação direta entre o médio otimismo dos auditores e a média e alta intenção de rotatividade (turnover). Ademais, uma relação inversa entre a média resiliência e a alta intenção de rotatividade. O estudo também buscou compreender as percepções dos auditores relacionadas ao sexo. Os auditores com cargo de sócios apresentam menor intenção média de rotatividade, o que pode ser explicado pelo tempo que atuam na firma de auditoria e o cargo que possuem, que lhes oferece mais estabilidade e garantia de permanecer na firma de auditoria. As evidências do estudo indicam influência do capital psicológico na intenção de rotatividade de auditores independentes a partir das dimensões otimismo e resiliência. Outra constatação relevante é que para as firmas de auditoria, o Capital Psicológico no Trabalho pode contribuir na gestão dos auditores, no que concerne a identificação e o monitoramento da intenção de rotatividade.

Biografia do Autor

Mara Vogt, Fundação Universidade Regional de Blumenau

Doutora em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Professora da graduação em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Cleyson Marcos

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Professor na Faculdade Capivari (FUCAP).

Paulo Roberto da Cunha, Universidade Regional de Blumenau – FURB

Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau (FURB) e da graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC).

Referências

Agapito, P. R., Polizzi Filho, A. & Siqueira, M. M. M. (2015). “Bem-Estar no Trabalho e Percepção de Sucesso na Carreira como Antecedentes de Intenção de Rotatividade”, Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 71-93. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p71-93.

Assis, M. T. (2010). Indicadores de gestão de recursos humanos. Qualitymark, Rio de Janeiro.

Avey, J. B., Patera, J. L. & West, B. J. (2006). “The implications of positive psychological capital on employee absenteeism”, Journal of Leadership & Organizational Studies, 13(2), 42-60. DOI: 10.1177/10717919070130020401.

Avey, J. B., Reichard R. J., Luthans F. & Mhatre K. H. (2011). “Meta-analysis of the impact of positive psychological capital on employee attitudes, behaviors, and performance”, Human Resource Development Quarterlv, 22(2), 127-152. DOI: 10.1002/hrdq.20070.

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York.

Baumeister, R. F., Bratslavsky E., Finkenaur C. & Vohs K. D. (2001). “Bad is stronger than good”, Review of General Psychology, 5(1), 323-370. DOI: https://doi.org/10.1037/1089-2680.5.4.323.

Beuren, I. M., Ribeiro, F., & Silva, O. L. (2019). “Percepção de justiça organizacional e intenção de turnover em empresas de auditoria”. Revista de Ciências da Administração, 21(53), 93-111. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2019V21n53p93.

Broberg, P., Tagesson, T., & Uman, T. (2020). “Antecedentes do bem-estar psicológico entre funcionários de firmas de auditoria suecas”. Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública, 17(10), 33-46. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-6971/eRAMD200105.

Campos, C. V. A. & Malik, A. M. (2008). “Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família”, Revista de Administração Pública, 42(2), 347-368. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122008000200007.

Carver, C. S. & Scfieier, M. F. (2002). “Optimism”. In: Lopez, S. J., & Snyder, C. R. (Org.). Handbook of positive psychology. Oxford University, New York.

Cascio, W. (1991). Costing Human Resources: The Financial Impact of Behavior in Organizations, 3a ed., Ed. Boston: PWS-KENT Publishing Company.

Chang, E. (1999). “Career Commitment as a Complex Moderator of Organizational Commitment and Turnover Intention”, Human Relations, 52(10), 1257-1278. DOI: https://doi.org/10.1177/001872679905201002.

Chiavenato, I. (2010). Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier.

Cunha, M. P., Rego, A., Lopes, M. P. & Ceitil, M. (2008). Organizações positivas: manual de trabalho e formação para desenvolver as forças dos indivíduos e das organizações. Sílabo, Lisboa.

Edgley, C., Sharma, N. & Anderson-Gough, F. (2016). “Diversity and professionalism in the Big Four Firms: Expectation, celebration and weapon in the battle for talent”, Critical Perspectives on Accounting, 35, 13-34. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2015.05.005.

Fávero, L. P. (2015). Análise de dados: modelos de regressão com Excel®, Stata® e SPSS®. 1a ed. Elsevier.

Ferguson, K. L. & Reio Jr., T. G. (2010). “Human resource management systems and firm performance”, Journal of Management Development, 29(5), 471-494. DOI: https://doi.org/10.1108/02621711011039231.

Ferreira, L. C. M. & Azzi R. G. (2010). “Docência, burnout e considerações da teoria da autoeficácia”, Psicologia Ensino & Formação, 1(2), 23-34.

Gubman, E. (1998). The talent solution: aligning strategy and people to achieve extraordinary results. McGraw-Hill, New York.

Hammes, C. C. F., Santos, A. J., & Melim, J. M. (2016). “Os impactos do turnover para as organizações”. Revista Espacios, 37(03), 1-24.

Kazi, G. M. & Zadeh, Z. F. (2011). “The contribution of individual variables: job satisfaction and job turnover”, IJCRB – Interdisciplinary Journal of Contemporary Research in Business, 3(5), 985-992.

Luthans, F. (2002). “The need for and meaning of positive organizational behavior”, Journal of Organizational Behavior, 23(6), 695-706. DOI: https://doi.org/10.1002/job.165.

Luthans, F., Avolio, B., Avey, J. & Norman, S. (2007). “Positive psychological capital: measurement and relationship with performance and satisfaction”, Personnel Psychology, (60), 541-72. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1744-6570.2007.00083.x.

Luthans, F., Luthans, K. W. & Luthans, B. C. (2004). “Positive psychological capital: beyond human and social capital”, Business Horizons, 41(1), 45-50. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bushor.2003.11.007.

Luthans, F. & Youssef, C. M. (2004). “Human, social and now positive psychological capital management: investing in people for competitive advantage”, Organizational Dynamics, 33 (2), 143-160. DOI: https://doi.org/10.1016/j.orgdyn.2004.01.003.

Martinez, A. L. (2010). “Quando o conselho de administração e a auditoria evitam o gerenciamento de resultados? Evidências empíricas para empresas brasileiras”. Revista de Informação Contábil, 4(1), 76-93. DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v4i1.76-93.

Masood, S., Siddiqui, G. K., Lodhi, H., & Shahbaz, S. (2020). “Effect of Leadership Styles on Organizational Citizenship Behavior and Employee Turnover Intention”. Journal of Accounting and Finance in Emerging Economies, 6(2), 487-495. DOI:10.26710/jafee.v6i2.1200.

Mintzberg, H. & Lampel, J. (1999). “Reflecting on the strategy process”, MIT Sloan Management Review, 40(3), 21-30.

Mobley, W. H. (1977). “Intermediate linkages in the relationship between job satisfaction and employee turnover”, Journal of Applied Psychology, 62(2), 237-240. DOI: https://doi.org/10.1037/0021-9010.62.2.237.

Moraes, M. C. L. & Rabinovich, E. P. (1996). “Resiliência uma discussão introdutória”. Journal of Human Growth and Development, 6(1-2), 10-13. DOI: https://doi.org/10.7322/jhgd.38369.

Morgan, G. (2010). Imagens da organização. 2a ed. Atlas, São Paulo.

Muliawan, A. D., Green, P. F. & Robb, D. A. (2009). “The turnover intentions of information systems auditors”, International Journal of Accounting Information Systems, 10(3), 117-136. DOI: https://doi.org/10.1016/j.accinf.2009.03.001.

Oliveira, A. Q. & Santos, S. N. M. B. F. (2007). “Rodízio de firmas de auditoria: a experiência brasileira e as conclusões do mercado”, Revista Contabilidade & Finanças, 18(45), 91-100. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772007000400009.

Oliveira, P. M. & Limongi-França, A. C. (2005). “Avaliação da gestão de programas de qualidade de vida no trabalho”, RAE-eletrônica, 4(1).

Pajares, F. & Olaz, F. (2008). “Teoria social cognitiva e auto-eficácia: uma visão geral”, Teoria social cognitiva: Conceitos básicos, 97-114.

Polizzi Filho, A. & Claro, J. A. C. S. (2019). “O impacto de bem-estar no trabalho e de capital psicológico sobre intenção de rotatividade: um estudo com professores”, RAM, Rev. Adm. Mackenzie, 20(2), 1-27. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-6971/eRAMG190064.

Ribeiro, A. C. (2019). O Impacto da Auditoria Interna na Gestão de uma Organização. 94f. 2019. Dissertação (Mestrado em Auditoria), Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Portugal, 2019.

Safavi, H. P., & Bouzari, M. (2020). “How can leaders enhance employees' psychological capital? Mediation effect of person-group and person-supervisor fit”. Tourism Management Perspectives, 33, 1-9. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tmp.2019.100626.

Seligman, M. E. E & Csikszentmihalyi, M. (2000).” Positive psychology: an introduction”, American Psychologist, 55(1), 5-14. DOI:10.1037/0003-066X.55.1.5.

Seligman, M. E. P. (2002). Felicidade autêntica. Editora Objetiva.

Siqueira, M. M. M., Gomide Jr., S., De Oliveira, Á. F. & Polizzi Filho, A. (2014a). “Intenção de Rotatividade”. In: Siqueira, M. M. M. (Org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de Gestão. Artmed, Porto Alegre.

Siqueira, M. M. M., Martins, M. C. F. & Souza, W. da S. (2014b). “Capital Psicológico no trabalho”. In: Siqueira, M. M. M. (Org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de Gestão. Artmed, Porto Alegre.

Snyder, C. R., Irving, L. M. & Anderson, J. R. (1991). “Hope and health”. In: Snyder, C. R. and Forsyth. D. R. (Org.). Handbook of social and clinical psychology: the health perspective. Elmsford: Pergamonm.

Tato, L. B. (2008). “El factor emocional en auditoría”, Auditoría pública: revista de los Organos Autónomos de Control Externo, (44), 37-45.

Torres, J. M. B. C. R. (2010). “Qualidade de vida no trabalho (QVT) e intenção de turnover: efeito preditor de dimensões de QVT na intenção de turnover”. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Vandenberg, R. J. & Nelson, J. B. (1999). “Desegregating the Motives Underlying Turnover Intentions: When do Intentions Predict Turnover Behavior?”, Human Relations, 52(10), 1313-1336. DOI:10.1023/A:1016964515185.

Wubin, S. & Zhao Liang, Y. (2010). “Main effect and moderating effect of psychological capital in the model of employee turnover intention”. In: International Conference on Advanced Management Science. Disponível em: http://ieeexplore.ieee.org/document/5553049/.

Yin-Fah, B. C., Foon Y. S., Chee-Leong L. & Osman S. (2010). “An exploratory study on turnover intention among private sector”, International Journal of Business and Management, 5(8), 57-64. DOI:10.5539/ijbm.v5n8p57.

Yuen, D. C., Law, P. K., Lu, C., & Guan, J. Q. (2013). “Dysfunctional auditing behaviour: empirical evidence on auditors' behaviour in Macau”. International Journal of Accounting & Information Management, 21(3), 209-226. DOI:10.1108/IJAIM-12-2012-0075.

Zhen, Y. Mansor, Z. D. (2020). A Review on Employee's Voluntary Turnover: A Psychological Perspective, J. Mgt. Mkt. Review, 5(2) 107-112. DOI:10.37200/IJPR/V24I3/PR200978.

Publicado

2021-07-29

Como Citar

VOGT, M.; MARCOS, C.; CUNHA, P. R. da . INFLUÊNCIA DO CAPITAL PSICOLÓGICO NA INTENÇÃO DE ROTATIVIDADE DE AUDITORES INDEPENDENTES. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 122-151, 2021. DOI: 10.22561/cvr.v32i2.5990. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5990. Acesso em: 17 set. 2021.