VALOR JUSTO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS COMO DETERMINANTE DO LUCRO LÍQUIDO DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS

Autores

  • Arthur Frederico Lerner UFRGS
  • Vanessa Noguez Machado UFRGS
  • Maria Ivanice Vendruscolo UFRGS
  • Fernanda Gomes Victor UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.5682

Palavras-chave:

Commodities, Resultado, Ativo biológico, Valor justo, Lucro por Ação

Resumo

O presente estudo teve por objetivo analisar como a volatilidade dos resultados anuais das companhias abertas brasileiras é influenciada pela oscilação do preço das commodities agrícolas. A amostra é composta por 26 companhias abertas com ações negociadas na Brasil, Bolsa, Balcão [B]³ que apresentavam saldo na conta de Ativos Biológicos, tanto no curto quanto no longo prazos. Os dados, analisados ao longo de nove anos (2010 a 2018), foram agrupados em categorias e tratados estatisticamente, por meio de dados em painel com série temporal empilhada. O preço de algumas commodities - como algodão, suínos, aves e trigo – apresentam influência sobre a volatilidade dos resultados anuais das companhias, de modo que sua volatilidade se mostra significativamente atrelada à avaliação mais acurada do valor da empresa. Assim, o estudo contribui para a sinalização dos preços das commodities agrícolas ao mercado e sua influência na volatilidade dos lucros, de modo a otimizar a tomada de decisão de investidores e gestores, evitando perdas e auxiliando no desenvolvimento de estratégias quantitativas para a rentabilidade de seus ativos.

Biografia do Autor

Arthur Frederico Lerner, UFRGS

Mestre em Controladoria e Contabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCont) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Vanessa Noguez Machado, UFRGS

Doutoranda em Controladoria e Governança pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Maria Ivanice Vendruscolo, UFRGS

Doutora em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCont) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Fernanda Gomes Victor, UFRGS

Doutora em Administração, na área de concentração Contabilidade e Finanças pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCont) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

Almeida, M. C. (2014). Curso de Contabilidade intermediária em IFRS e CPC. São Paulo: Atlas.

Argilés, J. M., García-Blandón, J., & Monllau, T. (2009). Fair value versus historic cost valuation for biological assets: implications for the quality of financial information. Working Papers in Economics, 215, Universitat de Barcelona. Espai de Recerca en Economia. Recuperado de http://diposit.ub.edu/dspace/bitstream/2445/34393/1/E09-215_Argiles.pdf

Argilés, J. M., García-Blandón, J., & Monllau, T. (2011). Fair value versus historical cost-based valuation for biological assets: predictability of financial information. Revista de Contabilidad, 14(2), 87-113. https://doi.org/10.1016/S1138-4891(11)70029-2

Ball, R. (2006). International Financial Reporting Standards [IFRS]: pros and cons for investors. Accounting and Business Research, 36 (special issue), 5-27. https://doi.org/10.1080/00014788.2006.9730040

Barros, C. C., Souza. F. J. V., Araújo, A. O, Silva, J. D. G., & Silva, M. C. (2012). O impacto do valor justo na mensuração dos ativos biológicos nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), 17(3), 41-59. https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v17i3.5345

Barth, M. E. (2006). Including estimates of the future in today's financial statements. Accounting Horizons, 20(3), 271-285. https://doi.org/10.2308/acch.2006.20.3.271

Bini, D. A., Souza, M. O., Canever, M. D., & Ely, R. A. (2016). Transmissão de preços ao longo das cadeias produtivas do Brasil. Revista de Economia, 43(1). http://dx.doi.org/10.5380/re.v42i1.48660

Bleck, A., & Liu, X. (2007). Market transparency and the accounting regime. Journal of Accounting Research, 45(2), 229-256. https://doi.org/10.1111/j.1475-679X.2007.00231.x

Bohušová, H., Svoboda, P., & Nerudová, D. (2012). Biological assets reporting: is the increase in value caused by the biological transformation revenue? Agricultural Economics – Czech, 58(11), 520-532. https://doi.org/10.17221/187/2011-AGRICECON

Brito, E. (2010). Um estudo sobre a subjetividade na mensuração do valor justo na atividade da pecuária bovina. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil. DOI:10.11606/D.96.2010.tde-07012011-105511

Carvalho, F. S., Paulo, E., Sales, I. C. H., & Ikuno, L. M. (2013). Ativos biológicos: evidenciação das empresas participantes do Ibovespa. Custos e @gronegócio [on line], 9(3), 106-130. Recuperado de http://www.custoseagronegocioonline.com.br/numero3v9/ativos%20biologicos.pdf

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (2019). Consultas ao banco de dados do site. Dados de 2010 a 2018. Piracicaba, SP. Recuperado de https://www.cepea.esalq.usp.br/br/consultas-ao-banco-de-dados-do-site.aspx

Conselho Federal de Contabilidade [CFC] (2015). Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG – 29 – Ativo biológico e produto agrícola. Brasília, DF. Recuperado de http://www1.cfc.org.br/sisweb/SRE/docs/NBCTG29(R2).pdf

Conselho Federal de Contabilidade [CFC] (2017). Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG – 46 – Mensuração do valor justo. Brasília, DF. Recuperado de http://www1.cfc.org.br/sisweb/SRE/docs/NBCTG46(R2).pdf

Conselho Federal de Contabilidade [CFC] (2019). Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Aplicada ao Setor Público NBC TSP – 26 – Ativo biológico e produto agrícola. Brasília, DF. Recuperado de http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/norma-brasileira-de-contabilidade-n-tsp-26-de-21-de-novembro-de-2019-230256317

Financial Accounting Standards Board [FASB] (1991). Statement of Financial Accounting Standards No. 107. Norwalk, Connecticut. Recuperado de http://www.xavierpaper.com/documents/usgaap/n.Fas107.pdf

Garcia, E. L. M., Sanches, S. L. R., & Igarashi, D. C. C. (2016). Evidenciação dos ativos biológicos nas melhores e maiores empresas do setor de celulose e papel: uma comparação entre empresas abertas e fechadas. ConTexto, 16(32), 20-36. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/54010/pdf

Goos, P., & Meintrup, D. (2016). Statistics with JMP: hypothesis tests, ANOVA and regression. John Wiley & Sons.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

He, L. Y., Wright, S., & Evans, E. (2018). Is fair value information relevant to investment decision-making: Evidence from the Australian agricultural sector?. Australian Journal of Management, 43(4), 555-574. https://doi.org/10.1177/0312896218765236

Hendriksen, E. S., & Breda, M. F. V. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Herbohn, K. (2006). Accounting for SGARAs: a stocktake of accounting practice before compliance with AASB 141 Agriculture. Australian Accounting Review, 16(39), 62-76. https://doi.org/10.1111/j.1835-2561.2006.tb00361.x

Herbohn, K., & Herbohn, J. (2006). International Accounting Standard (IAS) 41: what are the implications for reporting forest assets? Small-scale Forest Economics, Management and Policy, 5(2), 175-189. https://doi.org/10.1007/s11842-006-0009-1

Holtz, L., & Almeida, J. E. F. (2013). Estudo sobre a relevância e a divulgação dos ativos biológicos das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(2), 28-46. Recuperado de http://atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/ufrj/article/viewArticle/1872

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2020). Consultas ao banco de dados do site. Indicadores. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/indicadores.html

Iudícibus, S., & Martins, E. (2007). Uma investigação e uma proposição sobre o conceito e o uso do valor justo. Revista Contabilidade & Finanças, 18(especial), pp. 9-18. https://doi.org/10.1590/S1519-70772007000300002

Klann, R. C., Leite, M., & Brighenti, J. (2017). Efeito do reconhecimento dos ativos biológicos no preço das ações de empresas brasileiras. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 22(1), 50-65. https://doi.org/10.12979/31904

Landsman, W. R. (2006). Fair value accounting for financial instruments: some implications for bank regulation. Working Papers in Bank for International Settlements - BIS, 209, Monetary and Economic Department, Basel, Switzerland. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.947569

Lima, G. A. S. F. de, & Luca, M. M. M. de (2016). A relação entre o monitoramento dos analistas de mercado e as características de valuation das companhias brasileiras. Revista Universo Contábil, 12(4), 129-151. DOI:10.4270/RUC.2016431

Lopes, A. B. (1999). Uma crítica do arcabouço teórico do SFAS 133: accounting for derivative and hedging activities. Caderno de Estudos – FIPECAFI, 22, 01-15. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/cest/n22/n22a02.pdf

Lustosa, P. R. B. A (2010, julho) (in?) justiça do valor justo: SFAS 157, Irving Fisher e Gecon. Anais do Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo, Brasil, 10. Recuperado de http://www.congressousp.fipecafi.org/anais/artigos102010/172.pdf

Machado, V. N., Victor, F. G., & Matts, J. S. (2016). Ativos biológicos: uma análise da aderência ao CPC 29 pelas companhias listadas na BM&FBOVESPA de 2007 a 2015. ConTexto, 16(34), 35-52. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/71660/pdf

Mande, V., & Son, M. (2012). CEO centrality and meeting or beating analysts’ earnings forecasts. Journal of Business Finance & Accounting, 39(1-2), 82-112. https://doi.org/10.1111/j.1468-5957.2011.02262.x

Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A., & Iudícibus, S. (2013). Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas sociedades. (2. ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. (2 ed). São Paulo: Atlas.

Martins, V. G. (2012). Relevância e confiabilidade na mensuração de ativos a valor justo por empresas listadas na BM&FBovespa. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. João Pessoa, PB, Brasil. Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/12246

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2020). Agropecuária cresce 1,9% no primeiro trimestre, diz IBGE. Recuperado de https://www.gov.br/pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/06/agropecuaria-cresce-1-9-no-primeiro-trimestre-diz-ibge

Myers, R. H. (1990). Classical and modern regression with application. (2. ed.). Boston: PWS-KENT.

Pereira, M. W. G., Arêdes, A. F., & Teixeira, E. C. (2007). Avaliação econômica do cultivo de trigo dos Estados do Rio Grande do Sul e Paraná. Revista de Economia e Agronegócio, 5(4), 591-610. https://doi.org/10.25070/rea.v5i4

Prado, T. D. R., & Bernardino, F. (2012). A mudança de critério contábil para os ativos biológicos e seus impactos no valuation das empresas brasileiras do segmento da agricultura. Revista CEPPG-CESUC, Centro de Ensino Superior de Catalão, ano XV, (26). Recuperado de http://www.portalcatalao.com/painel_clientes/cesuc/painel/arquivos/upload/temp/59bc3ef19e031379926973811caa3c7c.pdf

Rech, I. J., & Cunha, M. F. (2011, julho). Análise das taxas de desconto aplicáveis na mensuração dos ativos biológicos a valor justo. Anais do Congresso USP de Contabilidade e Controladoria São Paulo, Brasil, 11. Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/435

Ronen, J. (2008). To fair value or not to fair value: a broader perspective, Abacus, 44(2), 181-208. https://doi.org/10.1111/j.1467-6281.2008.00257.x

Santos, V. F. D. (2018). Impacto de hedge e especulação sobre a volatilidade dos mercados de commodities agrícolas: um estudo empírico para os EUA e Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Scherch, C. P., Nogueira, D. R., Olak, P. A., & Cruz, C. V. O. A. (2013). Nível de conformidade do CPC 29 nas empresas brasileiras: uma análise com as empresas de capital aberto. RACE Unoesc, 12(2), 459-490. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/2241/pdf

Serraglio, E. L. (2016). Análise do impacto do ajuste a valor justo dos ativos biológicos no resultado anual. Dissertação de Mestrado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil. Recuperado de http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/5193

Silva, A. C. C., Filho, Machado, M. A. V., & Machado, M. R. (2013a). Custo histórico X valor justo: qual informação é mais value relevant na mensuração dos ativos biológicos? Custos e @gronegócio [on line], 9(2), 27-50. Recuperado de http://www.custoseagronegocioonline.com.br/numero2v9/Custos%20historicos.pdf

Silva, A. C. C., Filho, Martins, V. G., & Machado, M. A. (2013b). Adoção do valor justo para os ativos biológicos: análise de sua relevância em empresas brasileiras. Revista Universo Contábil, 9(4), 110-127. DOI:10.4270/ruc.2013433

Souza, M. M., Borba, J. A., & Uhlmann, V. O. (2011). Valor justo: uma verificação das informações divulgadas por empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 16(3), 100-114. https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v16i3.5424

Svoboda, P., & Bohušová, H. (2017). Amendments to IAS 16 and IAS 41: Are there any differences between plant and animal from a financial reporting point of view?. Acta Universitatis Agriculturae et Silviculturae Mendelianae Brunensis, 65(1), 327-337. https://doi.org/10.11118/actaun201765010327

Watts, R. L. (2003). Conservatism in accounting. Part I: explanations and implications. Accounting Horizons, 17(3), 207-221. https://doi.org/10.2308/acch.2003.17.3.207

Downloads

Publicado

2020-12-05

Como Citar

LERNER, A. F.; MACHADO, V. N.; VENDRUSCOLO, M. I. .; VICTOR, F. G. VALOR JUSTO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS COMO DETERMINANTE DO LUCRO LÍQUIDO DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 3, p. 122-147, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.5682. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5682. Acesso em: 19 jan. 2021.