Quem trabalhou remotamente no Brasil? Desigualdades evidenciadas pela pandemia

Autores

Resumo

Existe certo consenso de que a pandemia pode ampliar desigualdades preexistentes no mercado de trabalho e que uma questão essencial são as possibilidades desiguais de trabalhar remotamente. Este estudo avalia as desigualdades no trabalho remoto no Brasil por meio de análises descritivas e modelos Probit aplicados aos microdados da PNAD COVID-19. Constatamos que os trabalhadores que menos trabalharam remotamente foram os mais pobres, homens, residentes rurais, não brancos, mais jovens, sem ensino superior, autônomos ou assalariados sem carteira de trabalho assinada e trabalhadores agrícolas. Uma parte importante disso decorre de diferenças na seleção nas ocupações; mas, algumas variáveis mantiveram efeitos independentes importantes, principalmente a educação superior e a renda do trabalho. Logo, quanto à possibilidade de trabalho remoto, a pandemia teve efeito de ampliar desigualdades existentes, favorecendo os trabalhadores mais ricos, escolarizados e formalizados e impondo aos demais a necessidade de escolha entre emprego e renda e risco de contágio.

Palavras-chave: COVID-19; desigualdades; mercado de trabalho; pandemia; trabalho remoto.

Códigos JEL: J21, J22, J23

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

CASTRO, N. R.; MOREIRA, G. C. Quem trabalhou remotamente no Brasil? Desigualdades evidenciadas pela pandemia. Nova Economia, [S. l.], v. 31, n. 3, p. 899-927, 2021. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/6687. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Números Regulares