CONSUMO DE PRODUTOS TECNOLÓGICOS: DA FUNCIONALIDADE AO STATUS

Autores

  • Lucas Emmanuel Nascimento Silva Universidade Federal do Cariri
  • Manoel Bastos Gomes Neto Universidade Federal do Cariri
  • Rebeca da Rocha Grangeiro Universidade Federal do Cariri
  • Jailson Santana Carneiro Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada (UAST)

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5653

Palavras-chave:

Consumo de Status; Inovatividade; Consumo de Produtos Tecnológicos; Comportamento do Consumidor; Consumo Simbólico

Resumo

Este artigo tem como objetivo determinar a relação entre consumo de status e grau de adoção de inovação. Diante disso, foi utilizada a escala de domínio específico de inovatividade (1991) e a escala de consumo de status (1999), esta última dividida em três construtos: sociabilidade, consumo de status e não funcionalidade. A pesquisa foi conduzida através de questionários. A amostra é composta por 822 estudantes de escolas e universidades públicas e privadas. Os resultados indicam forte relação entre inovatividade e consumo de status (R² = 0,112, p<0,05), inovatividade e sociabilidade (R² = 0,015, p<0,05) e inovatividade e não funcionalidade (R² = 0,097, p<0,05). Os resultados indicam que: 1) Consumidores com alto grau de inovatividade são altamente integrados com grupos sociais. 2) Estes consumidores são mais preocupados com as características simbólicas dos bens. 3) Estes consumidores identificam nos novos produtos tecnológicos uma forma de expressar status para seu arredor.

Referências

Allérès, D. (2000). Luxo... estratégias marketing. FGV Editora.
Barboza, M. N. L., & Arruda Filho, E. J. M. (2012). O comportamento do consumidor tecnológico diante dos valores ecologicamente corretos: ideologia verde versus responsabilidade social. Intercom-Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 35(1).
Belk, R. W. (2013). Extended self in a digital world. Journal of Consumer Research, 40(3), 477-500.
Bourdieu, P. (2003). Las estructuras sociales de la economía (No. 306.3 B6Y.).
Bragaglia, A. P. (2010). Comportamentos de consumo na contemporaneidade. Comunicação Mídia e Consumo, 7(19), 107-124.
CAMPBELL, C. (2007). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do sujeito moderno. BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. Cultura, Consumo e Identidade. Rio de Janeiro: FGV.
Barbosa, L., & Campbell, C. (2007). Cultura, consumo e identidade. FGV Editora.
Christo, N., & Demuner, J. A. (2017) Fatores de Motivação do Consumo por Status de Bens de Luxo por Jovens Brasileiros. In: Seminário em Administração 2017.
CORTEZ, A. T. C. (2009). Consumo e desperdício: as duas faces das desigualdades. Da produção ao consumo: dinâmicas urbanas para um mercado mundial. São Paulo: Cultura Acadêmica.
da Costa, E. M. S., & Arruda Filho, E. J. M. (2016, September). Prestígio como Motivador das Intenções de Consumo Tecnológico: Uma Revisão Conceitual. In CLAV 2016.
Costa, F. D. (2011). Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.
Demirci, A. E., & Ersoy, N. F. (2008). Technology readiness for innovative high-tech products: how consumers perceive and adopt new technologies. The Business Review, 11(1), 302-308.
Dosi, G., Freeman, C., Nelson, R., Silverberg, G., & Soete, L. (1988). Technical change and economic theory. Laboratory of Economics and Management (LEM), Sant'Anna School of Advanced Studies, Pisa, Italy.
EASTMAN, Jacqueline K.; GOLDSMITH, Ronald E.; FLYNN, Leisa Reinecke. Status consumption in consumer behavior: Scale development and validation. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 7, n. 3, p. 41-52, 1999.
Eastman, J. K., & Eastman, K. L. (2015). Conceptualizing a model of status consumption theory: An exploration of the antecedents and consequences of the motivation to consume for status. Marketing Management Journal, 25(1), 1-15.
Engel, B., & Blackwell, R. (1988). Miniard (1990), Consumer Behavior. Marketing research. Harcourt Australia. International, 8.
Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS-2. Bookman Editora.
Freeman, C., & Perez, C. (1988). Structural crises of adjustment: business cycles. Technical change and economic theory. Londres: Pinter.
Dosi, G., Freeman, C., Nelson, R., Silverberg, G., & Soete, L. (1988). Technical change and economic theory. Laboratory of Economics and Management (LEM), Sant'Anna School of Advanced Studies, Pisa, Italy.
Goldsmith, R. E. (1991). The validity of a scale to measure global innovativeness. Journal of Applied Business Research, 7(2), 89-97.
Goldsmith, R. E. (2001). Using the domain specific innovativeness scale to identify innovative internet consumers. Internet Research, 11(2), 149-158.
Goldsmith, R., & Reinecke Flynn, L. (1992). Identifying innovators in consumer product markets. European Journal of Marketing, 26(12), 42-55.
Goldsmith, R. E., & Hofacker, C. F. (1991). Measuring consumer innovativeness. Journal of the academy of marketing science, 19(3), 209-221.
Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.
Hirschman, E. C. (1980). Innovativeness, novelty seeking, and consumer creativity. Journal of consumer research, 7(3), 283-295.
Hurt, H. T., Joseph, K., & Cook, C. D. (1977). Scales for the measurement of innovativeness. Human Communication Research, 4(1), 58-65.
Leibenstein, H. (1950). Bandwagon, snob, and Veblen effects in the theory of consumers' demand. The quarterly journal of economics, 64(2), 183-207.
Lertwannawit, A., & Mandhachitara, R. (2012). Interpersonal effects on fashion consciousness and status consumption moderated by materialism in metropolitan men. Journal of Business Research, 65(10), 1408-1416.
Lindberg, E., Gärling, T., & Montgomery, H. (1989). Differential predictability of preferences and choices. Journal of Behavioral Decision Making, 2(4), 205-219.
Lipovetsky, G., & Roux, E. (2005). O luxo eterno. Editora Companhia das Letras.
da Silva, D. M. L., Prado, P. H. M., Ribeiro, E. B. S., Souza, F. F., & Korelo, J. C. (2008). Processo de escolha de produtos em constante inovação: inovatividade, objetivos de consumo e percepção da inovação. INMR-Innovation & Management Review, 5(2), 43-56.
Midgley, D. F., & Dowling, G. R. (1978). Innovativeness: The concept and its measurement. Journal of consumer research, 4(4), 229-242.
Martí, J., Muñoz, P., & Medina, A. (2008). Engagement marketing: una nueva publicidad para un marketing de compromiso. Prentice Hall/Financial Times.
do Nascimento, M. R., de Oliveira, J. S., & Cenerino, A. (2014). A influência da imersão social na constituição dos significados do consumo e na adoção de produtos tecnológicos por adolescentes: uma análise teórica a partir da sociologia econômica. Perspectivas Contemporâneas, 8(2).
O’cass, A., & Frost, H. (2002). Status brands: examining the effects of non-product-related brand associations on status and conspicuous consumption. Journal of product & brand management, 11(2), 67-88.
Parasuraman, A. (2000). Technology Readiness Index (TRI) a multiple-item scale to measure readiness to embrace new technologies. Journal of service research, 2(4), 307-320.
Peixoto, A. F., Carneiro, J. S., Baldanza, R. F., LEAL, J. S., & Pellizzoni, L. N. (2018). Tecnologias móveis e consumo por adolescentes: um olhar sobre a percepção dos pais e filhos. In: Encontro de Marketing da Anpad, 2018.
Neto, A. R., Mota, M. D. O., Arruda Gomes, D. M. D. O., & Leocádio da Silva, Á. L. (2014). Os antecedentes do consumo de produtos culturais por consumidores de baixa renda. Revista Brasileira de Marketing, 13(1), 75-92.
Santa Rita, L. P., de Araújo, A. C., de Paula, M. A., de Oliveira Lima, M., & Viana Filho, J. C. (2010). Consumo de produtos e serviços inovadores: aplicação do índice de prontidão para tecnologia. Revista Brasileira de Inovação, 9(1), 167-196.
Robertson, T. S. (1971). Innovative behavior and communication. Holt McDougal.
Rogers, E. M. (2003). Diffusion of innovations. Simon and Schuster.
Rogers, E. M., & Shoemaker, F. F. (1971). Communication of Innovations; A Cross-Cultural Approach.
Schiffman, L. G. & Kanuk, L. L (200). Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC.
Simmel, G. (1904). Fashion. International Quarterly, 10(1), 136.
Slater, D. (2001). Cultura do consumo & modernidade–Exame. NBL Editora.
Souza, R. V. D. (2002). Adoção de Produtos e Serviços Baseados em Tecnologia pelo Consumidor: uma avaliação da aplicabilidade da Technology Readiness Index no contexto brasileiro.
Strehlau, S., & Aranha, F. (2004). Adaptação e validação da escala de consumo de status (scs) para uso no contexto brasileiro. Revista de Administração FACES Journal, 3(1).
Leotti, V. B., Coster, R., & Riboldi, J. (2012). Normalidade de variáveis: métodos de verificação e comparação de alguns testes não-paramétricos por simulação. Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 32, no. 2 (2012), p. 227-234.
Tsikriktsis, N. (2004). A technology readiness-based taxonomy of customers: A replication and extension. Journal of Service Research, 7(1), 42-52.
Tushman, M., & Nadler, D. (1997). Organizando-se para a inovação. STARKEY, K. Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 445-484.
Veblen, T. (1899). The theory of the leisure class: An economic study in the evolution of institutions. Macmillan.

Downloads

Publicado

2020-06-10

Como Citar

Silva, L. E. N., Gomes Neto, M. B., Grangeiro, R. da R., & Carneiro, J. S. . (2020). CONSUMO DE PRODUTOS TECNOLÓGICOS: DA FUNCIONALIDADE AO STATUS. Marketing & Tourism Review, 5(1). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5653

Edição

Seção

Artigos