A regionalização do turismo no Estado do Paraná sob a perspectiva do marketing

  • Francisco José Gouveia de Castro UFPR
  • José Manoel Gonçalves Gândara Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Turismo, Regionalização, Marketing, Paraná

Resumo

A literatura do turismo realizado de forma experiencial influenciou a elaboração do plano de marketing turístico no Estado do Paraná devido à importância que o tema tem alcançado nas últimas três décadas e, como resultado disso, a categorização e identificação dos perfis de consumo que demandam por atrativos que são ofertados no território paranaense. A questão que se coloca é se no Estado do Paraná a oferta de atrativos turísticos para buscadores de experiências, segundo uma perspectiva de marketing, está consolidada regionalmente no sentido de conformação de Regiões de Turismo. O presente trabalho objetiva identificar e analisar o ordenamento territorial por meio da hierarquização e regionalização dos principais atrativos turísticos ofertados para os diversos perfis de experiências. Para alcançar este objetivo utilizou-se a técnica de pesquisa de levantamento descritiva, com uso da netnografia a partir da categorização por via das avaliações do TripAdvisor. O estudo tem caráter exploratório-descritivo com forte viés qualitativo, como descrição dos resultados obtidos a partir do embasamento teórico proveniente da literatura acerca da economia da experiência e do marketing de destinos turísticos. Em relação à territorialização, utilizou-se conceitos de espaço turístico ancorados nas ideias de Douglas Pearce (2015) e Barrado-Timon (2004) entre outros. Como resultado do estudo, conclui-se que os esforços da governança do turismo, as peculiaridades históricas e demográficas na formação dos principais atrativos permitiram a formação de um ambiente favorável à satisfação das necessidades dos turistas. Observou-se que as ofertas de destinos turísticos se caracterizam pela concentração territorial em torno dos grandes centros urbanos, pela dinâmica demográfica dos municípios que as compõem, o que é favorecido devido à infraestrutura e pelo contingente demográfico, que gera a demanda por esses produtos.

Referências

Amadeus (2015). Future Traveller Tribes 2030: undestending Tomorrow’s Traveller.
Andersson, T.D. (2007). The tourist in the experience economy. Scadinavian Journal of Hospitality and tourism, 7(1): 46-58
Ayikoru, M. (2009) Epistemology, ontology and tourism. In: TRIBE, j. Philosophical issues in toruism. UK/USA/Canada: Channel View: 62-79.
Barrado-Timon, D.A. (2004). El concepto de destino turístico. Una aproximación geográfico-territorial. Estúdios Turísticos, 160: 45-68
Binkhorst, E. (2008). Turismo de co-creación, valor añadido en escenarios turísticos. Journal of Tuourism Research – Revista de Investigacion en turismo, 1(1): 40-51
Buhalis, D. (2000). Marketing the competitive destination of the future. ResearchGate, London, England: 1-27
Cohen, S.A., Prayag, G.& Moital, M. (2016). Consumer behaviour in tourism: concepts, influences and opportunities. Current Issues in Tourism, 17(10): 872-909
Fecomércio-PR; Paraná Turismo; SEBRAE-PR; UFPR. (2016). Personas/perfis da demanda turística para o Paraná em 2026. Curitiba
Flores, L.C.S.& Mendes, J.C (2014). Perspectivas do destino turístico: repensando o sentido do conceito. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 8(2): 222-237
Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. Porto Alegre: Penso.
Grix, J. (2002). Introducing students to the generic terminology of social research. Political Studies Association, 22(3): 175-186.
Horodyski, G. S. (2014). O consumo na experiência turística: o caso dos souvenirs no destino Curitiba-PR. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba
Jovicic, D.Z. (2016). Key issues in the conceptualization of tourism destinations. Tourism Geographies, 18(4): 445-457
Kozinets, R.V. (2014). Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso.
Manosso, F.C. (2015). O espaço urbano turístico de Curitiba nas fotografias on-line: uma análise na rede social instagram. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba
Mehmetoglu, M. & Engen, M. (2015). Pine and Gilmore’s concept of experience economy and its dimensions: An empirical examination in tourism. Journal of Quality Assurance in Hospitality e Tourism, 12(4): 237-255
Mondo, T.S. & Gandara, J.M.G. (2017). O turismo experiencial a partir de uma perspectiva socioeconômica mercadológica. Revista de Análisis Turístico, 24: 26-40
Neuhofer,B., Buhalis, D. & Ladkin,A (2012). Conceptualising technology enhanced destination experiences. Journal of Destination Marketing & Management. 1: 36-46
Paraná Turismo (2016). Plano Paraná Turístico 2026 – Pacto para um destino inteligente, Curitiba
Pearce, D. (2015). Toward an integrative conceptual framework of destinations. Journal of Travel Research, 53(2): 41-53.
Pearce, D. (2016). Modelos de gestión de destinos. Estudios y Perspectivas en Turismo, 25: 1-16.
Prebensen, N.K.; Foss, L. (2011). Coping and Co-creating in tourist experiences. International Journal of Tourism Research, 13: 54-67
Pine, B. & Gilmore, J.H. (1998). Welcome to the experience economy. Harvard Business Reviw, july-August, 97-105.
Richards, G. (2014). The new geographies of tourism: Space, place and locality. Paper presented at the Wageningen Geography Lectures: 1-20
Saraniemi, S.& Kylanen, M. (2010). Problematizing the concept of tourism destination: An Analysis of different theoretical approaches. Journal of Travel Research, 50(2): 133-143
TRIPAVISOR (2018). https://www.tripadvisor.com.br. Acesso entre fevereiro de março de 2018
Publicado
2019-09-06
Seção
Artigos