FACHADAS ORGANIZACIONAIS E DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DO GUIDANCE

ANÁLISE ENTRE EMPRESAS INVESTIGADAS PELA POLÍCIA FEDERAL

Autores

  • Vagner Alves Arantes Universidade Federal do Paraná – UFPR
  • Franciele Machado de Souza Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG
  • Ivonaldo Brandani Gusmão Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO

Palavras-chave:

Hipocrisia Organizada, Reputação Corporativa, Desempenho da Empresa

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar as fachadas organizacionais recorrentes nos relatórios de guidance das empresas investigadas nas operações Carne Fraca, Lava Jato e Zelotes da Polícia Federal. Questionam-se os reflexos das investigações da Polícia Federal nas fachadas organizacionais nos relatórios de guidance das empresas investigadas. O universo da pesquisa é formado pelas empresas que divulgaram o guidance entre 2010 e 2020 e que foram objeto de denúncia de investigação naquelas operações sob o comando da Polícia Federal. Utilizou-se da técnica da análise de conteúdo sob a perspectiva da teoria da hipocrisia organizada, materializada pelo uso das fachadas organizacionais. Verificou-se que as empresas utilizaram as três fachadas organizacionais: Racional, Progressista e de Reputação. A variabilidade de fachadas encontradas está associada às investigações promovidas pela Polícia Federal uma vez que impactam a imagem da empresa frente ao mercado e, consequentemente, podem influenciar a reputação e a forma como é percebida pelos investidores. As evidências encontradas sugerem que esse cenário parece ser ideal para a construção e adoção de tipos alternativos de fachadas organizacionais que podem mascarar comportamentos, omissões e/ou situações adversas. Os resultados permitiram inferir sobre como uma empresa pode utilizar a divulgação corporativa para gerenciar as percepções dos stakeholders. Essas evidências empíricas contribuem para o desenvolvimento da literatura sobre como a empresa pode utilizar-se da divulgação do guidance para gerenciar as percepções dos stakeholders a partir de denúncias de corrupção de investigação por parte da Polícia Federal.

Biografia do Autor

Vagner Alves Arantes, Universidade Federal do Paraná – UFPR

Doutor em Contabilidade e Finanças pela Universidade Federal do Paraná – UFPR. Professor do Curso de Ciências Contábeis na Universidade Federal do Paraná – UFPR. Endereço: Av. Prefeito Lothário Meissner, 668-794, Bairro Jardim Botânico, Curitiba, PR, 82590-300, e-mail: vagner.arantes@ufpr.br ou vagneralvesarantes@gmail.com, (41) 3360-4362.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8191-3837

Franciele Machado de Souza, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Doutora em Contabilidade e Finanças pela Universidade Federal do Paraná – UFPR. Professora do Curso de Ciências Contábeis na Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG, Campus Central, Praça Santos Andrade, 01, Centro, Ponta Grossa, PR, CEP 84010-330, e-mail: fmsouza@uepg.br, (42) 98840-3887.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5681-8704

Ivonaldo Brandani Gusmão, Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO

Doutor em Contabilidade e Finanças pela Universidade Federal do Paraná – UFPR. Professor do Curso de Ciências Contábeis na Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO, Campus Santa Cruz, Rua Padre Salvatore Renna, 875, Bairro Santa Cruz, Guarapuava, PR, 85015-430, e-mail: ivonaldo@unicentro.br, (42) 3621-1067.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0444-818X

Referências

Abrahamson, E., & Baumard, P. (2009). What Lies Behind Organizational Façades and How Organizational Façades Lie: An Untold Story of Organizational Decision Making. The Oxford Handbook of Organizational Decision Making, December 2015. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199290468.003.0023

Almeida, M. A., & Figueiredo Júnior, H. S. (2011). O uso do guidance como instrumento de transparência para as empresas concessionárias de distribuição de gás natural no Brasil (No 11; Congresso USP de Controladoria e Contabilidade).

Arantes, V. A., Dias, D. P., & Soares, R. O. (2020). O que os investidores não veem, o mercado não sente: reflexões sobre a divulgação voluntária de informações prospectivas. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 25(3), 118–132. https://doi.org/https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v25i3.53140

Arantes, V. A., Gusmão, I. B., & Costa, M. C. (2019). Análise do relatório de guidance em empresas investigadas pela Polícia Federal: exame sob a perspectiva do gerenciamento de impressões. Revista de Contabilidade e Organizações, 13, e148176. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2019.148176

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo (E. 70 (org.); Tradução L).

Barros, A. do N. F., Rodrigues, R. N., & Panhoca, L. (2019). Information on the fight against corruption and corporate governance practices: evidence of organized hypocrisy. International Journal of Disclosure and Governance, 16(2–3), 145–160. https://doi.org/10.1057/s41310-019-00060-2

Batista Jr, J. R. L., Sato, D. T. B., & Melo, I. F. (2018). Análise de discurso crítica para linguistas e não linguistas (Parábola (org.); 1 ed.). Parábola.

Bellucci, M., Acuti, D., Simoni, L., & Manetti, G. (2021). Restoring an eroded legitimacy: the adaptation of nonfinancial disclosure after a scandal and the risk of hypocrisy. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 34(9), 164–186. https://doi.org/10.1108/AAAJ-12-2019-4359

Blanc, R., Cho, C. H., Sopt, J., & Branco, M. C. (2019). Disclosure Responses to a Corruption Scandal: The Case of Siemens AG. Journal of Business Ethics, 156(2), 545–561. https://doi.org/10.1007/s10551-017-3602-7

Brandão, Assunção, Ponte, & Rebouças. (2013). Fatores determinantes do disclosure de guidance das companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(21), 87–114. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2013v10n21p87

Brandão, I. de F., De Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. de. (2014). Características do guidance nas maiores companhias de capital aberto do Brasil. Revista Universo Contábil, 106–127. https://doi.org/10.4270/ruc.2014432

Brunsson, N. (1989). (1989). The Organization of Hypocrisy: Talk, Decisions and Actions in Organizations (J. W. & Sons. (org.); John Wiley). Chichester.

Brunsson, N. (2007). The consequences of decision-making (O. U. Press (org.)). Oxford University Press.

Brunsson, Nils. (1993). Ideas and Actions: Justification and Hypocrisy as alternatives to control. Accounting Organizations and Society, 18(6), 489–506. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/0361-3682(93)90001-M

Burrell Nickell, E., & Roberts, R. W. (2014). Organizational legitimacy, conflict, and hypocrisy: An alternative view of the role of internal auditing. Critical Perspectives on Accounting, 25(3), 217–221. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2013.10.005

Chapman, K., & Green, J. R. (2018). Analysts’ influence on managers’ guidance. Accounting Review, 93(1), 45–69. https://doi.org/10.2308/accr-51778

Cho, C. H., Laine, M., Roberts, R. W., & Rodrigue, M. (2015). Organized hypocrisy, organizational façades, and sustainability reporting. Accounting, Organizations and Society, 40, 78–94. https://doi.org/10.1016/j.aos.2014.12.003

Christensen, L. T., Morsing, M., & Thyssen, O. (2013). CSR as aspirational talk. Organization, 20(3), 372–393. https://doi.org/10.1177/1350508413478310

Comitê de Pronuniamentos Contábeis (CPC). Pronunciamento de Orientação n.04, de 17 de abril, 1 (2008). CPC 04 (R1) - Ativo Intangível.

Costa, R. da C., Almeida, J. E. F. de, & Macedo, M. A. da S. (2021). O efeito do Guidance na Relevância da Informação Contábil no Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, 40(3), 97–116. https://doi.org/10.4025/enfoque.v40i3.50462

Cruz, N. V. ., Filho, J. M. ., Filho, J. B. C., Gomes, S. M. ., Batista, A. B., & Andrade, C. M. (2015). Disclosure de Guidance e Desempenho das Firmas Listadas na BM&FBovespa. Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, 2(2), 47–64. http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/contabilometria/article/view/540

Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Instrução CVM No 480, de 7 Dezembro de 2009, 2009 1 (2009). http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst391.html

Folster, A. (2018). Impacto da evidenciação de guidance: um estudo de evento no mercado brasileiro. Revista de Contabilidade da UFBA, 12(2), 183–200.

García-Sánchez, I. M., Hussain, N., Khan, S. A., & Martínez-Ferrero, J. (2020). Managerial entrenchment , corporate social responsibility , and earnings management. Corporate Social Responsibility Environmental Management, 27, 1818–1833. https://doi.org/10.1002/csr.1928

Heflin, F., Kross, J. W., & Suk, I. (2016). Asymmetric effects of regulation FD on management earnings forecasts. Accounting Review, 91(1), 119–152. https://doi.org/10.2308/accr-51155

Lassou, P. J. C. (2017). State of government accounting in Ghana and Benin: a “tentative” account. Journal of Accounting in Emerging Economies, 7(4), 486–506. https://doi.org/10.1108/JAEE-11-2016-0101

Leung, T. C. H., & Snell, R. S. (2021). Strategies for Social and Environmental Disclosure: The Case of Multinational Gambling Companies. Journal of Business Ethics, 168(3), 447–467. https://doi.org/10.1007/s10551-019-04190-z

Lindblom, C. K. (1993). The implications of organizational legitimacy for corporate social performance and disclosure.

Lipson, M. (2007). Peacekeeping: Organized hypocrisy? European Journal of International Relations, 13(1), 5–34. https://doi.org/10.1177/1354066107074283

Macedo Neto, H., Vasconcelos, A. C. de, De Luca, M. M. M., & Figueiredo Júnior, H. S. (2014). Fatores Incentivadores da Publicação de Guidance pelas Empresas do Ibovespa e sua Conformidade com o Pronunciamento de Orientação N° 04/2008 do CODIM. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 9(1), 105–123. https://doi.org/https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v9i1.13314

Ministério Público Federal, P. (2019). Operação Lava Jato. http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/lava-jato

Murcia, M. J. (2021). Progressive and Rational CSR as Catalysts of New Product Introductions. Journal of Business Ethics, 174(3), 613–627. https://doi.org/10.1007/s10551-020-04625-y

Nery, N., & Mascarenhas, G. (2015). PF inclui Petrobras e partido PP em investigação sobre fraude fiscal. Folha de São Paulo. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/03/1610770-pf-inclui- petrobras-e-partido-pp-em-investigacao-sobre-fraude-fiscal.shtml

Nystrom, P. C., & Starbuck, W. H. (1984). Organizational Facades. Academy of Management Proceedings, 8(1), 182–185. https://doi.org/10.5465/AMBPP.1984.4978761

Saldanã, J. (2012). The coding manual for qualitative researchers (Sage (org.)).

She, C., & Michelon, G. (2019). Managing stakeholder perceptions: Organized hypocrisy in CSR disclosures on Facebook. Critical Perspectives on Accounting, 61, 59–76. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1045235418303009?casa_token=Aiuax1mFlykAAAAA:M2QCwDICHPFcTdIAs9Dek6QWpiiUfNavO3G8xrUkHIC8OFp67vrdjx11tRpn4lN0-JfI_a3EdW0

Silva, G. C. P. da, Pinto, S. K. de M., & Paulo, E. (2016). Gerenciamento de Resultados: uma comparação entre as companhias abertas brasileiras que divulgam e não divulgam o guidance. Revista de Administração e Contabilidade, 15(30), 135–156.

Silva, M. C. da. (2019). Disclosure do Guidance e Assimetria de Informação Contábil [Universidade Federal do Paraná]. https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/65135

Silva, R. C., Lamourier, W. M., & Andrade, N. dos S. (2023). Divulgação do Guidance e Estrutura de Propriedade. Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, 10(1), 1–21. https://revistas.fucamp.edu.br/index.php/contabilometria/article/view/2611

Souza, F. M., Arantes, V. A., Soares, R. O., & Panhoca, L. (2018a). Divulgação voluntária do guidance: informação incremental ou gerenciamento de impressões? (XII; XII ANPCONT 2018). http://www.anpcont.org.br/pdf/2018_CUE486.pdf

Souza, J. L., Sanches, S. L. R., Sbardellati, E. C. de A., & Neumann, M. (2018b). Influência da Divulgação do Guidance nas Escolhas Contábeis d Gerenciamento de Resultados: um estudo de dados em painel com companhias do Ibovespa. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(3), 430–447. https://doi.org/10.14392/asaa.2018110304

Twedt, B. (2016). Spreading the Word: Price discovery and newswire dissemination of management earnings guidance. Accounting Review, 91(1), 317–346. https://doi.org/10.2308/accr-51129

Publicado

2023-11-30

Como Citar

ARANTES, V. A.; SOUZA, F. M. de; GUSMÃO, I. B. FACHADAS ORGANIZACIONAIS E DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DO GUIDANCE: ANÁLISE ENTRE EMPRESAS INVESTIGADAS PELA POLÍCIA FEDERAL. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 125–151, 2023. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/7593. Acesso em: 3 mar. 2024.