O TESTE DE IMPAIRMENT MENTE? O CASO DOS ATLETAS DOS CLUBES DE FUTEBOL BRASILEIROS

Autores

  • Me. João Henrique Krauspenhar Universidade Federal de Santa Catarina
  • Dra. Suliani Rover Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v33i2.7187

Palavras-chave:

teste de impairment, atletas, clubes de futebol brasileiros

Resumo

A partir de indícios de problemas na realização do teste de impairment de atletas pelos clubes de futebol brasileiros, este estudo analisa a evidenciação, mensuração e reconhecimento da recuperabilidade do ativo atletas nessas entidades. Por meio de uma amostra composta por 198 observações, do período entre 2013 e 2019, de 34 clubes de futebol integrantes das séries A e B do campeonato brasileiro no ano de 2019, mensura um nível de evidenciação do teste de impairment insatisfatório (44,46%), porém satisfatório em relação ao reconhecimento de perda (76,19%), nas observações em que esta ocorreu. Quanto ao nível do reconhecimento de impairment, identificou-se grande variação entre as observações pertinentes, destacando-se a importância da divulgação de informações pelos clubes para sua compreensão. A estimativa de recuperabilidade dos atletas, realizada no nível dos planteis, aponta que seu valor de registro é predominantemente recuperável, tendo apenas seis observações apresentado indícios de impairment não reconhecido. Análise complementar dos atletas isolados indica que 12 de 18 observações possuem ao menos um atleta com indícios de impairment não reconhecido. Os resultados atualizam e estendem a literatura a respeito do tema, explicando o contraste no reconhecimento de impairment entre a realidade brasileira e europeia ao indicar a inobservância da norma contábil pelos clubes de futebol brasileiros.  Por outro lado, aponta que o baixo nível de reconhecimento de impairment se justifica ao ser considerado o valor dos planteis, provocando debate a respeito da norma contábil.

Biografia do Autor

Me. João Henrique Krauspenhar, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina

Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, s/nº Trindade – Florianópolis – SC, CEP: 88040-900. (48) 996007766, joaohkrauspenhar@gmail.com.

https://orcid.org/0000-0002-6454-7748

Dra. Suliani Rover, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Contabilidade pela Universidade de São Paulo. Professora do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade e do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Amir, E., & Livne, G. (2005). Accounting, valuation and duration of football player contracts. Journal of Business Finance and Accounting, 32(3–4), 549–586. https://doi.org/10.1111/j.0306-686X.2005.00604.x

Andrade, D. L. I. J., & Piva, T. A. (2020). Evidenciação do Teste de Impairment de Direitos Contratuais de Atletas em Clubes do Futebol Brasileiro. Revista de Administração e Contabilidade Da Faculdade Estácio Do Pará – Belém, 7(13), 106–123.

Assis, R. B. de, & Nakamura, W. T. (2019). O intangível nos clubes brasileiros: uma análise dos gastos com jogadores nas demonstrações contábeis. Revista de Estudios Brasileños, 6(12), 119–133. https://doi.org/10.14201/reb2019612119133

Baroncelli, A., & Lago, U. (2006). Italian Football. Journal of Sports Economics, 7(1), 13–28. https://doi.org/10.1177/1527002505282863

Bengtsson, M., & Wallström, J. (2014). Accounting and disclosure of football player registrations: Do they present a true and fair view of the financial statements? A study of Top European Football Clubs. Dissertação (Mestrado em Contabilidade), Jönköping Internation Business School of Jönköping University, Jönköping.

Biancone, P. Pietro, & Solazzi, A. (2012). Financial communication in professional football clubs. Economia Aziendale Online, 3(1), 153–174. https://doi.org/10.4485/ea2038-5498.003.0012

Brummet, R. L., Flamholtz, E. G., & Pyle, W. C. (1968). Human Resource measurement – A challenge for accountants. The Accounting Review, 43(2), 217-224.

Brymann, A. (2012). Social Research Methods (4th ed.). New York: Oxford University Press.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC. (2010). Pronunciamento Técnico CPC 01 (R1) – Redução ao valor recuperável de ativos. Recuperado em 09 setembro de 2021 de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=2.

Buzzacchi, L., Caviggioli, F., Milone, F. L., & Scotti, D. (2021). Impact and Efficiency Ranking of Football Managers in the Italian Serie A: Sport and Financial Performance. Journal of Sports Economics, 20(10), 1-33. https://doi.org/10.1177/15270025211012053

Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC. (2019). Pronunciamento Técnico CPC 00 (R2) – Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro. Recuperado em 09 de maio de 2021 de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/573_CPC00(R2).pdf.

Conselho Federal de Contabilidade – CFC. (2013). Resolução CFC nº 1.429 de 25 de janeiro de 2013 – ITG 2003 – Entidade Desportiva Profissional. Recuperado em 09 de maio de 2021 de http://www.normaslegais.com.br/legislacao/resolucao-cfc-1429-2013.htm.

Conselho Federal de Contabilidade – CFC. (2017). Resolução CFC nº 2017/ITG2003(R1) de 07 de dezembro de 2017 – ITG 2003 (R1) – Altera a ITG 2003, que dispõe sobre entidade desportiva profissional. Recuperado em 09 de maio de 2021 de http://www1.cfc.org.br/sisweb/SRE/docs/ITG2003(R1).pdf.

Dimitropoulos, P. E., & Limperopoulos, V. (2014). Player contracts, athletic and financial performance of the Greek football clubs. Global Business and Economics Review, 16(2), 123–141. https://doi.org/10.1504/GBER.2014.060181

Ferri, L., Macchioni, R., Maffei, M., & Zampella, A. (2017). Financial Versus Sports Performance: The Missing Link. International Journal of Business and Management, 12(3), 36–48. https://doi.org/10.5539/ijbm.v12n3p36

Galvão, N. M. S., & Miranda, L. C. (2016). Participação e Evidenciação de Atletas nos Demonstrativos Contábeis de Clubes de Futebol Brasileiro. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 6(1), 112–131. https://doi.org/10.18028/2238-5320/rgfc.v6n1p112-131

Gazzola, P., & Amelio, S. (2016). Impairment test in the football team financial reports. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 220, 105-114.

Gazzola, P., Amelio, S., Papagiannis, F., & Vatamanescu, E.-M. (2020). Financial Reporting in European Football Teams: A Disclosure Analysis of Player Registrations. International Journal of Academic Research in Accounting, Finance and Management Sciences, 9(4), 182–206. https://doi.org/10.6007/ijarafms/v9-i4/6829

Gelbcke, R. E., Santos, A., Iudícibus, S., & Martins, E. (2018). Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC (3ª ed). São Paulo: Atlas.

Grafietti, C. (2020). Análise Econômico-Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros – Demonstrações Financeiras de 2019. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2020/07/Analise-dos-Clubes-Brasileiros-de-Futebol-2020-ItauBBA.pdf.

Herm, S., Callsen-Bracker, H. M., & Kreis, H. (2014). When the crowd evaluates soccer players’ market values: Accuracy and evaluation attributes of an online community. Sport Management Review, 17(4), 484–492. https://doi.org/10.1016/j.smr.2013.12.006

Krauspenhar, J. H., & Rover, S. (2020a). Análise dos Aspectos Formais e de Conteúdo do Relatório de Auditoria Independente dos Clubes de Futebol Brasileiros. In 3º UFSC International Accounting Congress (pp. 1-17). Recuperado em 19 de novembro de 2020 de http://dvl.ccn.ufsc.br/10congresso/anais/10CCF/20200715153947_id.pdf.

Krauspenhar, J. H., & Rover, S. (2020b). Relação Entre o Desempenho Esportivo dos Clubes de Futebol Brasileiros e seu Ativo Intangível Consistente em Atletas. In XX USP International Conference in Accounting (pp. 1-20). Recuperado em 19 de novembro de 2020 de https://congressousp.fipecafi.org/anais/20UspInternational/ArtigosDownload/2242.pdf.

Leoncini, M. P., & Silva, M. T. da. (2005). Entendendo o futebol como um negócio: um estudo exploratório. Gestão & Produção, 12(1), 11–23. https://doi.org/10.1590/s0104-530x2005000100003

Lev, B., Gu, F. (2016). The End of Accounting and the Path Forward for Investors and Managers. (1ª ed.). New Jersey: Wiley.

Lima, A. S., & Sampaio, M. S.. (2017). Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras do Exercício Findo em 2016 do E.C. Vitória. Recuperado em 08 de maio de 2021 de http://www.ecvitoria.com.br/wp-content/uploads/2016/10/1696107506_ecb3b8aa23680033334341bef11c1f4a.pdf.

Lima, A. S. (2018). Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras do Exercício Findo em 2017 do E.C. Vitória. Recuperado em 08 de maio de 2021 de http://www.ecvitoria.com.br/wp-content/uploads/2018/04/1987812479_4f9810ab71c32d30f4e2442f589272ce.pdf.

Maglio, R., & Rey, A. (2017). The impairment test for football players: the missing link between sports and financial performance? Palgrave Communications, 3(1), 17055. https://doi.org/10.1057/palcomms.2017.55

Mancin, M. (2009). Il bilancio delle società sportive professionistiche. Normativa civilistica, principi contabili nazionali e internazionali (IAS/IFRS). Padova: CEDAM.

Messias, D., Gallina, A. S., Ferreira, J. C., & Zanchet, A. (2020). Impairment Test em Jogadores de Futebol: análise dos trigger events que justificam a realização do teste de recuperabilidade em atletas profissionais. Revista de Administração, Contabilidade e Economia Da Fundace, 11(1), 80–94. https://doi.org/10.13059/racef.v11i1.659

Moraes, W. J. O. (2021). Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras do Exercício Findo em 2020 do C.R. Flamengo. Recuperado em 08 de maio de 2021 de https://www.flamengo.com.br/transparencia/demonstracoes-financeiras.

Moreira, M. (2020). Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras do Exercício Findo em 2019 do C.R. Flamengo. Recuperado em 08 de maio de 2021 de https://www.flamengo.com.br/transparencia/parecer-dos-auditores.

Morrow, S. (1997). Accounting for Football Players. Financial and Accounting Implications of ‘Royal Club Liégois and Others V Bosnian’ for Football in the United Kingdom. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 2(1), 55–71. https://doi.org/10.1108/eb029035

Mósca, H., Silva, J., & Bastos, S. (2009). Fatores Institucionais e Organizacionais que Afetam a Gestão Profissional de Departamentos de Futebol dos Clubes: O Caso dos Clubes de Futebol no Brasil. Gestão & Planejamento - G&P, 10(1), 53–71.

Pavlovic, V., Milacic, S., & Ljumovic, I. (2014). Controversies about the Accounting Treatment of Transfer Fee in the Football Industry. Management - Journal for Theory and Practice of Management, 19(70), 17–24. https://doi.org/10.7595/management.fon.2014.0001

Peeters, T. (2018). Testing the Wisdom of Crowds in the field: Transfermarkt valuations and international soccer results. International Journal of Forecasting, 34(1), 17–29. https://doi.org/10.1016/j.ijforecast.2017.08.002

Poza, C. (2020). A Conceptual Model to Measure Football Player’s Market Value. A Proposal by means of an Analytic Hierarchy Process. RICYDE. Revista Internacional de Ciencias Del Deporte, 16(59), 24–42. https://doi.org/10.5232/ricyde2020.05903

Risaliti, G., Verona, R. (2013). Player’s registration rights in the financial statement of the leading Italian clubs. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 26(1), 16-47. https://doi.org/10.1108/09513571311285603

Romann, M., Javet, M., Cobley, S., & Born, D. P. (2021). How relative age effects associate with football players’ market values: Indicators of losing talent and wasting money. Sports, 9(7). https://doi.org/10.3390/sports9070099

Sampaio, C. P., Souto, E. de L. C. de, & Pedroso, R. G. (2015). Ativo Intangível: um levantamento nos principais clubes de futebol brasileiros. 15o Congresso Nacional de Iniciação Científica.

Silva, C. M., & Miranda, E. L. (2018). Teste de Recuperabilidade Aplicado aos Ativos Atletas no Futebol. SINERGIA - Revista Do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis, 22(2), 49–60. https://doi.org/10.17648/sinergia-2236-7608-v22n2-7823

Souza, M., Borba, J., & Alberton, L. (2010). Divulgação da perda por impairment em empresas auditadas pelas Big Four. Pensar Contábil, 11(46), 12–19.

Surowiecki, J. (2005). The Wisdom of Crowds. Palatine: Anchor Books.

Szymanski, S. (1998). Why is Manchester United So Successful? Business Strategy Review, 9(4), 47–54. https://doi.org/10.1111/1467-8616.00082

Zandonai, F., & Borba, J. A. (2009). O que dizem os achados das Pesquisas Empíricas sobre o teste de impairment: uma análise dos Journals em língua inglesa. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(1), 24–34.

Publicado

2022-09-13

Como Citar

KRAUSPENHAR, J. H.; ROVER, S. O TESTE DE IMPAIRMENT MENTE? O CASO DOS ATLETAS DOS CLUBES DE FUTEBOL BRASILEIROS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 183-208, 2022. DOI: 10.22561/cvr.v33i2.7187. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/7187. Acesso em: 30 set. 2022.