ANÁLISE DO NÍVEL COGNITIVO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CONTÁBIL NA PERSPECTIVA DA TAXONOMIA DE BLOOM

Autores

  • Daniella Andrade Arantes Universidade Federal de Uberlândia
  • Denise Mendes Da Silva Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.5314

Palavras-chave:

Exame de Suficiência Contábil, Avaliação, Taxonomia de Bloom, Competências

Resumo

A pesquisa tem como objetivo confrontar o nível cognitivo do Exame de Suficiência com as habilidades e competências requeridas do contador a partir dos objetivos educacionais da Taxonomia de Bloom. Para tanto, realizou-se a classificação de 569 questões de Contabilidade retiradas de 14 edições do Exame de Suficiência (2011.1 a 2017.2) de acordo com os seis níveis cognitivos da taxonomia. Adicionalmente foi realizado um processo de validação da classificação das questões que geraram dúvidas quanto ao nível cognitivo a que pertencem, composto de quatro etapas, mediante a colaboração de quatro especialistas, conhecedoras da Taxonomia de Bloom. Os dados foram submetidos à análise descritiva. Os resultados apontam que o Exame de Suficiência não está alinhado ao perfil esperado do contador e que o CFC (Conselho Federal de Contabilidade) precisa evoluir no sentido de avaliar se os bacharéis em Contabilidade no Brasil são capazes de acompanhar as práticas contábeis globais, ou seja, se os futuros profissionais contábeis possuem as habilidades e competências requeridas do contador no cenário nacional e internacional.

Biografia do Autor

Daniella Andrade Arantes, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Contabilidade Financeira pela FACIC/UFU.

Denise Mendes Da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela FEA-RP/USP.

Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia (FACIC/UFU).

Referências

Bernardes, I. G., & Silva, D. M. (2019). Nível cognitivo requerido nos exames de suficiência do CFC na perspectiva da Taxonomia de Bloom. Revista Mineira de Contabilidade, 20(edição especial), pp. 47-58. DOI: https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2019v20net04

Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1983). Taxonomia de objetivos educacionais: domínio cognitivo. Porto Alegre/Rio de Janeiro: Editora Globo.

Bugarim, M. C. C., Rodrigues, L. L., Pinho, J. C. C., & Machado, D. Q. (2014). O desempenho dos profissionais de Contabilidade no Exame de Suficiência do CFC: uma análise de conglomerados regionais. Revista de Contabilidade e Organizações, 22, pp. 60-71. DOI: https://doi.org/10.11606/rco.v8i22.61176

Bugarim, M. C. C., Alencar, R. C., Garcia, E. A. R., & Caddah Neto, E. D. (2018). Exame de Suficiência: um requisito para a qualificação profissional. Brasília: Conselho Federal de Contabilidade.

Cardoso, R., Mendonça Neto, O. R., & Oyadomari, J. (2010). Os Estudos internacionais de competências e os conhecimentos, habilidades e atitudes do contador gerencial brasileiro: análises e reflexões. Brazilian Business Review, 7(3), pp. 91–113. DOI: http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2010.7.3.5

Chiu, L. K., Mahat, N. I., Rashid, B., Razak, N. A., & Omar H. (2016). Assessing Students’ Knowledge and Soft Skills Competency in the Industrial Training Programme: The Employers’ Perspective. Review of European Studies, 8(1), pp. 123-133. DOI: http://dx.doi.org/10.5539/res.v8n1p123

Davidson, R. A., Baldwin, B. A. (2005). Cognitive skills objectives in intermediate accounting textbooks: evidence from end-of-chapter material. Journal of Accounting Education, 23(2), pp. 79-95. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jaccedu.2005.05.001

Galvão, N. (2016). Percepção dos contadores sobre o Exame de Suficiência do CFC. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(45), pp.49-62. DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v15n45p49-62

Gomes, G. S. (2018). Modelo de Aprendizagem Integral (MAI): um novo modelo para o ensino de contabilidade. Tese de Doutorado em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Haydt, R.C. (1991). Avaliação do processo ensino-aprendizagem. (2. ed.) São Paulo: Ática.

International Federation of Accountants – IFAC (2019). Handbook of International Education Pronouncements. Recuperado em 16 janeiro, 2020 de https://www.ifac.org/publications-resources/2017-handbook-international-education-pronouncements

Kavanagh, M. H., & Drennan, L. (2008). What skills and attributes does an accounting graduate need? Evidence from student perceptions and employer expectations. Accounting and Finance, 48(2), pp. 279–300. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-629X.2007.00245.x

Lara, L. D., Pereira, E. M. (2018). Concurso público para bacharéis em Ciências Contábeis no Brasil: uma análise das provas à luz da Taxonomia de Bloom. Revista de Contabilidade da UFBA, 12(1), pp. 91-114. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rc-ufba.v12i1.20593

Lemes, D. F.; Miranda, G. J. (2014). Habilidades profissionais do contador preconizadas pela IFAC: um estudo com profissionais da região do Triângulo Mineiro. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(2), pp. 293-316. DOI: http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2014070206

Lunkes, R. J., Rosa, F. S., Silva, D. F., & Bernardes, R. (2015). Análise do Exame de Suficiência do CFC: um estudo sobre as questões de Contabilidade Gerencial. Revista Brasileira de Contabilidade, 210, pp. 26–39.

Martinez, A. L. (2017). Aprovados, mas...capacitados? Um estudo sobre princípios versus regras nos exames de suficiência e em provas de concursos públicos. Dissertação de Mestrado em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Pelissoni, A. M. S. (2009). Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem. Anuário da Produção Acadêmica Docente, 3(5), pp. 129-139.

Pinheiro, F. M. G., Dias Filho, J. M., Lima Filho, R. N., & Lopes, L. M. S. (2013). O perfil do contador e os níveis de habilidades cognitivas nos exames ENADE e Suficiência do CFC: uma análise sob a perspectiva da Taxonomia de Bloom. Contextus Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 11(1), pp. 50-65. DOI: https://doi.org/10.19094/contextus.v11i1.32157

Santana Júnior, J. J. B., Pereira, D. M. V. G., & Lopes, J. E. G. (2008). Análise das habilidades cognitivas requeridas dos candidatos ao cargo de contador na Administração Pública Federal, utilizando-se indicadores fundamentados na visão da Taxonomia de Bloom. Revista Contabilidade e Finanças, 19(46), pp. 108-121. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772008000100009

Shaftel, J., & Shaftel, T. L. Educational Assessment and the AACSB (2007). Issues in Accounting Education, 22(2), pp. 215-232. DOI: https://doi.org/10.2308/iace.2007.22.2.215

Silva, M. Z., Theiss, V., & Rausch, R. R. (2013). Avaliação da aprendizagem na educação superior: relato de uma experiência. RACE Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Ed. especial Anpad, pp. 363-396.

Silva, O. L. (2014). Avaliação das habilidades conceituais, procedimentais e atitudinais: estudo no Exame de Suficiência em Contabilidade 2012-2013. Dissertação de Mestrado em Contabilidade Financeira e Finanças, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Souza, P. V. S., Cruz, U. N., & Lyrio, E. F. (2017). A relação do Exame de Suficiência contábil com o desempenho discente e a qualidade dos cursos superiores em Ciências Contábeis do Brasil. Revista Ambiente Contábil, 9(2), pp. 179-199.

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

ARANTES, D. A.; DA SILVA, D. M. ANÁLISE DO NÍVEL COGNITIVO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CONTÁBIL NA PERSPECTIVA DA TAXONOMIA DE BLOOM. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 2, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.5314. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5314. Acesso em: 5 ago. 2020.