CONSERVADORISMO CONTÁBIL NA LEGITIMAÇÃO DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DO SETOR DE MINÉRIO NO BRASIL

Palavras-chave: Conservadorismo Contábil, Teoria da Legitimidade, Mineradoras, Barragem de Rejeitos, SAMARCO.

Resumo

O rompimento da Barragem da Samarco, em 2015 na cidade de Mariana (MG) ocasionou danos materiais, sociais e ambientais incomensuráveis. Este estudo buscou analisar como a tragédia influenciou as demonstrações contábeis e socioambientais das empresas do setor de minério de capital aberto do Brasil, tendo o conservadorismo como pressuposto presente nas publicações e como instrumento de manutenção da legitimidade destas companhias. Através da técnica de análise de conteúdo, por meio de leitura direta, categorizaram-se termos vinculados ao desastre, nas quatro empresas listadas na B3, nos anos de 2014, 2015 e 2016. Achados indicam, a partir do rompimento da barragem, a presença do conservadorismo contábil nos relatórios da Bradespar e, especialmente da Vale. Nos documentos da MMX e Litel não há um comportamento compatível com manutenção de legitimidade. Percebe-se preocupação com as provisões com ênfase nos riscos do negócio, ambientais e de mercado, processos judiciais relacionados ao rompimento, bem como testes de impairment e alterações nos passivos contingenciais, confirmando a celeridade da divulgação das más notícias e um esforço para manter a legitimidade, mas não demonstram o efetivo cumprimento de obrigações perante a sociedade. Ainda assim, no ano de 2019 as famílias das vítimas não tiveram as indenizações completamente quitadas, fato que confirma que apesar das provisões e da organização que as empresas começaram a ter a partir do desastre, ainda é necessário que outras práticas sejam adotadas para que, caso ocorram outros rompimentos de barragem, o auxílio às vítimas e aos demais envolvidos no fato ocorram de maneira mais eficiente.

Biografia do Autor

Viviane Da Silva Lemos, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Discente do Mestrado em Contabilidade da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Especialista em Controladoria e Finanças.
Yuri Schleich Klug, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Discente do Mestrado em Contabilidade da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Especialista em Direito Tributário.
Ana Paula Capuano Da Cruz, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Doutora em Controladoria e Contabilidade. Professor Titular da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Marco Aurélio Gomes Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutor em Ciências Contábeis. Professor Titular da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Publicado
2019-12-03
Como Citar
LEMOS, V. D. S.; KLUG, Y. S.; DA CRUZ, A. P. C.; BARBOSA, M. A. G. CONSERVADORISMO CONTÁBIL NA LEGITIMAÇÃO DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DO SETOR DE MINÉRIO NO BRASIL. Contabilidade Vista & Revista, v. 30, n. 2, p. 113-142, 3 dez. 2019.