Taxa de câmbio e exportações líquidas: uma análise para os estados brasileiros

Autores

Resumo

Este artigo analisa os impactos de curto e de longo prazo das desvalorizações cambiais sobre as exportações líquidas totais, de básicos e de industrializados para um painel de estados brasileiros a partir da aplicação de modelos Panel Vector Autoregression (PVAR), para testar a ocorrência do fenômeno da curva J, e do Panel Dynamic Ordinary Least Squares (PDOLS), para investigar a validade da condição de Marshall-Lerner. Em todos os modelos considerados a resposta das exportações líquidas dos estados brasileiros a uma depreciação cambial se mostra positiva, validando, portanto, a condição de Marshall-Lerner. Essa resposta é maior para os bens industrializados. Como previsto pela teoria, a renda doméstica apresenta impacto negativo e estatisticamente robusto sobre o saldo comercial, enquanto a renda externa apresenta repercussão positiva. Os resultados indicam a ocorrência da curva J para os totais e os industrializados.

Biografia do Autor

Elano Ferreira Arruda, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Economia. Professor do Programa de Pós Graduação em Economia CAEN/UFC e do Mestrado Acadêmico em Economia Rural MAER/UFC

Gabriel Martins, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Economia CAEN/UFC

Downloads

Publicado

2020-06-10

Como Citar

ARRUDA, E. F.; MARTINS, G. Taxa de câmbio e exportações líquidas: uma análise para os estados brasileiros. Nova Economia, [S. l.], v. 30, n. 1, p. 111-142, 2020. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/4180. Acesso em: 6 jul. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares