Como a deficiência afeta a educação e o trabalho de jovens no Brasil

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar como a discriminação e as limitações das atividades causadas pela deficiência podem afetar a educação e o trabalho dos jovens com idade entre 15 e 24 anos. Para isso, utilizaram-se os dados da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013 e um modelo logit multinomial para estimar as probabilidades de o jovem estudar/ trabalhar/ procurar emprego. Os resultados indicaram que, de maneira geral, a deficiência contribui para diminuir a frequência escolar e a participação no mercado de trabalho, principalmente no caso da defi ciência intelectual. Algumas exceções foram observadas, como no caso dos jovens com deficiência visual e com deficiência física sem limitações das atividades habituais,
que apresentam maior probabilidade de trabalhar. Os homens com deficiência auditiva e limitações das atividades habituais apresentam maior probabilidade de estudar. Esses resultados podem estar associados às políticas de educação especial e de cotas de emprego para pessoas com deficiência.

 


Palavras-chave: deficiência, economia das pessoas com deficiência, trabalho, educação.

Biografia do Autor

Kalinca Leia Becker, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

Professora na Universidade Federal de Santa Maria. Doutora (2013) e Mestre (2009) em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" - ESALQ/USP. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2007). Atua principalmente nos seguintes temas: economia social e econometria aplicada.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
BECKER, K. L. Como a deficiência afeta a educação e o trabalho de jovens no Brasil. Nova Economia, v. 29, n. 3, p. 1009-1039, 31 dez. 2019.
Seção
Números Regulares