Os determinantes da rotatividade do trabalho no Brasil: instituições X ciclos econômicos

Autores

  • Carlos Alberto Ramos
  • Francisco Galrão Carneiro

Palavras-chave:

rotatividade, instituições, oferta e demanda por trabalho.

Resumo

O artigo analisa os determinantes da rotatividade do trabalho, considerando o efeito de instituições vigentes no mercado de trabalho e o desempenho da economia brasileira. Contrapõem-se argumentos teóricos que sugerem que: (i) os benefícios financeiros ao assalariado demitido (FGTS) incentivam um aumento da rotatividade; (ii) a rotatividade do trabalho pode ser resultado da estrutura do mercado de trabalho (i. e., das características da oferta e da demanda por
trabalho). Apresenta-se ainda evidência econométrica de que mudanças no patamar da taxa de rotatividade do trabalho no Brasil não ocorreram emfunção damudança na legislação do FGTS, ao final da década de 80, e de que a taxa de rotatividade no país é pró-cíclica.

Downloads

Publicado

2009-05-29

Como Citar

RAMOS, C. A.; CARNEIRO, F. G. Os determinantes da rotatividade do trabalho no Brasil: instituições X ciclos econômicos. Nova Economia, [S. l.], v. 12, n. 2, 2009. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/400. Acesso em: 24 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares