Intervenção governamental, crescimento e bem-estar: efeitos da política de Equalização das Taxas de Juros do crédito rural nas regiões brasileiras

Autores

  • Débora Freire Cardoso Universidade Federal de Minas Gerais
  • Erly Cardoso Teixeira Universidade Federal de Viçosa
  • Ângelo Costa Gurgel Universidade de São Paulo
  • Eduardo Rodrigues de Castro Universidade Federal de São Carlos

Palavras-chave:

subsídios, crescimento econômico, bem-estar, equilíbrio geral, regiões brasileiras

Resumo

O objetivo geral do trabalho é avaliar os impactos dos gastos governamentais com a política de Equalização das Taxas de Juros (ETJ) no crescimento econômico e bem-estar das cinco macrorregiões brasileiras. As simulações foram realizadas através do Projeto de Análise de Equilíbrio Geral da Economia Brasileira (PAEG). Verifica-se que a política de ETJ proporciona crescimento econômico nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sul superior a seu custo. Por outro lado, nas regiões Norte e Sudeste, observa-se queda no PIB mediante os gastos com a ETJ. Para o Brasil, a política é custo-efetiva e apresenta retorno de 34%. Além disso, todas as regiões são beneficiadas em termos de bem-estar. Conclui-se que a política de ETJ é eficiente e contribui para a redução das disparidades regionais.

Biografia do Autor

Débora Freire Cardoso, Universidade Federal de Minas Gerais

Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Pesquisador.

Erly Cardoso Teixeira, Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa.

Ângelo Costa Gurgel, Universidade de São Paulo

FEA - RP, Universidade de São Paulo.

Eduardo Rodrigues de Castro, Universidade Federal de São Carlos

Faculdade de Economia, Ufscar - Sorocaba

Downloads

Publicado

2014-09-29

Como Citar

CARDOSO, D. F.; TEIXEIRA, E. C.; GURGEL, Ângelo C.; DE CASTRO, E. R. Intervenção governamental, crescimento e bem-estar: efeitos da política de Equalização das Taxas de Juros do crédito rural nas regiões brasileiras. Nova Economia, [S. l.], v. 24, n. 2, 2014. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/1281. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares