A GESTÃO DE OPERAÇÕES EM ORGANIZAÇÕES DA CADEIA PRODUTIVA DO TURISMO: ANÁLISE DA OFERTA DE ATRATIVOS CULTURAIS EM JUIZ DE FORA (MG)

Autores

  • Thiago Duarte Pimentel Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais/Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.5966

Palavras-chave:

Gestão de operações; Cadeia produtiva; Planejamento e controle da produção; Turismo.

Resumo

Um dos seus elementos mais intrínsecos (senão o único conferidor de sua identidade) do sistema turístico é o atrativo turístico. Apesar de sua relevância, frequentemente, este elemento é tomado de maneira natural, como um dado, sem que seja analisado mais a fundo, em si mesmo ou em suas relações com outros componentes do sistema turístico. Tentando aprofundar este veio de discussão, o objetivo deste artigo foi analisar a relação entre a oferta de atrativos turísticos e sua operação. Recorreu-se teoricamente ao estudo da gestão de empresas no setor turístico, focalizando especificamente os serviços turísticos considerados como “atrativos”, além de se produzir uma caracterização sobre o que é considerado atrativo. Metodologicamente este estudo valeu-se da combinação de dois bancos de dados distintos, mas complementares, um referente a cadeia produtiva do setor e outros aos atrativos existentes, elaborados em pesquisas precedentes, tomando como contexto empírico a cidade de Juiz de Fora (MG). Os critérios de análise de atrativos baseiam-se em investimento de tempo, dinheiro e sua importância relativa e condições de acesso, já no âmbito da gestão de operações da empresa, produziu-se uma radiografia sobre o segmento de atrativos culturais da cadeia produtiva, explorando especificamente o tipo de produto/serviço, público alvo, faturamento e técnicas de gestão usadas. Os resultados apontam que percepção relativa aos atrativos como de baixa valor (quanto ao investimento de tempo, dinheiro e importância relativa) cotejada com dados do perfil da sua forma de operação evidencia a existência de um processo produtivo tradicional, mecânico, com baixo valor agregado e possibilidade de estagnação. Como conclusão aponta-se a necessidade de requalificação, posicionamento e exploração de capacidades existentes como condição necessária para o desenvolvimento turístico do destino.

Biografia do Autor

Thiago Duarte Pimentel, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais/Brasil.

Professor e pesquisador junto a Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF. Doutor em Ciências Sociais (Sociologia) pela UFJF. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG. Bacharel em Turismo (Ênf. Planejamento Integrado) pela UFMG. Professor permanente dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Sociais/PPGCSO e Administração/PPGA em Administração Pública/PROFIAP. Professor no curso de bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas e no curso de Turismo.

Referências

Álvarez, W. C., & Pérez, M. J. (2011). Metodología de análisis de cadenas productivas bajo el enfoque de cadenas de valor. Fundación CODESPA.
Boullón, Roberto C. (1990). Os Municípios Turísticos. (Trad. Carlos Valero). Bauru, SP: EDUCS, 2005. (Coleção Turismo). [Tradução de: Los Municípios Turísticos, Editorial Trilhas, Mex, 1990.]
Bull, A. (1994). La Economía del Sector Turístico. Editorial Alianza Económica.
Cury, R. (2003). Logística Aplicada ao Turismo. In.: Ruschmann, Doris; Solha, Karina Toledo [orgs.]. Turismo – Uma visão empresarial, São Paulo: Editora Mancle Ltda., pp. 15-27.
Detoni, M. M. L. (2007). Operadores Logísticos. In.: Novaes, Antônio G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição- Estratégia, Operação e Avaliação. Campus.
EMBRATUR – Instituto Brasileiro de Turismo. (2013). Disponível em: < http://www.embratur.gov.br/piembratur/opencms/salaImprensa/noticias/arquivos/Turiso_injetou_US_61_bilhoes_n_econoi_te_novebro.html >, acesso em 29 de janeiro de 2014.
Friedberg, E. (1992) Les quatre dimensions de l’action organiseé. Revue Française de Sociologie, 33(4), 1992.
Gil, Antônio C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª edição, São Paulo: Editora Atlas, 2008.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014) IBGE Cidades. Acesso em 30 de janeiro de 2014, em http://www.cidades.ibge.gov.br/ xtras/temas.php?lang=&codmun=313670&idtema= 118&search=minasgerais|juiz-de-fora%C3% 8Dndice-de-desenvolvimento-humano-municipal-idhm-
IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2010). A Ocupação no setor turismo e sua Evolução: um panorama do Brasil e Regiões. In Brasil em Desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: Ipea.
IPARDES - Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. (2009). Cadeia produtiva do turismo no Paraná: síntese do estudo. Curitiba: IPARDES.
Leiper, N. (1979). The framework of tourism. Annals of Tourism Research, 6(4), 390-470.
Novaes, A. G. (2007). Canais de distribuição. In.: Novaes, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição - Estratégia, Operação e Avaliação, Campus, pp. 107-129.
Organização do Turismo (OMT) (2014). Acesso em 30 de janeiro de 2014, em http://media.unwto.org/es/pressrelease/2014-01-20/elturismo-internacional-supera-lasexpectativas-con-52-millones-llegadas-a
Pimentel, T. D.; Pimentel, M. P. C. (2012) Planejamento e controle da produção no turismo: um ensaio. In: Revista Economia e Gestão, PUC Minas, 12(28), 53-74.
Pimentel, T. D.; Barbosa, J. S.; Carvalho, F. C. C. De. (2017) Modelo para análise da Gestão da Produção no ambiente intra e interorganizacional do Turismo. Revista Turismo & Desenvolvimento, (27/28), 1563-1575.
Tremblay, P. A (1998). Organização Econômica do Turismo. Annals of Tourism Research, 25 (4), 837-859.
Vollmann, T. E., Berry, W. L., Whybark, D. C., Jacobs, F. R. (2006). Sistemas de Planejamento e Controle da Produção para o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Bookmann.

Publicado

2020-09-12

Como Citar

Pimentel, T. D. (2020). A GESTÃO DE OPERAÇÕES EM ORGANIZAÇÕES DA CADEIA PRODUTIVA DO TURISMO: ANÁLISE DA OFERTA DE ATRATIVOS CULTURAIS EM JUIZ DE FORA (MG) . Marketing & Tourism Review, 5(2). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.5966