ETNOGRAFIA COMO UM PROCESSO DE (RE)EDUCAÇÃO DE SUBJETIVIDADES: FEMINISMOS NEGROS E A APRENDIZAGEM ETNOGRÁFICA COM NEUSA CAVEDON

  • Josiane Silva de Oliveira Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Etnografia. Feminismos negros. Neusa Cavedon.

Resumo

A etnografia é um método de pesquisa caracterizado por um processo de (re)educação de subjetividades. Para além do entendimento da existência do “outro”, o aprendizado etnográfico implica reconhecimento e incorporação de outras (re)existências em nossa vida cotidiana para além de eixos de dominação e subordinação social (COLLINS, 2016). Esse processo possibilita compreender nosso lugar social na pesquisa e nosso lugar de fala na escrita etnográfica. Considerando Neusa Cavedon como sendo uma das principais etnógrafas da área de Estudos Organizacionais no Brasil, discuto suas práticas de ensino da etnografia articuladas ao meu processo de reconhecimento como mulher negra nessa área enfatizando contribuições teóricas do feminismo negro para a etnografia. Com a licença de Exú, orixá que nas religiões de matriz africana abre caminhos para o desenvolvimento pleno de nossas (re)existências, apresento esse texto como uma política de afetos de (re)educação de subjetividades na luta antirracista acadêmica e etnográfica. Laroyê!

Biografia do Autor

Josiane Silva de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá
Doutora em Adminisração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Adjunta da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

Cavedon, Neusa R. (2003). Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS.

Clifford, James (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no início do século XX. Rio de Janeiro: UFRJ.

Collins, Patricia H. (2016). Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, 31(1), 99-127.

Freire, Paulo (2004). Pedagogia de indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP.

Geertz, Clifford (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar.

Kilomba, Grada (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó.

Kilomba, Grada (2012). Plantation memories: episodes of everyday racism. Munster: Unrast apud Ribeiro, Djamila (2016). Feminismo negro para um novo marco civilizatório. Sur 24, 13(24), 99-104.

Ribeiro, Djamila (2017). O que é lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento.

Ribeiro, Djamila (2016). Feminismo negro para um novo marco civilizatório. Sur 24, 13(24), 99-104.

Oliveira, Josiane S. (2018). As influências raciais na construção do campo etnográfico: um estudo multissituado no contexto Brasil-Canadá. Organizações & Sociedade, 25(86), 511-531.

Rocha, Ana Luisa C. & Eckert, Cornélia. (2008). Etnografia: saberes e prática. Iluminuras, 9(21), 1-23.

Publicado
2020-03-20
Seção
Homenagem a Neusa Rolita Cavedon