Foco e Escopo

Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, periódico científico quadrimestral do Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (NEOS/FACE/UFMG), busca fomentar, propagar e contribuir para os estudos organizacionais em uma ótica não-funcionalista. Nesse sentido, este periódico constitui um espaço interdisciplinar, aberto para que se possa discutir e propor temáticas, abordagens críticas e inovadoras e objetos não ortodoxos nos estudos organizacionais. A ideia é que, a partir de uma perspectiva plural dos pontos de vista ontológico, epistemológico, teórico e metodológico, e não pautada pelo gerencialismo, seja possível propor, discutir, criticar e teorizar para a compreensão da complexa dinâmica da sociedade e suas interfaces com as organizações.

Processo de Avaliação pelos Pares

A contribuição submetida a Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, inédita, passará por, pelo menos, dois avaliadores ad hoc em sistema double blind review (dupla avaliação cega), mantendo-se o sigilo da autoria aos avaliadores e dos avaliadores aos autores. O periódico conta com avaliadores externos ao Conselho Editorial e à UFMG no processo de avaliação. Os resultados podem ser: a) aprovação para publicação do texto submetido; b) aprovação mediante diligencia para publicação após procedidas as alterações; e c) reprovação. O resultado da avaliação será sempre comunicado ao(s) autor(es), com transcrição dos comentários feitos pelos avaliadores acrescido do parecer do editor.

O(s) autor(es) disporão de um prazo para efetuar as alterações sugeridas pelos avaliadores. Caso o(s) autor(es) concordem em modificar o seu texto, a segunda versão deverá obrigatoriamente ser acompanhada por um relatório de controle de alterações, cujo modelo é fornecido pela editoria, no qual o(s) autor(es) podem se posicionar detalhadamente, concordando ou discordando, com cada uma das sugestões. De posse da segunda versão da contribuição e do relatório do controle de alterações, a editoria reencaminhará o material para os pareceristas ad hoc, que avaliarão se as alterações foram suficientes, e se o texto tem condições para ser publicado. Caso não tenha, o texto será reencaminhado ao(s) autor(es), e repete-se o processo, até que o texto seja definitivamente aprovado ou reprovado pelos pareceristas ad hoc e pela editoria.

Periodicidade

Quadrimestral.

Política de Acesso Livre

Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

Contato

Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade
Faculdade de Ciências Econômicas
Universidade Federal de Minas Gerais
Av. Antonio Carlos, 6627, Pampulha, Belo Horizonte – MG
CEP: 31270-901
farol@face.ufmg.br 

Indexadores, Listas e Diretórios

AcademicKeys | Academic Resource Index | Diadorim | DOAJ - Directory of Open Journal Access | DRJI – Directory of Research Journals Indexing | EBZ - Electronic Journal Library | Google Scholar | Index Copernicus International | LivRe | Oasis.br | PKP – Public Knowledge Project | Portal de Periódicos da UFMG | REDIB | SEER/IBICT | Sumários.org

Histórico do periódico

Atendendo à necessidade de mais espaços qualificados para o debate além do funcionalismo, a Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade foi criada. Este periódico, publicado pelo Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, busca fomentar, propagar e contribuir para os estudos organizacionais em uma ótica não-funcionalista. Nesse sentido, este periódico constitui um espaço interdisciplinar, aberto para que se possa discutir e propor temáticas, abordagens críticas e inovadoras e objetos não ortodoxos nos estudos organizacionais.

A ideia é que, a partir de uma perspectiva plural dos pontos de vista ontológico, epistemológico, teórico e metodológico, e não pautada pelo gerencialismo, seja possível propor, discutir, criticar e teorizar para a compreensão da complexa dinâmica da sociedade e suas interfaces com as organizações.