TENSÃO ENTRE RACIONALIDADES INSTRUMENTAL E SUBSTANTIVA EM UMA ESCOLA BÁSICA DE TEMPO INTEGRAL

Autores

  • Christiane Bellucci Oxford Business College
  • Sérgio Luís Boeira Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.25113/farol.v7i19.5396

Palavras-chave:

Tensões; Racionalidades Instrumental e Substantiva; Cultura Organizacional; Educação integral

Resumo

O estudo busca compreender as tensões entre as racionalidades instrumental e substantiva, considerando-se as características dos principais enclaves da teoria da delimitação de sistemas sociais de Guerreiro Ramos (economia, isonomia e fenonomia) numa escola que se destacava pelo objetivo de obter a educação integral. Foi realizado um estudo de caso qualitativo no Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) em 2014, sendo os dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, de documentos, observação direta e interpretados segundo categorias da teoria da delimitação de sistemas sociais, do paradigma paraeconômico e da metodologia reflexiva. Foram constatadas tensões entre as diferentes formas de racionalidade e sistemas sociais – expressas por meio da busca de autorrealização humana, realização de tarefas rotineiras, regras impostas, remuneração, participação na gestão escolar, sobrevivência econômica, enfim, tensão entre diferentes racionalidades e sistemas sociais.

Referências

Alvesson, Mats & Sköldberg, Kaj (2000). Reflexive methodology. New Vistas for Qualitative Research. London: Sage.

Aristóteles (1996). Ética a Nicômaco. São Paulo: Nova Cultural.

Azevêdo, Ariston (2006). A sociologia antropocêntrica de Alberto Guerreiro Ramos. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Azevêdo, Ariston & Albernaz, Renata (2004). A paraeconomia como modelo e paradigma para a análise e a formulação de políticas públicas: o resgate de uma possibilidade. Em Tese. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, 1(2), 20-32.

Bariani Junior, Edilson (2011). Guerreiro Ramos e a redenção sociológica. Capitalismo e sociologia no Brasil. São Paulo: Unesp.

Bellucci, Christiane F. (2015). Tensão entre racionalidades (instrumental e substantiva) em paralelo a formas de cultura organizacional: um estudo de caso em escola básica de tempo integral. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Castells, Manuel (2018). Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar.

Cavalcanti, Bianor & Lustosa da Costa, Frederico (2009). Guerreiro Ramos: entre o passado e o futuro. Rio de Janeiro: FGV.

Cavaliere, Ana M. & Coelho, Ligia M. (2003). Para onde caminham os CIEPS? Uma análise após 15 anos. Cadernos de Pesquisa, 119, 147-174.

Carta (2015). Documentos do Centro Integrado Rodesindo Pavan. CIEP Balneário Camboriú. Anexo B. In C. Bellucci. (2015). Tensão entre racionalidades (instrumental e substantiva) em paralelo a formas de cultura organizacional: um estudo de caso em escola básica de tempo integral. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Denzin, Norman & Lincoln, Yonna (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa (2a ed). Porto Alegre: Artmed.

Etzioni, Amitai (1961). A comparative analysis of complex organizations. New York: The Free Press of Glencoe.

Falcão, Duda (2020). Educação básica privada e Covid-19. In José R. C. Neves (Org.). O mundo pós-pandemia: reflexões sobre uma nova vida (pp. 113-119). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

França Filho, Genauto C. & Eynaud, Philippe (2020). Solidariedade e organizações: pensar uma outra gestão. Salvador: EDUFA.

Gardner, Howard (2001). Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva.

Gaulejac, Vicent (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: Ideias & Letras.

Gois, Antonio. (2020). Incertezas, possibilidades e o que haverá de sólido na educação depois da pandemia. In José R. C. Neves (Org.). O mundo pós-pandemia: reflexões sobre uma nova vida (pp. 107-112). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Godoi, Christiane K. & Mattos, Pedro L. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In Christiane K. Godoi, Rodrigo Bandeira-de-Mello, & Anielson B. Silva (Orgs.) Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos (pp. 301-323). São Paulo: Saraiva.

Godoy, Arilda S. (2006). Estudo de caso qualitativo. In Christiane K. Godoi, Rodrigo Bandeira-de-Mello, & Anielson B. Silva (Orgs.) Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos (pp. 115-146). São Paulo: Saraiva.

Guerreiro Ramos, Alberto (1983). Administração e contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração (2a ed). Rio de Janeiro: FGV.

Guerreiro Ramos, Alberto (1981a). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV.

Guerreiro Ramos, Alberto (1981b). The new science of organizations: a reconceptualization of the wealth of nations. Toronto: University of Toronto Press.

Guerreiro Ramos, Alberto (1963). Mito e verdade da revolução brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Guerreiro Ramos, Alberto (1958). A redução sociológica (introdução ao estudo da razão sociológica). Rio de Janeiro: Iseb.

Guerreiro Ramos, Alberto (1957). Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Andes.

Guerreiro Ramos, Alberto (1946). As implicações sociológicas da puericultura. Separata da revista “Pediatria e Puericultura”. Salvador: Imprensa Oficial.

Guerreiro Ramos, Alberto (1939). Introdução à cultura (ensaios). Rio de Janeiro: Cruzada da Boa Imprensa.

Guerreiro Ramos, Alberto (1937). O drama de ser dois (poesias). Salvador.

Halévy, Marc (2010). A era do conhecimento: princípios e reflexões sobre a revolução no ética no século XXI. São Paulo: UNESP.

Lopes, Noemia. (2014). O que é o projeto político-pedagógico (PPP). Recuperado em 17 dezembro, 2014 de: http://gestaoescolar.abril.com.br.

Matos, Sheila C. & Macedo de Faria, Lia (2019). A intelectual Maria Yedda Leite Linhares: memórias e diálogos. Revista Brasileira de Educação, 24, 1-26.

Menezes, Ebenezer T. & Santos, Thais H. (2002). CIEPs (Centros Integrados de Educação Pública). In Dicionário Interativo da Educação Brasileira - EducaBrasil. São Paulo: Midiamix.

Merriam, Sharan B. (2009). Qualitative research: a guide to design and implementation. Revised and expanded from qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass.

Moll, Jaqueline (2012). Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso.

Morin, Edgar (2020). Conhecimento, ignorância, mistério. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, Edgar (2015). Ensinar a viver. Manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Sulina.

Morin, Edgar (2000). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Moura, Maurício & CorbellinI, Juliano (2019). A eleição disruptiva: por que Bolsonaro venceu? (2a ed). Rio de Janeiro: Record.

Netto, Vladimir (2016). Lava Jato: o juiz Sergio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil. Rio de Janeiro: Primeira Pessoa.

Neves, José R. C. (2020). O mundo pós-pandemia: reflexões sobre uma nova vida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Nobre, Marcos (2020). Ponto final: a guerra de Bolsonaro contra a democracia. São Paulo: Todavia.

Nobre, Marcos (2013). Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Cia das Letras.

Oyama, Thaís (2020). Tormenta. O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos. São Paulo: Cia das Letras.

Paes de Paula, Ana P. (2004). Guerreiro Ramos: resgatando o pensamento de um sociólogo crítico das organizações. In Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, Atibaia, SP, Brasil, III.

Pizza Júnior, Wilson (1997). Trajetória parlamentar de Alberto Guerreiro Ramos. Revista de Administração Pública, 31(5), 24-28.

Pizza Júnior, Wilson (1994). Razão substantiva. Revista de Administração Pública, 28(2), 7-14.

Projeto Político Pedagógico – PPP. (2013). CIEP – Centro Integrado de Educação Pública Rodesindo Pavan. Camboriú: Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú.

Santos, Cláudia. C. & Vieira, Roberto. C. (2012). Reflexão sobre o Programa Mais Educação. In Jaqueline Moll (Org.) Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos (pp. 336-344). Porto Alegre: Penso.

Serva, Maurício (1997). A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas, 37(2), 18-30.

SEB/MEC (2011). Caminhos para elaborar uma proposta de educação integral em Jornada ampliada: Como ampliar tempos, espaços e oportunidades educativas para crianças, adolescentes e jovens aprenderem. Brasília: MEC. Recuperado em 18 novembro, 2020 de: https://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2013/08/4_caminhos_elaborar_educacao_integral_cecipe_seb.pdf.

Stake, Robert E. (2003). Case studies. In: Norman Denzin & Yvonna Lincoln (Eds). Strategies of qualitative inquiry (2nd ed) (pp. 134-164). London: Sage.

Teixeira, Lucia H. G. (2002). Cultura organizacional e projeto de mudança em escolas públicas. Campinas: UMESP/ANPAE.

Titton, Maria B. P. (2012). Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Educar em Revista, 45, 295-300.

Vergara, Sylvia C. (2010). Métodos de pesquisa em administração (4a ed). São Paulo: Atlas.

Vianna, Heraldo M. (2003). Pesquisa em educação: a observação. Brasília: Plano.

Villa, Marco A. (2014). Um país partido: a eleição mais suja da história. São Paulo: Leya.

Downloads

Publicado

2020-11-19

Edição

Seção

Artigos