“ANDY TROUXE AIDS PARA NOSSOS ESCRITÓRIOS”: UMA ANÁLISE FÍLMICA E SOCIAL APÓS 25 ANOS DO LANÇAMENTO DE “FILADÉLFIA”

Palavras-chave: HIV/AIDS, Relações de Trabalho, Análise Fílmica, Estigma, Direitos Humanos.

Resumo

O trabalho analisa o Filme Filadélfia (Philadelphia – 1993), refletindo seu potencial em explorar dinâmicas em relação ao HIV do final do século passado até o presente momento. O filme retrata a demissão de um proeminente advogado em carreira, após a suspeição de que estaria desenvolvendo AIDS. Valendo-se do enredo e das cenas, em uma abordagem qualitativa, o artigo parte da ficção para examinar conceitos como o estigma, o preconceito, a exclusão, o cuidado com o corpo na sociedade industrial capitalista, os direitos humanos, entre outros relacionados. Os conceitos examinados servem para discutir as leis de proteção ao trabalhador desses grupos tanto no Brasil, levando em conta a legislação do país, quanto em um cenário internacional, levando em consideração a participação de órgãos como a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Biografia do Autor

Renato Koch Colomby, PPGA/EA/UFRGS
Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013) e mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016). Atualmente é pesquisador colaborador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutorando em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É estudante de psicologia e especialista em Educação para o Ensino Superior e EAD. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão de Pessoas. Os principais interesses de pesquisa são relacionados aos seguintes temas: Estudos Organizacionais, História de Vida, Polissemia do Trabalho, Sentido e Significado do Trabalho, Relações de Trabalho, Direito dos Soropositivos, Liderança, Comportamento Organizacional e Terceiro Setor. É integrante do GINEIT (Grupo Interdisciplinar de Estudos da Inovação e do Trabalho) alocado na EA/PPGA/UFRGS. 
Maria Beatriz Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande do sul
Professora da Graduação e Pós-Graduação da Escola de Administração daUniversidade Federal do Rio Grande do Sul. Desenvolve pesquisas sobre Ética e Gestão da Diversidade.

Referências

Alencar, T. M. D. De; Nemes, M. I. B.; Velloso, M. A. (2008). Transformações da "aids aguda" para a "aids crônica": percepção corporal e intervenções cirúrgicas entre pessoas vivendo com HIV e AIDS. Ciência & Saúde Coletiva, 13(6), 1841-1849.

Assunção, L. O. (2015). O acesso à justiça para a pessoa em condição de vulnerabilidade: um debate a partir do filme “Filadélfia”. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 8(1), 189-202.

Ayres, J. R. C. M. (2002). Práticas educativas e prevenção de HIV/Aids: lições aprendidas e desafios atuais. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 6(11), 11-24.

Ayres, J. R. C. M., Paiva, V., França, I., Gravato, N., Lacerda, R., & Della N. M. (2006). Vulnerability, human rights, and comprehensive health care needs of young people living with HIV/AIDS. American Journal of Public Health, 96(6), 1001-1006.

Barbará, A., Sachetti, V. A. R., & Crepaldi, M. A. (2005). Contribuições das representações sociais ao estudo da AIDS. Interação em Psicologia, 9(2), 331-339.

Barbosa, A. R. & Teixeira, L. R. (2007). A utilização de filmes no ensino de administração. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, Recife, PE, Brasil, I.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. O que é a Aids. Recuperado em 23 fevereiro, 2016, de: http://www.aids.gov.br/pagina/na-justica.

Brasil. (2014a). Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 1.927, de 10 de Dezembro de 2014. DOU de 11/12/2014 Seção I, p. 82.

Brasil. (2014b). Lei nº 12.984, de 2 de junho de 2014.

Brasil. (2003). Tribunal Superior do Trabalho. Ac. 2ª T. Proc. RR 217791/95.3, j. 10.9.2003, Rel. Juiz Conv. André Luis Moraes de Oliveira, Revista LTr, São Paulo, 67-10/1249, Out. 2003.

Brasileiro, M. & Freitas, M. I. F. F. (2006). Representações Sociais sobre a Aids de pessoas acima de 50 anos de idade, infectadas pelo HIV. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(5), 789-795.

Colomby, R. K. (2016). Antes e depois do diagnóstico: o trabalho na história de pessoas que vivem com HIV. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Colomby, R. K. & Costa, S. G. (2017). No mundo do trabalho: uma retrospectiva das conquistas de direitos das pessoas que vivem com HIV. Anais do Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, PR, Brasil, VI.

Cordeiro, I. D. & Pinto, A. P. (2008). Aids e deficiências: os direitos humanos como interface. In: Brasil. Ministério da Saúde. (Org.). Direitos humanos e HIV/AIDS: avanços e perspectivas para o enfrentamento da epidemia no Brasil (pp. 97-112). Brasília: Ministério da Saúde.

Coutinho, M. L. P. (2006). Discriminação no trabalho: mecanismos de combate e de promoção da igualdade de oportunidades. Genebra: OIT.

Davel, E.; Vergara, S. C.; Ghadiri, D. P. (2007). Administração com arte: papel e impacto da arte no processo de ensino-aprendizagem. In: E. Davel, S. C. Vergara & D. P. (Orgs.). Administração com arte: experiências vividas de ensino-aprendizagem (pp. 13-26). São Paulo: Atlas.

Freitas, J. G., Galvão, M. T. G., Araujo, M. F. M., Costa, Ê, Lima, I. C. V. (2012). Enfrentamentos experienciados por homens que vivem com HIV/Aids no ambiente de trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(3), 720-726.

Dejours, C. (2004). Avant-propos para a edição brasileira. In. Lancman, S. & Sznelwar, L. I (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 15-21). Rio de Janeiro: Fiocruz/Brasília: Paralelo 15.

Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (2000). Handbook of qualitative research. London: Sage.

Ferreira, R. C. M. & Figueiredo, M. A. C. (2006). Reinserção no mercado de trabalho. Barreiras e silêncio no enfrentamento da exclusão por pessoas com HIV/AIDS. Medicina, 39(4), 591-600.

Flick, W. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

Foucault, M. (2002). The birth of social medicine. In: Faubion. J. (Ed.). Power: essencial works of Foucault 1954-1984. v. 3 (pp. 134-155). London: Penguin Books.

Garrido, B. P., Paiva, V., Nascimento, V. L., Sousa, B. J., & Santos, S. J. N. (2007). Aids, estigma e desemprego: implicações para os serviços de saúde. Revista de. Saúde Pública, 41(supp.2), 72-79.

Giddens, A. (2002). Sociologia. Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (2006). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Goffman, E. (2008). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada (4a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Goliot-Lété, A. & Vanoye, F. (2015). Précis d'analyse filmique (4e éd.). Paris: Armand Colin.

Herzlich, C. & Pierret, J. (1988). Une maladie dans l'espace publique. Le Sida dans six quotidiens Français. Annales. Économie, Societé, Civilisations, 43(5), 1109-11134.

Kauffmann, S. & Oliveira, M. R. S. (2005). HIV/AIDS no ambiente de trabalho: prevenção ou discriminação? Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, XXIX.

Kerr, L., Kendall, C., Guimarães, M. D. C., Salani Mota, R., Veras, M. A., Dourado, I., Maria de Brito, A., Merchan-Hamann, E., Pontes, A. K., Leal, A. F., Knauth, D., Castro, A. R. C. M., Macena, R. H. M., Lima, L. N. C., Oliveira, L. C., Cavalcantee, M. D. S., Benzaken, A. S., Pereira, G., Pimenta, C., Pascom, A. R. P., Bermudez, X. P. D., Moreira, R. C., Brígido, L. F. M., Camillo, A. C., McFarland, W., & Johnston, L. G. (2018). HIV prevalence among men who have sex with men in Brazil: results of the 2nd national survey using respondent-driven sampling. Medicine, 97(supp.1), S9-S15.

Lancman, S. (2004). O mundo do trabalho e a psicodinâmica do trabalho. In: Lancman, S. & Sznelwar, L. I. (2004). (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 23-34). Rio de Janeiro: Fiocruz/Brasília: Paralelo 15.

Leite, N. P., Amaral, I. G., Freitas, A. D. G., & Alvarenga, M. A. (2012). Projetos educacionais e estudos observacionais em análise fílmica: qual o status de produção no Brasil? Revista de Gestão e Projetos, 3(3), 215-250.

Louzada, S. S. S. (2011). Revisitando a história da epidemia da Aids: o fenômeno da feminização. Revista Ethnic – Revista Brasileira de Estudos Interculturais, 8(15), 23-39.

Maldonado, G. C., Terra Júnior, O. N., Arnóbio, A., Alfradique, G. R., Ornellas, M. H., & Lima, D. B. (2015). Estudo clínico de sarcoma de Kaposi em pacientes com HIV. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, 14, 36-41.

Medeiros, R. & Queiroz, M. F. (2002). O uso do direito pelo movimento social. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. O outro como um semelhante: direitos humanos e aids (pp. 29-46). Brasília: Ministério da Saúde.

Minayo, M. C. (2004). (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Miranda, A. A. (2008). Aids e cidadania: avanços e desafios na efetivação do direito à saúde de soropositivos. In: Brasil. Ministério da Saúde. (Org.). Direitos humanos e HIV/AIDS: avanços e perspectivas para o enfrentamento da epidemia no Brasil (pp. 9-24). Brasília: Ministério da Saúde.

Miranda, E. M., Rodriguez, V. B. C., & Barros, M. J. F. (2015). O filme de animação no ensino de Administração: uma análise do filme Monstros SA. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, Salvador, BA, Brasil, V.

OIT. (2015). Diretrizes para os sindicatos. Como utilizar o repertório de recomendações práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o mundo do trabalho e seu manual de capacitação. Brasília: OIT.

OIT. (2010a). Recomendação 200: Recomendação sobre o HIV e a AIDS e o mundo do trabalho. Anais da Conferência Internacional do Trabalho, Genebra, Suiça, 9a.

OIT. (2010b). Repertório de recomendações práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o mundo do trabalho. Organização Internacional do Trabalho, Programa da OIT sobre HIV/AIDS e o Mundo do Trabalho (3a ed.). Brasília: OIT

Oltramari, A. P. & Lopes, F. T. (2016). Cinema, trabalho, organizações e sociedade: possibilidades e formação em Administração. Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, Porto Alegre, RS, Brasil, IV.

Padoin S. M. M. (1999). Em busca do estar melhor do ser – familiar e do ser – com AIDS. In: Prochnow, A. G. (Org.). Diabetes e AIDS: a busca do estar melhor pelo cuidado de enfermagem (pp. 100-208). Santa Maria: Pallotti.

Parker, R. & Aggleton, P. (2001). Estigma, discriminação e AIDS. Rio de Janeiro: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS.

Parker, R. & Camargo Jr., K. R. (2000). Pobreza e HIV/AIDS: aspectos antropológicos e sociológicos. Cadernos de Saúde Pública, 16(supp.1), S89-S102.

Pascual, A. Preconceito e discriminação: violências não visíveis contra os portadores de HIV/aids no Brasil. Direitos Humanos. In: In: Brasil. Ministério da Saúde. (Org.). Direitos humanos e HIV/AIDS: avanços e perspectivas para o enfrentamento da epidemia no Brasil (pp. 25-32). Brasília: Ministério da Saúde.

Richardson, R. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Seidl, E. M. F. & Machado, A. C. A. (2008). Bem-estar psicológico, enfrentamento e lipodistrofia em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Psicologia em Estudo, 13(2), 239-247.

Schaurich, D. & Padoin, S. M. M. (2004). Do cuidado da mulher: questões de gênero e sua incorporação no contexto do HIV/AIDS. Revista de Enfermagem, 8(1), 101-108.

Sousa, A. I. A. & Pinto Júnior, V. L. (2016). Carga viral comunitária do HIV no Brasil, 2007-2011: potencial impacto da terapia antirretroviral (HAART) na redução de novas infecções. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19(3), 582-593.

Souza, H. (1994). A cura da AIDS. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Tancredi, M. V., Silva, M. H., Pimentel, S. R., Silva, T. S. B., Ito, S. M. A., Golub, J. E., & Toscano, A. L. C. (2017). Prevalência de sarcoma de Kaposi em pacientes com aids e fatores associados. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26(2), 379-387.

UNAIDS. (2017). Estatísticas. Resumo informativo – dia mundial contra a AIDS 2017. Recuperado em 19 maio, 2018, de: https://unaids.org.br/estatisticas/..

Vanoye, F. & Goliot-Lété, A. (2002). Ensaio sobre a análise fílmica (2a ed.). Campinas: Papirus.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Weil, D. & Goldman, T. (2016). Labor standards, the fissured workplace, and the on-demand economy. Perspectives on Work, 20, 26-30.

Publicado
2019-02-09
Seção
Provocações