COMPARABILIDADE DAS INFORMAÇÕES EM IFRS:

UMA ANÁLISE CROSS-COUNTRY DE ATIVOS FLORESTAIS

Autores

  • Deyvison de Lima Oliveira Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Sílvio Hiroshi Nakao Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FEA-RP/USP)
  • Ilírio José Rech Universidade Federal de Goiás (UFG)

Palavras-chave:

Escolhas, Divulgação, Relatório Financeiro, Florestas, Comparabilidade

Resumo

A comparabilidade da informação financeira é uma das características qualitativas previstas nos padrões internacionais. Estudos têm sinalizado que essa característica pode estar ausente até entre entidades de um mesmo segmento ou com um mesmo tipo de ativo, em função das escolhas contábeis permitidas pelas normas de contabilidade. Assim, a presente pesquisa tem o objetivo de analisar a comparabilidade das escolhas contábeis entre semelhantes na evidenciação de ativos florestais. Os dados foram coletados manualmente das demonstrações financeiras e notas explicativas em dois períodos (48 relatórios), de três países da América Latina (Brasil, Argentina e Chile). A metodologia usada foi a análise de conteúdo para cada escolha contábil evidenciada nas demonstrações financeiras e notas explicativas. Os resultados sinalizam reduzido grau de comparabilidade da informação financeira, especialmente, em função da ausência de informações sobre cada escolha ao longo do tempo. Verificou-se diversidade de opções adotadas pelas empresas para apresentação das florestas e dos ganhos/perdas divulgados nas demonstrações financeiras. As limitações na comparabilidade da informação financeira entre entidades que operam ativos idênticos sob IFRS, ancoradas na excessiva generalidade na norma, sugerem a necessidade de aprimoramentos no padrão IAS 41.

Biografia do Autor

Deyvison de Lima Oliveira, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Pós-doutor em Contabilidade (FEA-RP/USP), doutor em Administração (EA/PPGA/UFRGS), Instituição: Universidade Federal de Rondônia, Campus de Vilhena, ORCID e endereço: Av. 02, Rotary Clube, n° 3756, Setor 10, Jardim Social CEP: 76980-658 – Vilhena, RO, Brasil, telefone: 69 3316-4501 e e-mail: deyvilima@gmail.com.

https://orcid.org/0000-0001-6984-6520

Sílvio Hiroshi Nakao, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FEA-RP/USP)

Doutor em Contabilidade e Controladoria pela Universidade de São Paulo, Instituição: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FEA-RP/USP), ORCID e endereço: Av. Bandeirantes, 3900, CEP 14040-905, Ribeirão Preto, SP, Brasil, telefone: 16 981141138 e e-mail: shnakao@usp.br.

https://orcid.org/0000-0003-3976-8407 

Ilírio José Rech , Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo (USP), Instituição: Universidade Federal de Goiás (UFG), ORCID e endereço: Rua Samambaia, s/n - Chácaras Califórnia, CEP 74001-970, Goiânia, GO, Brasil, telefone: 62 99285 2992 e e-mail: ilirio.jose@ufg.br.

https://orcid.org/0000-0001-7027-737X

Referências

Acuña, E., Pinto, A., Cancino, J., & Sandova, S. (2020). Fair value of standing timber in the context of IAS 41 implementation: a case study with pinus radiata. Ciencia Florestal, 30(4), 1217–1229. https://doi.org/10.5902/1980509824460

Almeida, N. S. de, & Lemes, S. (2019). Determinants of accounting choice: do CFOs’ characteristics matter? Management Research Review, 43(2), 185–203. https://doi.org/10.1108/MRR-02-2019-0076

Argilés-Bosch, J. M., Miarons, M., Garcia-Blandon, J., Benavente, C., & Ravenda, D. (2018). Usefulness of fair valuation of biological assets for cash flow prediction. Revista Espanola de Financiacion y Contabilidad, 47(2), 157–180. https://doi.org/10.1080/02102412.2017.1389549

Argilés, J. M., Blandón, J. G., & Teresa, M. (2011). Fair value versus historical cost-based valuation for biological assets: predictability of financial information. Revista de Contabilidad - Spanish Accounting Review, 14(2), 87–113.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (L. A. Reto (trans.)). Edições 70.

Barros, C. D. C., De;, S. J. V., Araújo, A. O., Silva, J. D. G. D., & Silva, M. C. D. (2012). O impacto do valor justo na mensuração dos ativos biológicos nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade Do Mestrado Em Ciências Contábeis Da UERJ., 17(3), 41–59.

Bohušová, H., Svoboda, P., & Nerudová, D. (2012). Biological assets reporting: Is the increase in value caused by the biological transformation revenue? Agricultural Economics (Czech Republic), 58(11), 520–532.

Bolsa de Santiago. (2021). Bolsa de valores. https://www.bolsadesantiago.com

Botinha, R. A., & Lemes, S. (2017). Comparabilidade das escolhas contábeis em propriedades para investimentos de empresas listadas na BM&FBOVESPA e NYSE. Contabilidade, Gestão e Governança, 20(1), 113–132. https://doi.org/10.21714/1984-3925_2017v20n1a7

Budrionyte, R., & Gaizauskas, L. (2018). Historical cost vs fair value in forest accounting: the case of Lithuania. Entrepreneurship and Sustainability Issues, 6(1), 60–76.

Cairns, D., Massoudi, D., Taplin, R., & Tarca, A. (2011). IFRS fair value measurement and accounting policy choice in the United Kingdom and Australia. The British Accounting Review, 43(1), 1–21. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1016/j.bar.2010.10.003

Carvalho, F. S. de, Paulo, E., Sales, I. C. H., & Ikuno, L. M. (2013). Ativos biológicos: evidenciação das empresas participantes do Ibovespa. Custos e @gronegócio Online, 9(3), 106–130.

Cavalheiro, R. T., Gimenes, R. M. T., & Binotto, E. (2019). As escolhas contábeis na mensuração de ativos biológicos estão associadas ao perfil do profissional contábil? Sociedade, Contabilidade e Gestão, 5(Especial), 118–132.

Cavalheiro, R. T., Gimenes, R. M. T., Binotto, E., & Fietz, C. R. (2019). Fair value of biological assets: an interdisciplinary methodological proposal. Revista de Administração Contemporânea, 23(4), 543–563. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019180254

Colla, P. E. B., Klein, S. B., & Zanchet, A. (2019). Escolhas contábeis referentes a ativos intangíveis: uma categorização por intermédio do CPC 04. XIII Congresso ANPCONT.

CPC 26 (R1) - Apresentação das Demonstrações Contábeis, (2011). http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/312_CPC_26_R1_rev 13.pdf

CVM. (2021). Cias Abertas: Documentos: Formulário de Demonstrações Financeiras Padronizadas (DFP). http://dados.cvm.gov.br/dataset/cia_aberta-doc-dfp

Ducati, E., Ferreira, L. F., & Araujo, A. R. M. de. (2019). Ativos biológicos: um estudo sobre a aplicabilidade do CPC 29 em sociedades cooperativas. Custos e @gronegócio Online, 15(2), 439–464.

Economia, A. (2019). Estas son las 500 Empresas más Grandes de Chile 2019. https://www.americaeconomia.com/negocios-industrias/estas-son-las-500-empresas-mas-grandes-de-chile-2019

FAO. (2021). FAO - Global Forest Resources Assessment. FRA 2020 - Data Export - Forest Extent, Characteristics and Changes. https://fra-data.fao.org/SA/fra2020/forestCharacteristics/

Fields, T. D., Lys, T. Z., & Vincent, L. (2001). Empirical research on accounting choice. Journal of Accounting and Economics, 31(1–3), 255–307. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00028-3

Figueira, L. M., & Ribeiro, M. de S. (2015). Análise da evidenciação sobre a mensuração de ativos biológicos: antes e depois do CPC 29. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(26), 73–98. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n26p73

Ganassin, E. J. F., Rodrigues, F. F., & Borges, T. J. G. (2016). Mensuração de ativos biológicos e a observância do IAS 41 na América do Sul. Custos e @gronegócio Online, 12(2), 333–351.

Giertliova, B., Dobsinska, Z., & Sulek, R. (2017). Comparison of the forest accounting system in Slovakia and IAS 41. Austrian Journal of Forest Science, 134(SI), 1–21.

Gonçalves, R., Lopes, P., & Craig, R. (2017). Value relevance of biological assets under IFRS. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 29, 118–126. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.intaccaudtax.2017.10.001

Grege-Staltmane, E. (2010). Challenges in accounting the forests - a Latvian case study. Annals of Forest Research, 53(1), 51–58.

Hadiyanto, A., Puspitasari, E., & Ghani, E. K. (2018). The effect of accounting methods on financial reporting quality. International Journal of Law and Management, 60(6), 1401–1411. https://doi.org/10.1108/IJLMA-03-2017-0022

He, L. (2020). Discount rate behaviour in fair value reporting. Journal of Behavioral and Experimental Finance, 28, 1–4. https://doi.org/10.1016/j.jbef.2020.100386

He, L. Y. (Colly), Wright, S., & Evans, E. (2021). The impact of managerial discretion on fair value information in the Australian agricultural sector. Accounting and Finance, 61(S1).

Herbohn, K., & Herbohn, J. (2006). International Accounting Standard ( IAS ) 41: what are the implications for reporting forest assets? Small-Scale Forest Economics, Management and Policy, 5(2), 175–189. https://doi.org/10.1007/s11842-006-0009-1

Huffman, A. (2018). Asset use and the relevance of fair value measurement: evidence from IAS 41. Review of Accounting Studies, 23(4), 1274–1314. https://doi.org/10.1007/s11142-018-9456-0

IASB. (2009). International Accounting Standard 41 - Agriculture (p. 8). IASB. http://ec.europa.eu/internal_market/accounting/docs/consolidated/ias41_en.pdf

IASB. (2018). Conceptual Framework for Financial Reporting IFRS ® Conceptual Framework (I. A. S. B. (IASB) (ed.); Issue March). IASB.

IASB, I. A. S. B. (2013). Exposure Draft and comment letters—Agriculture: Bearer Plants (Proposed amendments to IAS 16 and IAS 41). https://www.ifrs.org/projects/completed-projects/2014/agriculture-bearer-plants/exposure-draft-agriculture-bearer-plants/

Iba, I. B. de Á. (2019). Relatório 2019. https://iba.org/datafiles/publicacoes/relatorios/iba-relatorioanual2019.pdf

Investing.com. (2021). Investing.com. Argentina. https://br.investing.com/equities/argentina

Kim, Y. S. (2020). The effect of consistency in accounting choices on financial statement comparability: Evidence from South Korea. Global Business and Finance Review, 25(3), 19–33. https://doi.org/10.17549/gbfr.2020.25.3.19

Lento, C., Bujaki, M., & Yeung, W. H. (2018). Auditing estimates in financial statements: a case study of a fish farm’s biological asset. Accounting Perspectives, 17(3), 453–462. https://doi.org/10.1111/1911-3838.12179

Liao, L., Yao, D. (Troy), Kang, H., & Morris, R. D. (2020). The impact of legal efficacy on value relevance of the three-level fair value measurement hierarchy. Pacific Basin Finance Journal, 59(December 2019), 1–20. https://doi.org/10.1016/j.pacfin.2019.101259

Lourenço, I. C., Sarquis, R., Branco, M. C., & Magro, N. (2018). International Differences in Accounting Practices Under IFRS and the Influence of the US. Australian Accounting Review, 28(4), 468–481. https://doi.org/10.1111/auar.12207

Macedo, V. M., Campagnoni, M., & Rover, S. (2015). Ativos biológicos nas companhias abertas no Brasil: conformidade com o CPC 29 e associação com características empresariais. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(3), 7–24.

Machado, M. J. de C., Martins, E. A., & Carvalho, L. N. (2014). Reliability in fair value of assets without an active market. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(3), 319–338.

Maruli, S., & Farahmita, A. (2011). The analysis of application of fair value and historical cost approaches in the valuation of biological assets in the agricultural companies. Asia Pacific Journal of Accounting and Finance, 1(2), 133–149.

Monico, A. S., Silva, D. C. da, Arruda, A. G. S., & Lima, E. M. (2020). Análise do nível de conformidade dos ativos biológicos nas empresas de capital aberto. Custos e @gronegócio Online, 16(1), 222–249.

Nogueira, D. R., & Pires, P. A. da S. (2017). Nível de disclosure do CPC 29 Ativos Biológicos: análise dos fatores determinantes nas companhias brasileiras. Contabilidade, Gestão e Governança, 20(1), 38–54.

Oliveira, D. de L., & Oliveira, G. D. (2019). Contabilidade rural: uma abordagem do agronegócio dentro da porteira (4th ed.). Juruá Editora.

Oliveira, D. de L., & Oliveira, G. D. (2020a). CPCs em Questão: Contabilidade Societária Geral e Avançada - Volume 1. Brazil Publishing.

Oliveira, D. de L., & Oliveira, G. D. (2020b). CPCs em Questão: Contabilidade Societária Geral e Avançada - Volume 2. Brazil Publishing.

Oliveira, D. de L., Scarmocin, L. F., & Silva, R. L. M. da. (2020). Contabilidade de ativos biológicos no Brasil: análise do campo de conhecimento uma década após a edição do CPC 29. Revista Do Mestrado Em Ciências Contábeis Da UERJ, 25(3), 133–154.

Oliveira, J. da S., Azevedo, G. M. do C., Santos, C. da S. A., & Vasconcelos, S. C. S. (2015). Fair value: model proposal for the dairy sector. Agricultural Finance Review, 75(2), 230–252.

Ortiz, T. S. P., & Oliveira, D. de L. (2020). Reconhecimento e mensuração de plantas portadoras em florestas de pinus imaturas ao custo histórico. Custos e @gronegocio Online, 16(3), 214–247.

Pereira, R. Q., Moreira, L. V. M., Nasu, V. H., Flores, E., & Martins, E. (2020). Análise da utilidade da mensuração a valor justo dos ativos florestais sob a ótica de preparadores das demonstrações financeiras. Custos e @gronegocio Online, 16(1), 47–78.

Pinto, M. J. T., Martins, V. A., & Da Silva, D. M. (2015). Escolhas contábeis: o caso brasileiro das Propriedades para Investimento. Revista Contabilidade e Financas, 26(69), 274–289. https://doi.org/10.1590/1808-057x201512280

Rabassi, R. S., Aurora, B. N., Luis, R. W., Albuquerque, A. A. De, & Luis, R. W. (2020). Valoração de ativo biológico a valor justo: impactos na tomada de decisão em empresas agroindustriais. Custos e @gronegócio on Line, 16(1), 2–25.

Raluca, S. (2014). Accounting for biological assets. Revista Economică, 66(5), 101–111.

Salotti, B. M., & Santos, A. dos. (2015). Ativos biológicos na DVA: análise da divulgação no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 9(23), 14–23.

Scherch, C. P., Nogueira, D. R., Olak, P. A., & Cruz, C. A. (2013). Nível de conformidade do CPC 29 nas empresas brasileiras: uma análise com as empresas de capital aberto. RACE - Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 12(2), 459. https://doi.org/10.18593/race.v12i2.4826

Silva, D. M. da, Martins, V. A., & Lemes, S. (2016). Escolhas contábeis: reflexões para a pesquisa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(29), 129–156.

Silva, R. L. M., Figueira, L. M., Pereira, L. T. O. A., & Ribeiro, M. S. (2013). CPC 29: Uma análise dos requisitos de divulgação entre empresa de capital aberto e fechado do setor de agronegócios. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(1), 26–49.

Stárová, M., Čermáková, H., Hlavsa, T., Vostrovská, H., & Levá, M. (2016). Evaluation of applicability of IAS 41 - Agriculture to the valuation of growing forest stands and their accounting treatment in the Czech Republic. Journal of Forest Science, 62(9), 429–440.

Talaska, A., & Oliveira, D. de L. (2016). Nível de disclosure de ativos biológicos nas empresas listadas na BM&FBOVESPA: análise pós-adoção do valor justo. Revista de Contabilidade Do Mestrado Em Ciências Contábeis Da UERJ (Online), 21(3), 22–39. https://doi.org/10.12979/22942

Tang, Q., Gao, P., & Fu, G. (2013). Research on information disclosure of biological assets of agricultural listed company in China. Interdisciplinary Journal of Contemporary Research in Business, 4(11), 12–24.

Theiss, V., Utzig, M. J. S., Varela, P. S., & Beuren, I. M. (2014). Práticas de divulgação dos ativos biológicos pelas companhias listadas na BM&FBOVESPA. Recont: Registro Contábil, 5(3), 41–58.

Tortoli, J. P., Pires, P. A. da S., Botelho, D. R., & Rech, I. J. (2018). Divulgação de ativos biológicos e concentração acionária nas empresas brasileiras do agronegócio. Revista de Contabilidade e Organizações, 12(e144885), 1–18. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2018.144885

Xie, B., Liu, M., Randhi, T. O., & Yi, Y. (2020). Is the biological assets measured by historical cost value-related? Custos e @gronegocio Online, 16(1), 122–150.

Xie, B., Wang, G., & Wang, S. (2019). Does biological assets affect the firms’ cost of debt capital? evidence from chinese listed agriculture firms. Custos e @gronegocio Online, 15(2), 22–47.

Zinkeviciene, D., Stonciuviene, N., Juociuniene, D., & Jakusonoka, I. (2019). Depreciation of animals and economic return: case study. Management Theory and Studies for Rural Business and Infrastructure Development, 41(2), 213–227.

Publicado

2023-07-05

Como Citar

OLIVEIRA, D. de L.; HIROSHI NAKAO, S.; JOSÉ RECH , I. COMPARABILIDADE DAS INFORMAÇÕES EM IFRS: : UMA ANÁLISE CROSS-COUNTRY DE ATIVOS FLORESTAIS . Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 34, n. 1, p. 123–160, 2023. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/7563. Acesso em: 1 out. 2023.