EFICIÊNCIA RELATIVA DE UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS NAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Autores

  • Franciane de Oliveira Alvarenga Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ
  • Pierre Ohayon Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v32i2.5963

Palavras-chave:

Análise por Envoltória de Dados, Universidades Federais, Ensino, Pesquisa e Extensão, Eficiência Relativa

Resumo

Objetivou-se avaliar o nível de eficiência relativa de Universidades Federais Brasileiras nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, uma vez que elas impulsionam o crescimento socioeconômico, fazendo-se necessário que os gastos públicos sejam feitos de forma eficiente, atentando-se à produtividade. Para isso, utilizou-se a técnica Análise por Envoltória de Dados. A pesquisa é caracterizada como descritiva e de abordagem quantitativa, sendo composta por 34 universidades federais brasileiras, adotando-se uma análise longitudinal entre os anos de 2013 e 2017. Para as atividades de ensino, observou-se que nove universidades apresentaram eficiência total ao longo do período analisado, sendo que 2014 foi o ano que apresentou os piores níveis de eficiência e 2016 o melhor. Já para as atividades de pesquisa, os resultados apontaram que nove universidades foram 100% eficientes ao longo do período de análise, apontando que 2014 foi o pior ano (com menores níveis de eficiência) e 2017 o melhor. Por fim, em relação às atividades de extensão, os resultados mostram que as universidades têm mais dificuldades para se manterem totalmente eficientes, visto que apenas três universidades são consideradas 100% eficientes em relação ao grupo de análise nos anos compreendidos, apontando que 2014 foi o ano que as universidades tiveram melhores níveis de eficiência e 2017 o pior ano.  Sabendo que a missão das universidades é realizar atividades de ensino, pesquisa e extensão, observou-se que apenas a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre se mantiveram 100% eficientes em todas as atividades em conjunto e nos anos analisados.

Biografia do Autor

Franciane de Oliveira Alvarenga, Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Doutora em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Professora na Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ

Pierre Ohayon, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutor em Administração pela Universidade de São Paulo – USP. Professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

Referências

Ahn, T. S. (1987). Efficiency and related issues in higuer education: a data envelopment analysis approach. Tesis Doctoral - University of Texas at Austin, Austin.

Arretche, M. (1999). Tendências no estudo sobre avaliação. In: RICO, E. M. (Org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cortez.

Avkiran, N. K. (2001). Investigating technical and scale efficiencies of Australian universities through data envelopment analysis. Socio Economic Planning Sciences, Elsevier, 35(3), 57-80.

Banker, R. D., Charnes, A. & Cooper, W. W. (1984). Some models for estimation technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, Providence, 30 (9), 1078-1092.

Baracho, M. A. P. (2000). A importância da gestão de contas públicas municipais sob as premissas da governance e accountability. Revista Tribunal de Contas de Minas Gerais, Belo Horizonte, 34(1), 129-16.

Barros, R. P; Henriques, R. & Mendonça, R. (2002). Pelo fim das décadas perdidas: educação e desenvolvimento sustentado no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA.

Belloni, J. A. (2000). Uma metodologia de avaliação da eficiência produtiva de universidades federais brasileiras. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção – Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Bertassi, A. L. (2016). Controladoria estratégica governamental aplicada ao poder executivo: uma contribuição teórica. Tese de Doutorado em Administração – Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva.

Brasil. (2001). Decreto nº 3.860, de 9 de julho de 2001. Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 25 out 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3860.htm

Brasil. (2008). Decreto nº 6.495, de 30 de junho de 2008. Institui o Programa de Extensão Universitária - PROEXT. Brasília, 2008. Recuperado em 25 out 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6495.htm

Brasil. (2011). Lei nº 12.527, de 18 de Novembro de 2011. Lei de Acesso à Informação. Brasília, 2011. Recuperado em 25 out 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm

Brasil. (2017). Ministério da Educação. Cursos e Instituições. Brasília. Recuperado em 24 set 2017 de http://portal.mec.gov.br/pec-g/cursos-e-instituicoes

Bresser-Pereira L. C. (1999). Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista do Serviço Público, Brasília, 50 (4), 5-29.

Cândido Junior, O.J. (2001). Os gastos públicos no Brasil são produtivos? Planejamento e políticas públicas. Brasília: IPEA, n. 23, jun. 2001. Recuperado em 31 maio 2018 de https://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/viewFile/77/88

Casa Nova, S. P. C. (2002). Utilização da Análise por Envoltória de Dados (DEA) na análise de demonstrações contábeis. Tese de Doutorado em Contabilidade e Controladoria – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Castano, M. C. N. & Cabanda, E. C. (2007). Performance evaluation of the efficiency of Philippine Private Higher Educational Institutions: application of frontier approaches. International Transactions In Operational Research, Wiley-Blackwell, 14, 431-444.

Castro, L. M. C. (2004). A universidade, a extensão universitária e a produção de conhecimentos emancipadores. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd. Recuperado em 31 maio 2018 de http://27reuniao.anped.org.br/gt11/ t1111.pdf

Charnes, A.; et al. (1994). Data Envolopment Analysis: theory, methodology and applications. USA, Kluwer Academic Publishers.

Charnes, A., Cooper, W. W. & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision-making units. European Journal of Operational Research, Amsterdam, 2(6), 429-444.

Chaves, D. C. R. (2009). A universidade empreendedora do séc. XXI: o papel estratégico da propriedade industrial. Dissertação de Mestrado em Sociologia - Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Chen, T.,Yeh, T. & Chung, M. (2012). Financial performance of township governments and its four budget cycles. African Journal of Business Management, 6 (2), 530-537.

Coelli, T., Rao, D., O’Donnell, C. & Battese, G. (2005). An introduction to eficiency and productivity analysis. 2. ed. Berlin: Springer.Colin, E. C. (2007). Pesquisa Operacional: 170 aplicações em estratégia, finanças, logística, produção, marketing e vendas. Rio de Janeiro: LTC.

Cook, W. D. & Zhu, J. (2008). Data envelopment analysis: modeling operational processes and measuring productivity. Dordrecth: Kluwer Academic Publishers.

Corbucci, P. R. (2000). As universidades federais: gasto, desempenho, eficiência e produtividade. Brasília: Ipea.

Corbucci, P. R. (2007). Desafios da educação superior e desenvolvimento no Brasil. Brasília: IPEA.

Costa, E. M., Ramos, F. S. & Souza, H. R. (2010). Mensuração de Eficiência Produtiva das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes). Finanças públicas – XV Prêmio Tesouro Nacional. Recuperado em 10 out 2015 de http://www3.tesouro.fazenda.gov.br/Premio_TN/XVPremio/qualidade/2qualidadeXVPTN/Tema_2_2.pdf

Costas, R. & Bordons, M. (2007). The h-index: Advantages, limitations and its relation with other bibliometric indicators at the micro level. Journal of Informetrics, Amsterdam, 1, 193-203.

Cruz, I. B. (2004). A Experiência do TCU com Indicadores de Gestão das IFES. Seminário Diálogo Público – TCU: Brasília.

Curi, M. A. (2015). Eficiência de universidades federais no uso de recursos renováveis. Tese de Doutorado em Administração – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Daraio, C. & Simar, L. (2007). Advanced Robust and Nonparametric Methods in Efficiency Analysis: methodology and applications. New York: Springer Science & Business Media.

Debreu, G. (1951). The coefficient of resource utilization. Econometrica, New York, 19(3), 273-292.

Dufrechou, P. A. (2016). The efficiency of public education spending in Latin America: A comparison to high-income countries. International Journal of Educational Development, Elservier, 49, 188-203.

Farrell, M. J. (1957). The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society, Londres, 120(3), 253-290, A, III.

Ferreira, C. M. C. & Gomes, A. P. (2012). Introdução à análise envoltória de dados: teoria, modelos e aplicações. Viçosa: UFV.

Fuentes, R., Fuster, B. & Lillo-Bañuls, A. (2016). A three-stage DEA model to evaluate learning-teaching technical efficiency: Key performance indicators and contextual variables. Expert Systems With Applications, Elservier, 48, 89-99.

Golany, B. & Roll, Y. (1989). An application procedure for DEA. Omega – International Journal of Management Science, Elservier, 17(3), 237-250.

Gomes, J. A.V. (2016). Eficiência do gasto público em educação superior: um estudo sobre as universidades federais do estado de Minas Gerais. Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2016.

Gomes, A. P. & Baptista, A. J. M. S. (2004). Análise envoltória de dados. In: Santos, M. L. & Vieira, W. C. (Eds.). Métodos quantitativos em economia. Viçosa: UFV.

Haynes, E. K. & Dinc, M. (2005). Data Envelopment Analysis (DEA). In: KEMPFLEONARD, K. (Ed.). Encyclopedia of social measurement. (v. 1). New York: Elsevier, p. 609-616.

Hsu, F. & Hsueh, C. (2009). Measuring relative efficiency of government-sponsored R&D projects: a three-stage approach. Evaluation and Program Planning, Oxford, 32 (2), 178-186.

Koopmans, T. C. (1951). Analysis of production as an efficient combination of activities. Nova York: Wiley.

Kozyreff Filho, E. & Milioni, A. Z. (2004). Um método para estimativa de metas DEA. Revista Produção, São Paulo, 14(2), 270-281.

Lapa, J. S., Belloni, J. A. & Neiva, C. C. (1997). Medida de desempenho de unidades acadêmicas de uma instituição de ensino superior. Florianópolis: UFSC.

Lapa, J. S. & Neiva, C. C. (1996). Avaliação em Educação: comentários sobre desempenho e qualidade. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, 4(12), 213-236.

Lins, M. P. E. & Meza, L. A. (2000). Análise envoltória de dados e perspectivas de integração no ambiente de apoio à decisão. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2007). Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Marinho, A. & Cardoso, S. S. (2007). Avaliação da eficiência técnica e da eficiência de escala do sistema nacional de transplantes. Texto para discussão n. 1260. Rio de Janeiro: IPEA.

Marini, C. & Martins, H. (2004). Um Governo Matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento, IX Congresso Interamericano do Clad sobre a Reforma do Estado e da Administração Pública, Anais..., Madri.

Martos, E. (2013). O conteúdo jurídico do princípio da eficiência no direito financeiro. Dissertação de Mestrado em Direito – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mello, J. C. C. B. S., Gomes, E. G., Meza, L. A. & Mello, M. H. C. S. (2003). Uma análise da qualidade e da produtividade de programas de pós-graduação em Engenharia. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, 11 (39), 167-179.

Menezes, E. T. & Santos, T. H. (2001). Verbete IQCD (Índice de Qualificação do Corpo Docente). Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo: Midiamix. Recuperado em 08 nov 2019 de https://www.educabrasil.com.br/iqcd-indice-de-qualificacao-do-corpo-docente/

Meyer Júnior, V. (1993). A busca da qualidade nas instituições universitárias. Enfoque, Rio de Janeiro, 10 (set), 18-21.

Moreira, N. P. (2018). Análise espacial e temporal da eficiência relativa em universidades federais brasileiras sob a política pública REUNI. Tese de Doutorado em Administração – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Moreno, A.C. (2018). 90% das Universidades Federais tiveram perda real no orçamento em cinco anos; verba nacional encolheu 28%. G1 Educação, São Paulo, 29 jun. 2018. Recuperado em 08 nov 2019 de https://g1.globo.com/educacao/noticia/90-das-universidades-federais-tiveram-perda-real-no-orcamento-em-cinco-anos-verba-nacional-encolheu-28.ghtml

Mueller, S. P. M. & Perucchi, V. (2014). Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, 19(2),15-36.

Neves, D. S. & Malta; S. C. L. (2014). Ensino, pesquisa e extensão: existem dificuldades docentes no ensino superior para esta integração? Form@re – Revista do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2(1), 2-12.

Nuintin, A. A. (2014) Eficiência da aplicação de recursos públicos nas Universidades Federais. Tese de Doutorado em Administração – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Oliveira, C. E. M. & Turrioni, J. B. (2006). Avaliação de desempenho de Instituições Federais de Ensino Superior através da Análise por Envoltória de Dados (DEA). In: ENEGEP, 26., 2006. Anais... Fortaleza, p. 1-8. Recuperado em 08 nov 2017 de http://www.iem.unifei.edu.br/turrioni/congressos/ENEGEP/2006/Avaliacao_de_desempenho_de_instituicoes_federais_de_ensino_superior_atraves_da_analise_por_envoltoria_de_dados_(DEA).pdf

Ospina, G. L. (1990). Definição de uma agenda para o ensino superior nos anos 90. In: CRUB. Universidade, Estado e Sociedade na década de 90. Brasília.

Petrucci, V. & Schwarz, L. (1999). Administração pública gerencial: a reforma gerencial de 1995. Ensaios sobre a reforma administrativa brasileira no limiar do século XXI. Brasília: UnB.

Pivetta, H. M. F., Backes, D. S., Carpes, A., Battistel, A. L. H. T. & Marchiori, M. (2010). Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária: Em busca de uma integração efetiva. Linhas Críticas, Brasília, 16(31), 377-390.

Revilla, E., Sarkis, J. & Modrego, A. (2003). Evaluating performance of publicprivate research collaborations. Journal Operational Research Society, Oxford, 54 (2), 165-174.

Santos, B. S. (2004). A universidade no século XXI. São Paulo: Cortez.

Severino, A. J. (2006). A avaliação no PNPG 2005-2010 e a política de pós-graduação no Brasil. In: Ferreira, N. S. C. (Org.). Políticas públicas e gestão da educação: polêmicas, fundamentos e análises. Brasília: Líber Livro, 51-74.

Silva, A. A. P., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J. & Abrantes, L. A. (2012). Eficiência na alocação de recursos públicos destinados à educação, saúde e habitação em municípios mineiros. Contabilidade, gestão e governança, Brasília, 15 (1), 96-114.

Sonje, A.; Deskar-Skrbic, M. & Sonje, V. (2018). Efficiency of public expenditure on education: comparing Croatia with other nms. INTED2018 CONFERENCE 5th-7th March 2018. Proceedings... Valencia, Spain, 2317- 2326.

Tavares, M. G. M., Oliveira, M. A. A. & Seiffert, O. M. L. B. (2011). Avaliação da educação superior na revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação: ênfases e tendências. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, 19 (71), 233-258.

Tribunal de Contas da União. (2006). Orientações para o cálculo dos indicadores de gestão: decisão plenária nº 408/2002. Brasília.

Wen-Chih, C., Shu, C. H. & Chih-Wei, L. (2012). Determine product family mix and priority mix for semiconductor fabrication. European Journal of Operational Research, Amsterdam, 2, 6.

Publicado

2021-07-29

Como Citar

ALVARENGA, F. de O.; OHAYON, P. EFICIÊNCIA RELATIVA DE UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS NAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 59-96, 2021. DOI: 10.22561/cvr.v32i2.5963. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5963. Acesso em: 17 set. 2021.