A ADOÇÃO DE HEDGE ACCOUNTING E A PERSISTÊNCIA DOS RESULTADOS DIVULGADOS PELOS BANCOS EM ATUAÇÃO NO MERCADO BRASILEIRO

  • Weven da Silva Viana da Fonseca Feitosa Fucape Business School
  • Fernando Caio Galdi Fucape Business School
  • Andréia Hartwig
Palavras-chave: Hedge Accounting, Resultados, Persistência, Bancos

Resumo

O presente trabalho buscou analisar se o fato de os bancos em atuação no mercado brasileiro adotarem os critérios de avaliação e registro contábil de operações de hedge conforme estabelecidos pela Circular Bacen nº 3.082 é capaz de trazer um aumento na persistência dos seus resultados divulgados. Para tanto, após a apuração das respectivas datas de adoção do Hedge Accounting (HA), os dados foram divididos entre dois momentos: antes e após a adoção de HA. Utilizando diferentes métricas de desempenho foram estimados os coeficientes da regressão de persistência, sendo que, para cada variável dependente (métricas de desempenho), os coeficientes foram estimados para os períodos “com HA” e “sem HA”. Ressalta-se ainda que foi utilizado duas regressões distintas, sendo uma com defasagem de um mês para os dados, e outra considera defasagem de doze meses. Os resultados apontam que os coeficientes dos períodos “com adoção de HA” se mostraram superiores aos de períodos “sem adoção de HA”, indo ao encontro da hipótese desta pesquisa. A única exceção, com relação aos dados com defasagem anual, se deu pelo fato de o Teste T apontar ausência de significância do coeficiente de inclinação alusivo à métrica Resultado líquido para o período sem HA. Diante disto, pode-se sugerir que a adoção de tais critérios por parte dos bancos é capaz de aumentar a persistência dos dados contábeis divulgados.

Biografia do Autor

Weven da Silva Viana da Fonseca Feitosa, Fucape Business School

Mestre em Ciências Contábeis

Fernando Caio Galdi, Fucape Business School

Pós-Doutor em Contabilidade

Referências

Allayannis, G., & Simko, P. J. (2010). Earnings smoothing, analyst following, and firm value. Analyst Following, and Firm Value (August 25, 2010).

Allayannis, G., & Weston, J. P. (2001). The use of foreign currency derivatives and firm market value. The review of financial studies, 14(1), 243-276.

Amaral, C. A. L. V. D. (2003). Derivativos: o que são e a evolução quanto ao aspecto contábil. Revista Contabilidade & Finanças, 14(32), 71-80.

Araujo, C. G., Ikuno, L. M., Paulo, E., & Sales, I. C. H. (2011). Hedge Accounting: Análise da extensão de sua utilização nas empresas brasileiras que compõem o IBRX-100. In 11º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo.

Banco Central do Brasil. Balancetes. Disponível em: < http://www4.bcb.gov.br/fis/cosif/balancetes.asp>. Acesso em: 28 dez. 2015.

Banco Central do Brasil. Circular n. 3.082, de 30/01/2002. Estabelece e consolida critérios para registro e avaliação contábil de instrumentos financeiros derivativos. 2002. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/circ/2002/pdf/circ_3082_v3_L.pdf>. Acesso em: 31 nov. 2015.

Banco Central do Brasil. Informações financeiras trimestrais - IFT. Disponível em: <https://www3.bcb.gov.br/iftimagem/>. Acesso em: 28 dez. 2015.

Banco Central do Brasil. Normas do Sistema Financeiro (COSIF). Disponível em: http://www4.bcb.gov.br/NXT/gateway.dll?f=templates&fn=default.htm&vid=nmsDenorCosif:idvDenorCosif. Acesso em: 28 mai. 2015.

Banco Central do Brasil. Relação de instituições em funcionamento no país (transferência de arquivos). Disponível em: < http://www.bcb.gov.br/?RELINST>. Acesso em: 31 mar. 2015.

Barton, J., Hansen, T. B., & Pownall, G. (2010). Which performance measures do investors around the world value the most—And why?. The Accounting Review, 85(3), 753-789.

Capelletto, L. R., de Oliveira, J. L., & Carvalho, L. N. (2007). Aspectos do hedge accounting não implementados no Brasil. Revista de Administração-RAUSP, 42(4), 511-523.

Carvalho, R. R. (2014). Impactos do IFRS nas atividades de hedge das empresas: evidências para o mercado brasileiro (Doctoral dissertation). FGV, Rio de Janeiro, RJ.

Chiqueto, F. (2014). Hedge accounting no Brasil (Doctoral dissertation). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Climeni, L. A. O., & Kimura, H. (2009). Derivativos financeiros e seus riscos. São Paulo: Atlas.

Darós, L., & Borba, J. (2005). Evidenciação de instrumentos financeiros derivativos nas demonstrações contábeis: uma análise das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 16(39), 68-80. doi:10.1590/S1519-70772005000300006

Dechow, P., Ge, W., & Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of accounting and economics, 50(2-3), 344-401. doi: 10.1016/j.jacceco.2010.09.001

DeMarzo, P. M., & Duffie, D. (1995). Corporate incentives for hedging and hedge accounting. Review of Financial Studies, 8(3), 743-771. doi: 10.1093/rfs/8.3.743

Dichev, I. D., Graham, J. R., Harvey, C. R., & Rajgopal, S. (2013). Earnings quality: Evidence from the field. Journal of Accounting and Economics, 56(2), 1-33. doi: 10.2139/ssrn.2103384

Dodd, R.; Griffith-Jones, S. (2007). Report on derivatives markets: stabilizing or speculative impact on Chile and a comparison with Brazil. Santiago: Cepal e Nações Unidas.

Farhi, M. (1999). Derivativos financeiros: hedge, especulação e arbitragem. Economia e Sociedade, 8(2), 93-114.

Farhi, M., & Borghi, R. A. Z. (2009). Operações com derivativos financeiros das corporações de economias emergentes. Estudos avançados, 23(66), 169-188.

Financial Accounting Standards Board. SFAC no. 2 – Qualitative characteristics of accounting information. Disponível em: <http://www.fasb.org/pdf/con2.pdf>. Disponível em: 06 jun. 2015.

Galdi, F. C., & Guerra, L. F. G. (2009). Determinantes para utilização de Hedge Accouting: uma escolha contábil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(2), 23-44.

Gebhardt, G., & Novotny-Farkas, Z. (2011). Mandatory IFRS adoption and accounting quality of European banks. Journal of Business Finance & Accounting, 38 (3-4), 289-333.

Glaum, M., & Klöcker, A. (2011). Hedge accounting and its influence on financial hedging: when the tail wags the dog. Accounting and Business Research, 41(5), 459-489. doi: 10.1080/00014788.2011.573746

Gurarda, S., Durak, M. G., & Kasman, A. (2016). Value Relevance of Accounting Measures in Pre-and Post-Financial Crisis Periods: Turkey Case. Journal of Finance, Accounting and Management, 7(2), 75.

Hagelin, N., & Pramborg, B. (2004). Hedging foreign exchange exposure: risk reduction from transaction and translation hedging. Journal of International Financial Management & Accounting, 15(1), 1-20.

International Swaps And Derivatives Association - ISDA. End-user Surveys. 2012. Disponível em: <http://www2.isda.org/functional-areas/research/surveys/end-user-surveys->. Acesso em: 01 out. 2015.

Lev, B. (1983). Some economic determinants of time-series properties of earnings. Journal of Accounting and Economics, 5, 31-48. doi:10.1016/0165-4101(83)90004-6

Levitt, A. (1998). The importance of high quality accounting standards. Accounting horizons, 12(1), 79.

Lima, I. S., & Lopes, A. B. (2001). Contabilidade e controle de operações com derivativos. São Paulo: Pioneira.

Lopes, A. B., & Lima, I. S. (2001). Perspectivas para a pesquisa em contabilidade: o impacto dos derivativos. Revista Contabilidade & Finanças, 12(26), 25-41.

Lopes, A. B., & Santos, N. S. D. (2003). A administração do lucro contábil e os critérios para determinação da eficácia do hedge accounting: utilização da correlação simples dentro do arcabouço do sfas nº 133. Revista Contabilidade & Finanças, 14(31), 16-25.

Marques, T. D. O. (2013). O uso de instrumentos financeiros derivativos nos intermediários financeiros listados na BMeFBOVESPA. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Matos, E. B. S., de Rezende, R. B., Paulo, E., de Mendonça Marques, M., & Ferreira, L. O. G. (2013). Utilização de derivativos e hedge accounting nas empresas brasileiras e japonesas negociadas na NYSE. Revista Contabilidade e Controladoria, 5(2).

Niyama, J. K., & Gomes, A. L. O. (2002). Contabilidade de instituições financeiras. São Paulo. Atlas.

Oliveira, A. M. S. Contabilidade internacional: gestão de riscos, governança corporativa e contabilização de derivativos. Editora Atlas SA, 2008.

Oliveira, J. L. A Aplicação e a Evidenciação do Hedge Accounting nas demonstrações contábeis bancos brasileiros em 2002. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. 2003.

Oliveira, M. C., Duarte, H. D. A., Ribeiro, M. D. S., & Sampaio, M. S. A. (2004). Estudo da contabilização e evidenciação de derivativos pelas Instituições Financeiras brasileiras. In Congresso USP de Controladoria e Contabilidade (Vol. 4, pp. 1-15).

Paananen, M., Renders, A., & Shima, K. M. (2012). The amendment of IAS 39: determinants of reclassification behavior and capital Market consequences. Journal of Accounting, auditing & Finance, 27 (2), 208-235.

Panaretou, A., Shackleton, M. B., & Taylor, P. A. (2013). Corporate risk management and hedge accounting. Contemporary Accounting Research, 30(1), 116-139. Recuperado de http://doi.org/10.1111/j.1911-3846.2011.01143.x

Pirchegger, B. (2006). Hedge accounting incentives for cash flow hedges of forecasted transactions. European accounting review, 15(1), 115-135.

Potin, S. A. (2014). Hedge accounting no mercado acionário brasileiro: efeitos na qualidade da informação contábil e disclosure. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, ES.

Potin, S. A., Bortolon, P. M., & Sarlo Neto, A. (2016). Hedge Accounting no Mercado Acionário Brasileiro: Efeitos na Qualidade da Informação Contábil, Disclosure e Assimetria de Informação. Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), 202-216. doi: 10.1590/1808-057x201602430

Rossi Júnior, J. L. (2008). A utilização de derivativos agrega valor à firma? Um estudo do caso brasileiro. Revista de Administração de Empresas, 48(4), 94-106.

Rountree, B., Weston, J. P., & Allayannis, G. (2008). Do investors value smooth performance?. Journal of Financial Economics, 90(3), 237-251.

Saito, R., & Schiozer, R. (2005). Uso de derivativos em empresas brasileiras não-financeiras. Resenha BM&F, (163), 51-58.

Saxena, S., & Villar, A. (2008). Hedging instruments in emerging market economies. Financial globalisation and emerging market capital flows. BIS Papers, (44), 71-87.

Serafini, D. G. (2009). O uso de derivativos da taxa de câmbio e o valor de mercado das empresas: um estudo sobre o pass-through no mercado de ações brasileiro (Doctoral dissertation). FGV, São Paulo.

Silva Neto, L. de A. (2010). Derivativos: definições, emprego e risco (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Silva, A. H. C., & Silva, C. E. D. (2003). O Tratamento Contábil de Instrumentos Financeiros Derivativos no Brasil. Pensar Contábil, 6(19).

Smith, C. W., & Stulz, R. M. (1985). The determinants of firms' hedging policies. Journal of financial and quantitative analysis, 20(4), 391-405.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of accounting and economics, 32(1-3), 97-180. doi: 10.1016/S0165-4101(01)00025-8

Wooldridge, J. M. (2010). Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Yazbek, O. (2007). Regulação do mercado financeiro e de capitais. Rio de Janeiro: Elsevier.

Publicado
2020-02-28
Como Citar
FEITOSA, W. DA S. V. DA F.; GALDI, F. C.; HARTWIG , A. A ADOÇÃO DE HEDGE ACCOUNTING E A PERSISTÊNCIA DOS RESULTADOS DIVULGADOS PELOS BANCOS EM ATUAÇÃO NO MERCADO BRASILEIRO. Contabilidade Vista & Revista, v. 30, n. 3, p. 106-127, 28 fev. 2020.