GÊNERO, ETNIA E RAÇA: DÉBITO OU CRÉDITO NA CONTABILIDADE?

Autores

  • José Luiz Borsatto Junior Universidade Paranaense - UNIPARMestrando em Contabilidade - UNIOESTE
  • Evellyn Danielly Zabotti
  • Maria da Piedade Araújo Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.4954

Palavras-chave:

Gênero, Etnia, Raça, Contabilidade, Discriminação salarial

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo verificar se existe discriminação por gênero e étnico-racial na remuneração de contadores, em cada região geográfica do Brasil. Dados sobre a remuneração dos contadores, oriundos dos microdados da Relação Anual de Informações Sociais de 2014, foram analisados com o uso de estatística descritiva e modelagem econométrica. Para representar cada região, os seguintes estados foram selecionados para esta pesquisa: Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Paraná e São Paulo. Assim, buscou-se explicar o comportamento das remunerações dos contadores por meio das variáveis explicativas: tempo de trabalho, porte de empresa, sexo, cor de pele e grau de instrução. Os principais resultados confirmam a presença de discriminação salarial em função de sexo biológico para as mulheres e em função de cor de pele para os contadores autodeclarados como não brancos. A discriminação por sexo biológico reduz, em média, 28,83% a remuneração das contadoras mulheres. A discriminação por cor de pele reduz a remuneração de homens e mulheres e a combinação cor de pele e sexo feminino deprecia o salário das contadoras autodeclaradas como não brancas, em média, em 45,19%.  Conclui-se que a discriminação salarial por gênero e étnico-racial se faz presente na profissão contábil.  Salienta-se que tal situação das mulheres negras e pardas se agrava, ou seja, a discriminação é ainda maior. Diante desse balanço salarial da profissão contábil, as contas gênero, etnia e raça possuem natureza devedora e os saldos destas contas indicam prejuízo acumulado.

Biografia do Autor

José Luiz Borsatto Junior, Universidade Paranaense - UNIPARMestrando em Contabilidade - UNIOESTE

Mestre em Contabilidade pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Evellyn Danielly Zabotti

Mestra em Contabilidade pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Maria da Piedade Araújo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Economia Aplicada pela Universidade de São Paulo (ESALQ-USP).

Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

Acker, J. (1990). Hierarchies, jobs, bodies: A theory of gendered organizations. Gender & society, 4(2), 139-158. DOI: https://doi.org/10.1177/089124390004002002

Altoé, S. M. L. (2014). Fatores explicativos do work-life balance de contadores à luz da psicologia positiva. (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil). Recuperada de http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/36106

Annisette, M. (2003). The colour of accountancy: examining the salience of race in a professionalisation project. Accounting, Organizations and Society, 28(7), 639-674. DOI: https://doi.org/10.1016/S0361-3682(02)00030-2

Annisette, M., & Prasad, A. (2016). Critical accounting research in hyper-racial times. Critical Perspectives on Accounting. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.06.002

Bonilla-Silva, E. (1997). Rethinking racism: Toward a structural interpretation. American sociological review, 465-480. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.06.002

Bonilla-Silva, E. (1999). The essential social fact of race. American Sociological Review, 64(6), 899-906. DOI: https://doi.org/10.2307/2657410

Brighenti, J., Jacomossi, F., & Silva, M. Z. (2015). Desigualdades de gênero na atuação de Contadores e Auditores no mercado de trabalho Catarinense. Enfoque Reflexão Contábil, 34(2), 109-122. DOI: 10.4025/enfoque.v34i2.27807

Broadbent, J., & Kirkham, L. (2008). Glass ceilings, glass cliffs or new worlds?. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(4), 331-350. DOI: https://doi.org/10.1108/09513570810872888

Cambota, J. N., & Pontes, P.A. (2007). Desigualdade de rendimentos por gênero intra-ocupações no Brasil, em 2004. Revista de Economia Contemporânea, 11(2), 331- 350. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-98482007000200006

Conceição, E. B. (2009). A negação da raça nos estudos organizacionais. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - Anpad, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Duff, A. (2011). Big four accounting firms’ annual reviews: A photo analysis of gender and race portrayals. Critical Perspectives on Accounting, 22(1), 20-38. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2010.05.001

Edgley, C., Sharma, N., & Anderson-Gough, F. (2016). Diversity and professionalism in the Big Four firms: Expectation, celebration and weapon in the battle for talent. Critical Perspectives on Accounting, 35, 13-34. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2015.05.005

Fearfull, A., & Kamenou, N. (2006). How do you account for it?: A critical exploration of career opportunities for and experiences of ethnic minority women. Critical Perspectives on Accounting, 17(7), 883-901. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2005.08.006

Guimarães, N. A. (2002), “Os desafos da equidade: reestruturação e desigualdades de gênero e raça no Brasil”. Cadernos Pagu, 17-18 (1), 237-266. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332002000100009

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica. Porto Alegre: AMGH Editora.

Hair, Jr., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hammond, T., Clayton, B. M., & Arnold, P. J. (2012). An “unofficial” history of race relations in the South African accounting industry, 1968–2000: Perspectives of South Africa's first black chartered accountants. Critical Perspectives on Accounting, 23(4), 332-350. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2011.10.005

Hammond, T. (2003). History from accounting's margins: international research on race and gender. Accounting History, 8(1), 9-24. DOI: https://doi.org/10.1177/103237320300800102

Hammond, T., & Streeter, D. W. (1994). Overcoming barriers: early African-American certified public accountants. Accounting, Organizations and Society, 19(3), 271-288. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(94)90035-3

Haynes, K. (2017). Accounting as gendering and gendered: A review of 25 years of critical accounting research on gender. Critical Perspectives on Accounting, 43, 110–124. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.06.004

Haynes K. (2008). Moving the gender agenda or stirring chicken's entrails?: Where next for feminist methodologies in accounting? Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(4), 539-55. DOI: https://doi.org/10.1108/09513570810872914

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social, 26(1), 61-73. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2015). Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, 20 anos. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs /170306_retrato_das_desigualdades_de_genero_raca.pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2009). Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça – 1995 a 2015. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs /170306_apresentacao_retrato.pdf

Kim, S. N. (2004). Imperialism without empire: silence in contemporary accounting research on race/ethnicity. Critical Perspectives on Accounting, 15(1), 95-133. DOI: https://doi.org/10.1016/S1045-2354(03)00004-2

Kirkham, L. M., & Loft, A. (1993). Gender and the construction of the professional accountant. Accounting, Organizations and Society, 18(6), 507-558. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(93)90002-N

Kyriakidou, O., Kyriacou, O., Özbilgin, M., & Dedoulis, E. (2016). Equality, diversity and inclusion in accounting. Critical perspectives on accounting, 35, 1-12. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2015.12.004

Lehman, C. R. (1992). “Herstory” in accounting: The first eighty years. Accounting, Organizations and Society, 17(3-4), 261-285. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(92)90024-M

Lehman, C. R. (2012). We’ve come a long way! Maybel! Re-imagining gender and accounting. Accountin, Auditing & Accountability Journal, 25(2), 256-294. DOI: https://doi.org/10.1108/09513571211198764

Loft, A. (1992). Accountancy and the gendered division of labour: a review essay. Accounting, Organizations and Society, 17(3-4), 367-378. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(92)90029-R

Medeiros, C. R. O, & Valadão Jr, V. M. (2011). Masculinidade e feminilidade na Ameas: holograma, ilhas de clareza ou uma selva desconhecida?. Cadernos EBAPE. 9(1), 79-96. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512011000100006

Miller, P. (1994). Accounting as social and institutional practice: an introduction. In: A. G. Hopwood & P. Miller (Eds.), Accounting as social and institutional practice (pp. 1-39). Grã-Bretanha: Cambridge University Press - Cambridge Studies in Management.

Nogueira, O. (2007). Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo social, 19(1), 287-308. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015

Rosa, A. R. (2014). Relações Raciais e Estudos Organizacionais no Brasil/Race Relations and Organizational Studies in Brazil. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 240-260. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac20141085

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Silva, S. M. C. D. (2016). Tetos de vitrais: gênero e raça na contabilidade no Brasil. (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil). Recuperada de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-03082016-111152/pt-br.php

Souza, E. M., & Carrieri, A. P. (2010). A analítica Queer e seu rompimento com a concepção binária de gênero. Revista de Administração Mackenzie, 11(3), 46-70. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-69712010000300005

Steil, A. V. (1997). Organizações, gênero e posição hierárquica - compreendendo o fenômeno do teto de vidro. Revista de Administração, 32(3), 62-69.

Thomson, K., & Jones, J. (2016). Colonials in camouflage: Metonymy, mimicry and the reproduction of the colonial order in the age of diversity. Critical Perspectives on Accounting, 35, 58-75. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2015.05.001

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

BORSATTO JUNIOR, J. L.; ZABOTTI, E. D.; ARAÚJO, M. da P. GÊNERO, ETNIA E RAÇA: DÉBITO OU CRÉDITO NA CONTABILIDADE?. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 2, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.4954. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/4954. Acesso em: 23 nov. 2020.