Testabilidade do Modelo Ohlson: Revisão da Literatura Acadêmica

Autores

  • César Medeiros Cupertino
  • Paulo Roberto Barbosa Lustosa

Palavras-chave:

Testabilidade, Modelo de Ohlson, Revisão

Resumo

    O presente artigo analisa a possibilidade de aplicação empírica do modelo de Ohlson (MO). A metodologia utilizada contemplou: (i) pesquisa exploratória, quanto aos objetivos do estudo; (ii) pesquisa bibliográfica, quanto aos procedimentos aplicados; e (iii) pesquisa qualitativa, quanto à abordagem do problema. A revisão da literatura abrangeu tanto a origem (desconto de dividendos, avaliação pelo lucro residual, etc) quanto a teoria subjacente ao modelo. Em relação à consistência interna do MO, discutiu-se as dinâmicas informacionais lineares (DIL) e a fórmula de avaliação, bem como o estabelecimento das entradas exigidas (parâmetros e variáveis). Estudos empíricos foram analisados, tanto em relação à sua estruturação quanto aos resultados obtidos. O estudo concluiu que: (1) não há consenso na literatura acadêmica sobre o método apropriado de mensurar os parâmetros de persistência; 2) a indefinição da forma apropriada de capturar os parâmetros ? e ? e a variável ? impede a verificação do poder explanatório concreto do modelo de Ohlson; (3) a aplicação empírica é restringida pela ausência de proxies consistentes que consigam capturar a persistência eprevisibilidade dos lucros futuros da entidade.

Downloads

Publicado

2009-05-08

Como Citar

CUPERTINO, C. M.; LUSTOSA, P. R. B. Testabilidade do Modelo Ohlson: Revisão da Literatura Acadêmica. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 47-66, 2009. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/297. Acesso em: 27 nov. 2020.