Dominância fiscal e dominância monetária para o Brasil: uma análise empírica a partir de projeções locais no período de 1999 a 2022

Autores

Resumo

Este artigo avalia sob quais condições a economia brasileira esteve sob dominância fiscal ou monetária no período de janeiro de 1999, início do Regime de Metas de Inflação, até novembro de 2022. A definição de dominância fiscal utilizada foi a de Blanchard (2004), pela qual o Brasil está sob dominância fiscal quando a política monetária não é capaz de controlar a taxa de câmbio. Os resultados alcançados neste artigo, por meio de análises impulso resposta baseado em Projeções Locais, permitem concluir que no período de alto endividamento houve dominância monetária. Tal resultado é condizente com ampliação do superávit fiscal associado à elevação dos juros e à valorização do câmbio real. Porém quando a dívida líquida interna esteve relativamente baixa observou-se dominância fiscal e a ausência de resposta do superávit fiscal ao crescimento dos juros não permitiu que a política monetária afetasse a trajetória do câmbio.

Palavras-chaves: dominância fiscal, dívida pública, taxa de câmbio, projeções locais.

Downloads

Publicado

2023-10-11

Como Citar

FLORA, M. S.; SANTOLIN, R. Dominância fiscal e dominância monetária para o Brasil: uma análise empírica a partir de projeções locais no período de 1999 a 2022. Nova Economia, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 335–362, 2023. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/7534. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Números Regulares