A China e a desindustrialização brasileira: um olhar para além da especialização regressiva

Autores

Resumo

Resumo

Este artigo analisa como o estreitamento das relações comerciais entre Brasil e China, a partir dos anos 2000, tem causado o aprofundamento de dois fenômenos característicos da economia brasileira desde os anos de 1980: a especialização regressiva e a desindustrialização. Em especial, para além dos impactos a respeito do papel chinês na especialização produtiva no período recente, argumenta-se que esses efeitos são estendidos para o desadensamento da estrutura produtiva. A partir da adaptação de indicadores de desadensamento industrial – coeficiente de desadensamento da indústria de transformação (CDIT) e coeficiente de participação relativa no desadensamento (CPRD) – utilizando como base de dados a World Input-Output Database (WIOD), este estudo aponta como o avanço chinês se deu de forma transversal (aumento da participação em todos os setores analisados) e heterogênea (observa-se um viés setorial) na indústria de transformação brasileira.

Palavras-chave: Desindustrialização; mudança estrutural; comércio exterior; China.

Códigos JEL: O14, F19.

Downloads

Publicado

2022-06-02

Como Citar

SUGIMOTO, T. N.; DIEGUES, A. C. A China e a desindustrialização brasileira: um olhar para além da especialização regressiva . Nova Economia, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 477-504, 2022. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/6975. Acesso em: 5 jul. 2022.