Microeconomia reducionista e microeconomia sistêmica

Autores

  • Eleutério Prado

Palavras-chave:

microeconomia evolucionária, microeconomia sistêmica, racionalidade adaptativa,

Resumo

No artigo sustenta-se que outramicroeconomia, metodologicamente diferente do reducionismo  neoclássico, está em processo de rápido desenvolvimento: a microeconomia sistêmica e evolucionária. A anterior baseiase  em agentes clarividentes, que se informam, mas não se instruem, e que agem com racionalidade substantiva. A última funda-se em agentes parcialmente cegos, que aprendem e que atuam racionalmente de modo adaptativo. Mostra-se que o fulcro da diferença entre essas duas alternativas encontra-se no modo de conectar as partes entre si  e as partes com o todo. Na primeira, os agentes são independentes entre si e as propriedades globais são obtidas por agregação. Na segunda, os agentes encontram-se organizados pelas estruturas sociais e formam composições que têm propriedades emergentes. Assim, as partes e o todo se pertencem, ou seja, são inseparáveis. Na primeira, os agentes são definidos apenas por suas propriedades intrínsecas, mas na segunda o são também por suas propriedades relacionais.

Downloads

Publicado

2009-06-04

Como Citar

PRADO, E. Microeconomia reducionista e microeconomia sistêmica. Nova Economia, [S. l.], v. 16, n. 2, 2009. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/470. Acesso em: 27 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares