Preços futuros do café: uma análise de cointegração entre o preço interno e o preço externo

Autores

  • Marcelo A. Arbex
  • Rosa Fontes

Resumo

O Brasil ainda é o maior produtor mundial de café, porém não ocupa mais a posição de semi-monopolista no mercado internacional. Por conta de uma política de sustentação de preços no mercado mundial, o Brasil involuntariamente incentivou concorrentes e, conseqüentemente, perdeu a hegemonia que até então possuía. A convergência dos maiores produtores de café para o mercado norte-americano, grande consumidor de café, torna os mercados à vista e futuro mais atrativos nesse país. A grande presença de hedgers e especuladores na CSCE, em Nova York, faz com que o contrato futuro de café negociado nessa bolsa de mercadorias tenha uma elevada liquidez, tornando esse mercado ainda mais atrativo para os agentes que negociam tal commodity. Analisando o comportamento dos preços futuros internos, cotados na BM&F, e externos do café, é possível observar que eles possuem um comportamento semelhante no período compreendido entre agosto de 1991 e junho de 1996. Outra observação interessante é que as elevações e quedas de preço do contrato futuro de café negociado na BM&F ocorrem após as elevações e quedas dos preços cotados na CSCE. Através da análise de cointegração, é possível verificar que existe uma relação de equilíbrio de longo prazo entre os preços futuros de café internos e externos. A dinâmica de curto prazo entre essas duas variáveis apresenta um desequilíbrio, o qual é corrigido por mecanismo de correção de erro, de forma que o comportamento dessas séries caminhe em direção ao equilíbrio de longo prazo.

Downloads

Publicado

2013-12-09

Como Citar

ARBEX, M. A.; FONTES, R. Preços futuros do café: uma análise de cointegração entre o preço interno e o preço externo. Nova Economia, [S. l.], v. 8, n. 1, 2013. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/2237. Acesso em: 29 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares