A independência do Banco Central: uma análise comparativa entre as visões de Rogoff e Walsh

Autores

  • Helder Ferreira de Mendonça

Palavras-chave:

independência dos bancos centrais, viés inflacionário, inflação, conservadorismo, contratos ótimos

Resumo

A literatura que analisa a independência dos bancos centrais pertence ao  debate intitulado regras  versus  discricionaridade. Desde a proposta  de Rogoff  (1985), economistas e responsáveis pela política monetária  têm dado atenção especial à  possibilidade de que o aumento da independência do banco central é capaz de garantir baixa taxa de inflação. O principal argumento de Rogoff é baseado na idéia de que um presidente de banco central conservador (avesso à  inflação), poderia contribuir  na  eliminação do viés  inflacionário inerente à condução da política monetária. Dez anos depois, Walsh (1995) incorporou à análise uma estrutura que combina contratos ótimos e a teoria do agente-principal como alternativa à  idéia do conservadorismo. O presente artigo faz uma análise comparativa entre Rogoff (1985) e Walsh (1995).

Downloads

Publicado

2013-10-10

Como Citar

MENDONÇA, H. F. de. A independência do Banco Central: uma análise comparativa entre as visões de Rogoff e Walsh. Nova Economia, [S. l.], v. 9, n. 2, 2013. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/2158. Acesso em: 24 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)