A vulnerabilidade externa decorrente da Posição Internacional de Investimentos e do fluxo de rendas da economia brasileira no período 2001-2010

Autores

  • Paulo Van Noije Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • Bruno Martarello de Conti Professor Doutor de Economia da Unicamp

Palavras-chave:

Posição Internacional de Investimentos, vulnerabilidade externa, balanço de pagamentos, transações correntes, economia brasileira

Resumo

O artigo apresenta a vulnerabilidade externa brasileira, baseada na esfera financeira, decorrente dos estoques externos (Posição Internacional de Investimentos) e dos fluxos de rendas. Analisa-se a economia brasileira no período 2001-2010 e chega-se às seguintes conclusões: i) houve diminuição da vulnerabilidade-estoque da economia nacional, conforme evidenciado na crise global eclodida em 2008, por conta de mudanças na Posição Internacional de Investimentos (PII), com o aumento das reservas internacionais e da participação do passivo externo denominado em moeda doméstica, que tende a sofrer dupla desvalorização (câmbio e preço) em momentos de crise; ii) as rendas líquidas enviadas ao exterior durante a década em questão atingiram o valor de US$ 273 bilhões, cristalizando-se a vulnerabilidade-fluxo por meio da dependência dos financiamentos externos para equilibrar os déficits das transações correntes; iii) a variação de valor dos estoques externos é a variável mais importante nas alterações dos saldos da Posição Internacional de Investimentos.

Biografia do Autor

Paulo Van Noije, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutorando em Teoria Econômica pela Unicamp e membro do Cecon

Downloads

Publicado

2016-08-08

Como Citar

NOIJE, P. V.; DE CONTI, B. M. A vulnerabilidade externa decorrente da Posição Internacional de Investimentos e do fluxo de rendas da economia brasileira no período 2001-2010. Nova Economia, [S. l.], v. 26, n. 1, 2016. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/2151. Acesso em: 4 jul. 2022.

Edição

Seção

Números Regulares