Presença e ausência do Estado na trajetória da indústria da construção naval brasileira – 1959-1989

Autores

  • Alcides Goularti Filho Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Palavras-chave:

construção naval, Estado, planejamento, expansão, crise

Resumo

A finalidade deste artigo é discutir a atuação do Estado e do planejamento na implantação, na trajetória de expansão e na crise da indústria da construção naval pesada no Brasil, entre 1959 e 1989. O texto está dividido em cinco tópicos. O primeiro discute a implantação da indústria naval pesada dentro dos objetivos políticos e estratégicos do Plano de Metas, seguido pela desaceleração entre 1963-1966, até a transformação da CMM e da SUNAMAM em 1969. Em seguida, evidencia-se o período de consolidação e o rápido crescimento do complexo naval plasmado nos planos de construção naval de 1969 a 1982. No terceiro tópico, discute-se o início da reversão das expectativas tendo em vista as dificuldades em cumprir as metas de crescimento dos planos de 1981 e 1982, associada à crise na SUNAMAM. No quarto tópico, entre 1982 e 1989, enquanto a SUNAMAM agonizava e os canais de financiamento escasseavam, a indústria entra numa rota de desaceleração e desmonte parcial do complexo naval. Por fim, o texto traz breve trajetória comparativa da Marinha Mercante e da construção naval latino-americana.

Biografia do Autor

Alcides Goularti Filho, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Professor do Curso de Economia da UNESC Doutor em Economia pela UNICAMP Pesquisador Produtividade do CNPq

Downloads

Publicado

2014-09-29

Como Citar

GOULARTI FILHO, A. Presença e ausência do Estado na trajetória da indústria da construção naval brasileira – 1959-1989. Nova Economia, [S. l.], v. 24, n. 2, 2014. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/1256. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Números Regulares

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)