Marketing e turismo religioso: perfil e satisfação dos visitantes das obras da primeira santa brasileira

Autores

  • Lívia Veiga de Oliveira Bispo Universidade Salvador (UNIFACS) https://orcid.org/0000-0002-4384-0240
  • Marluce Dantas de Freitas Lodi Universidade Salvador (Unifacs)
  • Carolina de Andrade Spinola Universidade Salvador (Unifacs)

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.6229

Palavras-chave:

Turismo Religioso, Marketing, Desenvolvimento Territorial, Santa Dulce dos Pobres

Resumo

A partir do anúncio da canonização da primeira santa brasileira, a média mensal de visitações à sede das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), em Salvador, aumentou consideravelmente. Diante disto, uma articulação de instituições públicas e privadas foi iniciada, para o desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local Território Santo, que visa planejar o acolhimento e ordenamento deste fluxo de visitantes, maximizando os seus resultados para os moradores do entorno. Com foco em contribuir com o projeto, o objetivo deste estudo foi identificar o perfil e grau de satisfação dos visitantes da OSID. Este marco teórico transita pelos temas do turismo religioso, desenvolvimento territorial e marketing. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e aplicados questionários. Os dados foram analisados de forma qualitativa (análise de conteúdo) e quantitativa (Net Promoter Score e Regressão Linear Múltipla). Dentre os achados, foi possível identificar o perfil dos visitantes e o grau de satisfação quanto à localização e estrutura física. Agradecimento à Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia.

Biografia do Autor

Lívia Veiga de Oliveira Bispo , Universidade Salvador (UNIFACS)

Mestranda em Administração – UNIFACS.

Marluce Dantas de Freitas Lodi, Universidade Salvador (Unifacs)

Doutora em Administração – UNIGRANRIO. Professora Adjunta do Programa de Pós-graduação em Administração – UNIFACS

Carolina de Andrade Spinola, Universidade Salvador (Unifacs)

Doutora em Geografia pela Universidade de Barcelona. Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Urbano –UNIFACS. Líder do Grupo de Pesquisa em Turismo – GPTURIS

Referências

Anjos, G. S., & Lima, A. E. F. (2017). Turismo religioso: um estudo sobre a demanda de um roteiro turístico das igrejas católicas do centro de Fortaleza. Conex. Ci. e Tecnol., 11(5), 78–89.
Aragão, I. R. (2014). Reflexões acerca do turismo cultural-religioso e festa católica no Brasil. Revista Grifos, 36.
Aragão, I. R., & Macedo, J. R. (2011). Turismo religioso, patrimônio e festa: nosso senhor dos Passos na cidade sergipana de São Cristóvão. Caderno Virtual de Turismo, 11(3).
Azevedo, R. O IBGE e a religião. (18 fev. 2017). Veja. Recuperado em 16 mai. 2020 de https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/o-ibge-e-a-religiao-cristaos-sao-86-8-do-brasil-catolicos-caem-para-64-6-evangelicos-ja-sao-22-2/.
Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. (3 ed.), Lisboa: Edições.
Beni, M. C. (2000). Análise estrutural do turismo. São Paulo: Senac.
Brasil, Ministério do Turismo. (2010). Segmentação do turismo e o mercado.
Brasil, MDIC. (18 jan. 2018) APL. Recuperado em 18 mai. 2020, de http://www.mdic.gov.br/index.php/competitividade-industrial/arranjos-produtivos-locais
Carriére, J-P., & Cazella, A. A. (2006). Abordagem Introdutória ao conceito de Desenvolvimento Territorial. 4(esp), Eisforia, 23-47.
Castro, F. J. G., & Gândara, J. M. G. (2019). A regionalização do turismo no Estado do Paraná sob a perspectiva do marketing. Marketing & Tourism Review, 4(1).
Eliade, M. (2008). O sagrado e o profano: a essência das religiões. Trad. Rogério Fernandes. (2 ed). São Paulo: Martins Fontes.
Guillaumon, S. (2011). Gestão de turismo, cultura e identidades religiosas: ensaio de um novo conceito com base na compreensão do território. Observatório de Inovação do Turismo. Revista Acadêmica 2, VI(2).
Gurgel, G. (28 set. 2018). Turismo religioso ganha espaço na Expo Cristã. Ministério do Turismo. Recuperado em 18 mai. 2020 de http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/11962-destinos-de-turismo-religioso-ganham-espa%C3%A7o-na-expo-crist%C3%A3.html
Kotler, P., & Levy, S. J. (1969). Broadening the concepto of marketing. Journal of Marketing, 33(1), 10-15.
Krippendorf, J. (1980). (2 ed.) Marketing im Fremdenverkehr.
Lanes-Filho, R. S., & Oliveira, E. L. (2018). Turismo Religioso e seus Impactos no Santuário das Aparições de Nossa Senhora em Natividade-RJ. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional - G&DR, 14(1), 297-328.
Lastres, H. M. M. et al. (2002). Interagir para competir: promoção de arranjos produtivos e inovativos no Brasil. Brasília: SEBRAE.
Lindstrom, M. (2016). Small Data: como poucas pistas indicam grandes tendências. Tradução: Rodrigo Peixoto. (1 ed.). Rio de Janeiro: Harper Collins Brasil.
Maio, C. A. (2006). Turismo Religioso e desenvolvimento local. In: TREVIZAN, Salvador D. P. (Org.). Comunidades sustentáveis a partir do turismo com base local. Ilhéus: Editus, 311-320.
OMT – Organização Mundial do turismo. (2003). Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Porto Alegre: Bookman.
OSID. (2020). Nossa história. Recuperado em 18 de mai. 2020 de https://www.irmadulce.org.br/portugues/institucional/a-osid-hoje
Ouriques, H. R. (2006). A Santa do turismo: o mercado da fé em Nova Trento – SC. Textos de Economia, 9(2), 80-92.
Porter, M. E., & Kramer, M. R. (1999). Philanthropy`s New Agenda: Creating Value. Harvard Business Review. 77(6).
Reichheld, F. (2011). A pergunta definitiva 2.0: Como as empresas que implementam o net promoter score prosperam em um mundo voltado aos clientes. Rio de Janeiro: Elsevier.
Roesch, S. M. A. (2005). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.
Santana, G. G. (2006). Adequação e Eficácia de Programas de Marketing: Uma Avaliação do Programa de Marketing Turístico de Balneário Camboriú, Santa Catarina. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Enanpad, 30, Anais [...]. Salvador.
Santos, A. P. (2015). Turismo religioso: uma contribuição de geografia humana. Geo UERJ, 27.
Santos, L. (14 jun. 2019). Poder da santa: projeto quer turismo religioso mais forte após canonização de Irmã Dulce. Recuperado em 18 mai. 2020 de https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/poder-da-santa-projeto-quer-turismo-religioso-mais-forte-apos-canonizacao-de-irma-dulce/
Serra, D. R. O. (2017). Turismo religioso e cultural na Amazônia: a turistificação do espaço no Círio de Nazaré em Belém (Pará-PA, Brasil). Turismo & Sociedade, 10(3).
Silva, F. F., & Barreto, L. M. T. S. (2018). Encantamento do Cliente: uma discussão teórica a partir da literatura do turismo e hospitalidade. Marketing & Tourism Review, 3(3).
Silveira, A., Dreher, M. T., & Ullrich, D. R. (2005). Arranjo produtivo local e desenvolvimento do turismo sustentável na comunidade rural da Nova Rússia. In: Encontro Nacional de Turismo com Base Local, 9, 2005. Anais...Recife: UFPE.
Silveira, E. J. S. (2007). Turismo religioso no brasil: uma perspectiva local e global. Turismo em Análise,18(1), 33-51.
Steil, C. A., & Carneiro, S. S. (2008). Peregrinações, Turismo e Nova Era: Caminhos de Santiago de Compostela no Brasil. Religião e Sociedade, 105-124.
Valadares, J. (1 jul. 2019). Papa Francisco celebrará canonização de Irmã Dulce em outubro no Vaticano. Folha de S. Paulo. Recuperado em 18 mai. 2020 de https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/07/papa-francisco-celebrara-canonizacao-de-irma-dulce-em-outubro-no-vaticano.shtml

Publicado

2020-09-12

Como Citar

Veiga de Oliveira Bispo , L., Dantas de Freitas Lodi, M., & de Andrade Spinola, C. . (2020). Marketing e turismo religioso: perfil e satisfação dos visitantes das obras da primeira santa brasileira. Marketing & Tourism Review, 5(2). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.6229