Gestão de desastres em Turismo

Um estudo de caso em Macacos - MG

Autores

  • Luís Carlos Antunes Tavares Universidade Federal de Minas Gerais
  • Danielle Fernandes Costa Machado Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5998

Palavras-chave:

gestão em turismo, desastres, barragem

Resumo

O presente trabalho irá discutir a percepção dos agentes locais de turismo, Secretaria de Turismo de Nova Lima e Defesa Civil de Nova Lima sobre a gestão de desastres em turismo no distrito de São Sebastião das Águas Claras e o impacto causado no turismo local devido a ameaça de rompimento da barragem de rejeitos B3/B4 da mineradora Vale S.A. Para tanto abriu-se uma discussão sobre conceitos de desastre, o papel da Defesa Civil na gestão de riscos e desastres, a redução de riscos de desastres em turismo e sobre a colaboração dos stakeholders. Com o intuito de atingir os objetivos da pesquisa, a partir de entrevistas realizadas em campo, buscou-se compreender os impactos causados no turismo pela ameaça de rompimento da barragem no distrito. Também foi discutido quais as medidas de prevenção foram adotadas pelas autoridades governamentais e empresa Vale S.A. Além disso, foi discutido a colaboração entre os stakeholders como forma de diminuir os impactos no turismo. Como conclusão, foi possível observar que a percepção dos agentes locais de turismo conflita com as percepções dos órgãos públicos e que a gestão de desastres em turismo no distrito não foi e não tem sido eficaz.

Biografia do Autor

Luís Carlos Antunes Tavares, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado no curso de Bacharelado em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens (SNISB). Mapa Interativo das Barragens Cadastradas no Sistema. [S. l.], 2019. Disponível em: http://www.snisb.gov.br/portal/snisb/mapas-tematicos-e-relatorios/tema-1-1. Acesso em: 29 maio 2019.
BEETON, S. (2001). Horseback tourism in Victoria, Australia: Cooperative, proactive crisis management. Current Issues in Tourism, 4(5), 422-439.
CASTRO, Antônio Luiz Combra. GLOSSÁRIO DE DEFESA CIVIL ESTUDOS DE RISCOS E MEDICINA DE DESASTRES. Brasília: IMPRENSA NACIONAL, 1998. Disponível em: http://www.defesacivil.mg.gov.br/images/documentos/Defesa%20Civil/manuais/GLOSSARIO-Dicionario-Defesa-Civil.pdf. Acesso em: 3 jun. 2019.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS. Observatório dos Desastres Naturais. [S. l.], 2019. Disponível em: http://www.desastres.cnm.org.br/. Acesso em: 27 maio 2019.
EM-DAT Glossary. [S. l.], 2009. Disponível em: https://www.emdat.be/Glossary. Acesso em: 21 maio 2019.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS. PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL: Gestão municipal de risco de desastres. Brasília DF: [s. n.], 2019. Disponível em: https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca/documentos/Prote%c3%a7%c3%a3o%20e%20Defesa%20Civil.%20Gest%c3%a3o%20Municipal%20de%20risco%20de%20desastres%20(2019).pdf. Acesso em: 5 jun. 2019.
Creswell, J. W., & Poth, C. N. (2018). Qualitative inquiry and research design: Choosing among five traditions. Thousand Oaks, CA: Sage
FAULKNER, Bill. Towards a framework for tourism disaster management. (2001) Tourism Management, Australia, ed. 22, 135-147.
FYALL, A., & GARROD, B. (2005). Tourism marketing: A collaborative approach. Clevedon, UK: Channel View Publications. Theoretical perspectives applied to interorganizational collaboration on Britain’s inland waterways.
GIL, Antônio Carlos. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas S.A..
GILBERT, Amber. Top 10 Countries with Solid Disaster Management System. [S. l.], 29 dez. 2014. Disponível em: https://www.elist10.com/top-10-countries-solid-disaster-management-system/. Acesso em: 21 maio 2019.
JIANG, Yawei; RITCHIE, Brent W. (2017). Disaster collaboration in tourism: Motives, impediments and success factors. Journal of Hospitality and Tourism Management, 31, 70-82.
Nyaga, G. N., Whipple, J. M., & Lynch, D. F. (2010). Examining supply chain relationships: Do buyer and supplier perspectives on collaborative relationships differ? Journal of Operations Management, 28(2), 101 -114. http://dx.doi.org/ 10.1016/j.jom.2009.07.005
RACHERLA, Pradeep; HU, Clark. (2009). A Framework for Knowledge-Based Crisis Management in the Hospitality and Tourism Industry. Cornell Hospitality Quarterly, Ithaca,
Sowa, J. (2009). The collaboration decision in non-profit organizations: Views from the front line. Non-profit and Voluntary Sector Quarterly, 38(6), 1003e1025. http://dx.doi.org/10.1177/0899764008325247.
Zhang, C., Yu, H., & Liu, Z. (2008). Logistics collaboration supported by electronic logistics marketplaces. In Advanced management of information for globalised enterprises, 2008. AMIGE 2008. IEEE symposium on (pp. 1e5). IEEE.

Downloads

Publicado

2020-06-10

Como Citar

Carlos Antunes Tavares, L. ., & Machado, D. F. C. (2020). Gestão de desastres em Turismo: Um estudo de caso em Macacos - MG. Marketing & Tourism Review, 5(1). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5998

Edição

Seção

Artigos