TURISMO E SAÚDE. Ensaio sobre Desteritorialização, Autopoiese e o Agenciamento de Condições de Saúde

Autores

  • Maria Luiza Cardinale Baptista Universidade de Caxias do Sul (UCS)
  • Helena Charko Ribeiro Universidade Caxias do Sul

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.5912

Palavras-chave:

turismo, saúde, desterritorialização, autopoiese

Resumo

O presente texto tem caráter ensaístico e apresenta uma reflexão sobre a desterritorialização, como característica inerente ao turismo, com potencial de autopoiese e agenciamento de condições de saúde. Em termos teóricos, tem base transdisciplinar, envolvendo as áreas de Saúde, Turismo, Epistemologia da Ciência e Estudos de Subjetividade, com a Esquizoanálise. A produção é orientada pela estratégia metodológica Cartografia de Saberes, de Baptista (2014), a partir das trilhas Saberes Pessoais, Saberes Teóricos, Usina de Produção e Dimensão Intuitiva da Pesquisa, com seus respectivos procedimentos operacionais. A reflexão produzida remete à compreensão do Turismo como processo complexo de deterritorialização, em que são acionados e transversalizados ecossistemas. Esse processo, ao produzir a ação de perda de território no e do sujeito, tem forte potencial de produção de saúde, pelo acionamento de uma dimensão mais ampla do corpo, o que, na Esquizoanálise, denomina-se de corpo vibrátil.

Biografia do Autor

Maria Luiza Cardinale Baptista, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Dra em Ciências da Comunicação. Possui graduação em Jornalismo Gráfico e Audiovisual pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), mestrado (1995) e doutorado pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Turismo e Hospitalidade e do Curso de Comunicação Social da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Pós-doutoranda, pesquisadora e professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura da Amazônia, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Helena Charko Ribeiro, Universidade Caxias do Sul

Possui graduação em Turismo, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1985). Especialização em Produção e Gestão da Empresa turística, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1998) e mestrado em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul (2005). Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade da Universidade de Caxias do Sul. Docente - Universidade Estácio de Sá (campus Porto Alegre/RS).

Referências

Almeida, N., Fo. (2013) O que é saúde? Rio de Janeiro: Fiocruz.
Baptista, M. L. C. (2000). O sujeito da escrita e a trama comunicacional. Um estudo sobre os processos de escrita do jovem adulto como expressão da trama comunicacional e da subjetividade contemporânea. (Tese de doutorado). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
Baptista, M. L. C. (2011). Imagem, Sujeito e Mídia. Projeto de Pesquisa. Caxias do Sul, RS, Brasil.
Baptista, M. L. C. (2012). Usina de Saberes em Comunicação. Projeto de Pesquisa. Caxias do Sul, RS, Brasil.
Baptista, M. L. C. (2013). Desterritorialização desejante em Turismo e Comunicação: Narrativas Especulares e de Autopoiese Inscriacional. Projeto de Pesquisa. Caxias do Sul, RS, Brasil.
Baptista, M. L. C. (2014a). Caosmose, desterritorialização e amorosidade na comunicação. Questões Transversais. Revista de Epistemologias da Comunicação, v. 2, 98-105.
Baptista, M. L. C. (2014b). Cartografia de Saberes na Pesquisa em Turismo: Proposições Metodológicas para uma Ciência em Mutação. Rosa dos Ventos, v. 6, 342-355.
Baptista, M. L. C. (2019, março) Trama Ecossistêmica Amazônica e o Turismo: Desafios de um Patrimônio da Humanidade no Espaço Ibero-Americano. Anais Conferência Internacional de Turismo & História O papel do turismo na valorização histórico-cultural do espaço Ibero-Americano. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil, 3. 2019.
Batistella, C. (2019). Abordagens Contemporâneas do Conceito de Saúde. Recuperado de http://www.epsjv.fiocruz.br › pdtsp › includes › header_pdf.
Beni, M. C., & Moesch, M. M. (2017). A teoria da complexidade e o ecossistema do turismo. Recuperado de http://www.univali.br/periodicos.
Brasil. (2017). Ministério do Turismo. Turismo de Saúde Orientações Básicas. Recuperado de http://www.turismo.gov.br.
BRASIL, C. F. (2010). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.
Capra, F. (1990). O Tao da Física. Um Paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental (11a ed.). São Paulo: Cultrix.
Capra, F. (1991). O Ponto de Mutação. A Ciência, a Sociedade e a Cultura Emergente (12a ed.). São Paulo, Cultrix.
Capra, F. (1997). A Teia da Vida. Uma Nova Compreensão dos Sistemas Vivos (9a ed.). São Paulo: Cultrix.
Chopra, D. (1989). Quantum healing: exploring the frontiers of mind/body medicine. New York: Bantam Books. [A cura quântica: o poder da mente e da consciência na busca da saúde integral. Rio de Janeiro: Best Seller, [s.d.].
Cobra, N. (2003). A semente da vitória (41a. ed.). São Paulo: Senac.
Colferai, S. (2014). Um Jeito Amazônida de ser Mundo. A Amazônia como Metáfora do Ecossistema Comunicacional: Uma Leitura do Conceito a Partir da Região. (Tese de doutorado). Universidade Federal Do Amazonas. Cidade, AM, Brasil.
Correia, C. M. C., Freitas, I. C. O., Abbud, M. E. O. P., & Campos, M. S. (2012). Processos Comunicacionais. Tempo, Espaço e Tecnologia. Manaus: Valer, Edua, Fapeam.
Crema, R. (1989). Introdução à visão holística. Breve relato de Viagem do Velho ao Novo Paradigma. São Paulo: Summus.
Crema, R. (2018). O poder do encontro. A origem do cuidado. São Paulo: Tuniak Produções, Instituto Arapoty; Unipaz.
Deleuze, G., & Guattari, F. (2007). O que é a filosofia?. São Paulo: Editora 34.
Fernandes, J. V.[nome], Fernandes, F. M. V.[nome]. (2011). Turismo de Saúde e Bem-Estar no Mundo. São Paulo: Ed. SENAC.
Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido (17a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.
Freire, P. (2003). Pedagogia da esperança – um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.
Gleiser, M. (2006). A dança do universo: dos mitos de criação ao Big-Bang. São Paulo: Companhia das Letras.
Gleiser, M. (2007). Cartas a um jovem cientista. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.
Godoi, A. F. (2009). Turismo de Saúde: uma visão da hospitalidade médica mundial. São Paulo: Ed. Ícone.
Guattari, F. (1981). As três ecologias (3a ed.). Campinas: Papirus.
Guattari, F. (1987). Revolução Molecular. Pulsações Políticas do Desejo (3a ed.). São Paulo: Brasiliense.
Guattari, F. (1988). O Inconsciente Maquínico. Campinas: Papirus.
Guattari, F. (1990). Linguagem, Consciência e Sociedade. In Lancetti, A. Saúde loucura 2 (3.ed., pp. 3-17). São Paulo: Hucitec.
Guattari, F. (1992). Caosmose. Um Novo Paradigma Ético-Estético. Rio de Janeiro: Ed.34.
Guattari, F., Deleuze, G. (1992). O que é Filosofia. Rio de Janeiro: Ed.34.
Guattari, F., Deleuze, G. (1995). Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. (v.1 a v.5.). Rio de Janeiro: Ed.34.
Guattari, F., Rolnik, S. (1986). Cartografias do Desejo (2a ed.). Petrópolis: Vozes.
Hernandez, L. (2011). Un poco de Historia del Turismo Médico. Turismo en Salud. Recuperado de https://turismosalud.wordpress.com/2011/03/31/un-poco-de-historia-del-turismo-medico/.
Hirschman, A. (1983). De consumidor a cidadão. Atividade privada e participação na vida pública. São Paulo: Brasiliense.
Kehl, M. R. (1990). O desejo da realidade. In Novaes, A. (Org.). O desejo. (cap. X, pp. X-x). São Paulo-Rio de Janeiro: Companhia das Letras-Funarte.
Kerckhove, D. (1997). A Pele da Cultura. Uma investigação sobre a nova realidade electrónica. Lisboa: Relógios D’Água.
Levy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Ed.34.
Lima, E. P. (2009). Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura (4a ed.). Barureri: Manole.
Lovelock, J. (1991). As eras de Gaia. A Biografia da Nossa Terra Viva. Rio de Janeiro: Campus.
Malcher, M. A., Seixas, N. S. A., Lima, R. L A., & Amaral O. Fo. (2011). Comunicação Midiatizada na e da Amazônia. Belém: Fadesp.
Maturana, H. (1998). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG.
Maturana, H., Varela, G. F. J. (1997). Máquinas e seres vivos: autopoiese e a organização do vivo. (3a ed.) Porto Alegre: Artes Médicas.
Medina, C., Grecco, M. (Orgs. (1994). Novo pacto da ciência 3. Saber plural. O discurso fragmentalista da ciência e a crise dos paradigmas. São Paulo: ECA-USP-CNPq.
Medina, C., Grecco, M. (Orgs.). (1990-1991). Novo pacto da ciência. A crise dos paradigmas. Seminário transdisciplinar. São Paulo: ECA-USP.
Minayo, M. C. D. S. (2002). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.
Moesch, M. M. (2002). A produção do saber turístico (2a ed.) São Paulo: Contexto.
Moesch, M. M. (2004). A epistemologia social do turismo. (Tese de doutorado), instituiçao, cidade, estado, país.
Monteiro, G. V., Abbud, M. E. O. P., & Pereira, M. F. (Orgs.). (2011). Estudos e Perspectivas dos Ecossistemas na Comunicação. Manaus: Edua. Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo.
Morin, E. (2003). Introdução ao pensamento complexo. (4a ed.). Lisboa: Instituto Piaget.
Restrepo, L. C. (1998). O Direito à Ternura. Petrópolis: Vozes.
Rolnik, S. (1989). Cartografia Sentimental. São Paulo: Liberdade.

Publicado

2020-09-12

Como Citar

Cardinale Baptista, M. L., & Charko Ribeiro, H. . (2020). TURISMO E SAÚDE. Ensaio sobre Desteritorialização, Autopoiese e o Agenciamento de Condições de Saúde. Marketing & Tourism Review, 5(2). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i2.5912