Análise da potencialidade das paisagens culturais para o turismo: um estudo no Norte do Paraná

Autores

  • Maria del Carmen Matilde Huertas Calvente Universidade Estadual de Londrina
  • Alini Nunes de Oliveira UFPR

DOI:

https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5755

Palavras-chave:

Potencialidade, Paisagem, TUrismo, Norte do Paraná

Resumo

A paisagem é um dos principais elementos na escolha de um destino para viajar. Assim as paisagens se constituem em recursos turísticos com base nos valores que lhes são atribuídos. Embora a paisagem seja carregada de atributos subjetivos, possui também qualidades intrínsecas, que são possíveis de serem analisadas. O artigo tem como objetivo analisar algumas paisagens culturais de propriedades rurais localizadas no Norte do Paraná e suas potencialidades para o turismo. Os procedimentos metodológicos utilizados foram a pesquisa bibliográfica (em fontes primárias e secundárias) e o trabalho de campo em propriedades rurais localizadas em três municípios do Norte do Paraná (Santa Mariana, São Jerônimo da Serra e Ribeirão Claro). Para a análise das paisagens, foram utilizadas fotografias, avaliadas com base nos métodos de Pires (1999, 2005) e Lampton (2006). Nas paisagens estudadas foram encontrados conjuntos de formas heterogêneas, pedaços de tempos históricos representativos diferentes que retratam as diversas maneiras de produzir as coisas e que deixaram marcas na paisagem. A valorização das paisagens pelos turistas está atrelada às necessidades psicossociais de mudança do cotidiano e o que estas paisagens representam a cada turista é diferente, pois está ligada à percepção que tem do local visitado. Por isso é fundamental que haja diversificação nas paisagens apresentadas aos turistas e que sejam aproveitadas as diferentes potencialidades locais.

Referências

Associação de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (ACENPP) (2016). Disponível em: <http://acenpp.blogspot.com.br. Acesso: 03/11/2016.
Berque, A. (1998). Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: Corrêa, L. R.; Rosendahl, Z. (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ. p. 84-91.
Café Terrara (2019). Disponível em: <www.cafeterrara.com.br>. Acesso: 05/7/2019.
Calvente, M. del C. M. H. (2003). Elementos da potencialidade. Londrina: UEL. Apostila apresentada no minicurso “A paisagem como recurso turístico”. Trabalho não publicado.
Castro, D. G. (2005). Patrimônio histórico-arquitetônico como marca de qualificação da paisagem: um olhar sobre as fazendas cafeeiras e açucareiras no interior fluminense. Anais do Encontro de Geógrafos da América Latina – EGAL. São Paulo, SP, Brasil, 10., p. 3198-3215.
Cosgrove, D. (1998). A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: Rosendahl, Z.; Corrêa, R. L. (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ. p. 92-122.
Cruz, R. de C. A. da. (2000). Política de turismo e território. São Paulo: Contexto.
Darolt, M. R. (2016). As principais correntes do movimento orgânico e suas particularidades. Disponível em: <www.viaorganica.com.br/correntes.htm>. Acesso: 03/1112016.
Delamaro, M. C. et al. (2002). Turismo nas fazendas históricas do Vale do Paraíba Fluminense: um estudo sobre sustentabilidade. Caderno Virtual de Turismo, 2 (4), p. 11-17.
Ducati, A. (2012). Rota do Café resgata a história cultural do norte do PR em destinos variados. G1, 10 jan. 2012. Disponível em: <http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2012/01/rota-do-cafe-resgata-historia-cultural-do-norte-do-pr-em-destinos-variados.html>. Acesso: 05/07/2019.
Farias, P. de O. L. et al. (2013). Café no Brasil: gastronomia e sociedade. Contextos da Alimentação, 2 (2), p. 18-37.
Ficafé (2019). Disponível em: <www.ficafe.com.br>. Acesso: 05/07/2019.
Font, J. N. (1992). Turismo, percepción del paisaje y planificación del território. Estudios Turísticos, 115, p. 45-54.
Lampton, K. (edit.) (2006). The Roadscape Guide – Tools to Preserve Scenic Road Corridors. Champlain Valley Greenbelt Alliance for the Vermont Forum on Sprawl: Vermont.
Luchiari, M. T. D. P. (2000). Urbanização turística: um novo nexo entre o lugar e o mundo. In: Serrano, C.; Bruhns, H. T.; Luchiari, M. T. D. P. (Orgs). Olhares contemporâneos sobre o turismo. Campinas, SP: Papirus. p. 105-130.
Luchiari, M. T. D. P. (2001). A (re)significação da paisagem no período contemporâneo. In: Rosendahl, Z.; Corrêa, R. L. (Orgs.). Paisagem, imaginário e espaço. São Paulo: EdUERJ. p. 9-28.
Maciel, J. de C. (2010). Turismo de experiência e o sentido da vida. In: Panosso Netto, A.; Gaeta, C. (Orgs.). Turismo de experiência. São Paulo: Senac. p. 57-78.
Murta, S. M.; Goodey, B. (2005). Interpretação do patrimônio para visitantes: um quadro conceitual. In: Murta, S. M.; Albano, C. (Orgs.). Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Belo Horizonte: UFMG. p. 13-46.
Panosso Netto, A. (2010). Experiência e turismo: uma união possível. In: Panosso Netto, A; Gaeta, C. (Orgs.). Turismo de experiência. São Paulo: Senac. p. 43-55.
Perazzolo, O. A. et al. (2013). Significação da experiência estética no turismo: da sensorialidade ao acolhimento. Pasos - Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 11 (3), p. 155-162.
Pires, P. dos S. (2005). A análise de indicadores da qualidade visual como etapa da caracterização de paisagens turísticas: uma aplicação no distrito-sede de Porto Belo-SC. Turismo: Visão e Ação, 7 (3), p. 417-426, set./dez.
Pires, P. dos S. (2003). A paisagem rural como recurso turístico. In: Rodrigues, A. B. (Org.). Turismo rural: práticas e perspectivas. São Paulo: Contexto. p. 107-132.
Pires, P. dos S. (1999). Paisagem litorânea de Santa Catarina como recurso turístico. In: YázigI, E.; Carlos, A. F. A.; Cruz, R. de C. A. da (Orgs.). Turismo: espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec. p. 161-177.
Rodrigues, A. B. (2003). Paisagem, território e empreendedorismo: pilares do desenvolvimento do turismo de base local. Aportes Y transferencias, 7 (2), p. 10-40.
Rodrigues, A. B. (2001). Turismo eco-rural: interfaces entre o ecoturismo e o turismo rural. In: Almeida, J. A.; Froehlich, J. M.; Riedl, M. (orgs). Turismo Rural e Desenvolvimento Sustentável. Campinas: Papirus. p. 111-126.
Rodrigues, A. B. (1999). Turismo e espaço: rumo a um conhecimento transdisciplinar. São Paulo: Hucitec.
Rodrigues, A. B. (1992). Geografia e turismo: notas introdutórias. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, 6, p. 71-82.
Rota do Café. (2016). Disponível em: <www.rotadocafe.tur.br/rota-do-cafe.html>. Acesso: 15/07/2016.
Santos, M. (1997a). Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec.
Santos, M. (1997b). Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec.
Santos, M. (1996). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec.
Silva, C. P. da (1999). Percepção e avaliação da paisagem: evolução de métodos e técnicas. GeoINova, 0, p. 116-132.
Silveira, M. A. T. da (2014). Geografia aplicada ao turismo: fundamentos teórico-práticos. Curitiba: InterSaberes.
Santos, S. R. dos; Silva, G. P. F. da; Maia, L. F.; Souza Neto, V. R. de; Silva, S. R. X. da. (2017). Paisagem Sensorial e Turismo: Estudo sobre as Percepções dos Turistas em Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade no Brasil. Marketing & Tourism Review, 2 (2), p. 1-23.
Soares, G. M.; Vieira Filho, N. A. Q. (2008). As fazendas dos barões do café no Brasil: patrimônio histórico rural e turismo. Reuna, 13 (3), p.41-53.
Souza, R. M.; Passos, M. M. dos; Yamaki, H. (2013). Paisagem cultural: avaliação das paisagens cênicas de Guaraqueçaba. Acta Geográfica, 7 (15), p. 165-189.
Yázigi, E. (2002). A importância da paisagem. In: Yázigi, E. (Org.). Turismo e paisagem. São Paulo: Contexto. p. 11-27.

Downloads

Publicado

2020-06-10

Como Citar

Calvente, M. del C. M. H., & Oliveira, A. N. de. (2020). Análise da potencialidade das paisagens culturais para o turismo: um estudo no Norte do Paraná. Marketing & Tourism Review, 5(1). https://doi.org/10.29149/mtr.v5i1.5755

Edição

Seção

Artigos