“ESTOU VINDO DE UMA REUNIÃO NA PROMOTORIA, ELA ME ORIENTOU A ENVIAR UM OFÍCIO PEDINDO QUE OS ADOLESCENTES PERMANELAM MAIS QUINZE DIAS EM CASA: EXPERIÊNCIA DE ADOLESCENTES EM MEDIDA SOCIOEDUCATIVA EM NITERÓI NO CONTEXTO DA PANDEMIA

Autores

  • Ana Cléia Gonçalves de Aguiar INEAC/UFF

DOI:

https://doi.org/10.25113/farol.v9i25.6568

Palavras-chave:

conflitos sociais, judiciário, medidas socioeducativas, pandemia

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever etnograficamente as formas de mediação e administração de conflitos entre o judiciário e o grupo de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa acompanhados esse ano por um CREAS  no município de Niterói.  Essa pesquisa foi desenvolvida tendo por método precípuo a etnografia. Observou-se que o CREAS pode vir a funcionar como um "vigiar" para dar fundamentos ao judiciário "punir" esse adolescente. O discurso de meio aberto na prática é operacionalizado como complementar ao cárcere. Ademais, não existe a chamada "pulseira eletrônica" voltada ao público adolescente, então na perspectiva de controle, há uma necessidade de uma "supervisão técnica" das ações desse adolescente. O contexto da pandemia agravou as condições socio-econômicas dos adolescentes, observou-se que não são o público prioritário dos benefícios socioassistenciais. A dificuldade de acesso aos benefícios estão associadas às normartizações e burocratizações dessas concessões atreladas a exigência de documentações e frequência escolar.

Biografia do Autor

Ana Cléia Gonçalves de Aguiar , INEAC/UFF

Mestre pelo PPGJS/UFF, pesquisadora do Neanf e do INCT- InEAC/UFF.

Referências

Belasco, Angélica Gonçalves Silva, & Fonseca, Cassiane Dezoti da. (2020). Coronavírus 2020. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(2), e2020n2. Recuperado em 19 novembro, 2020 de: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020730201

Cecchetto F., Muniz J.O., Monteiro R. A. (2018). “BASTA TÁ DO LADO” – a construção social do envolvido com o crime.Caderno CRH, 82 (31), pp. 99-116.

Davis, A. (2016). O significado de emancipação para as mulheres negras. ​In: ​ Davis, Angela. ​Mulheres, raça e classe ​. São Paulo: Boitempo.

Eilbaum, L. (2012). O “bairro fala”: conflitos, moralidades e justiça no conurbano bonaerense. São Paulo: Hucitec.

Ferreira, L.C.M.; Nadai, L.(2015), Reflexões sobre burocracia e documentos. Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito. 3 (7), 07-13

Filpo, Klever Paulo Leal; Sampaio, Beatriz Magrani; Cunha Julia Toneli Loretti; e Bertelli, Leticia Gonçalves. “Alunos-problema" e outras categorias empíricas da administração de conflitos escolares (2019). In Diana Ramos de Oliveira & Débora Breder & Klever Paulo Leal Filpo. Relações Étnicos-raciais e outros marcadores sociais da diferença: dialógos interdisciplinares. Diana Ramos de Oliveira. Editora Appris

Godoi, R.; Campello R., Mallart F. (2020). O colapso é o ponto de partida: Entrevista com o Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro sobre prisões e a Covid-19. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia ( pp. 1-15)

Goffman, Erving. (1988). Estigma: nota sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Editora LTC.

Grillo, C. C. (2013). Coisas da vida no crime: tráfico e roubo em favelas cariocas. Rio de Janeiro, Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Hirata, D. V., Grillo, C. C. (2017). Sintonia e amizade entre patrões e donos de morro: Perspectivas comparativas entre o comércio varejista de drogas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Tempo soc., 2 (29), ( pp.75-98)

Hirata, D. V.,Grillo, C. C., DIRK, R.. (2020). Apresentação ao relatório Efeitos da Medida Cautelar na ADPF 635 sobre as Operações Policiais na Região Metropolitana do RJ. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia 2020 –(pp. 1-11).

Lima, Roberto Kant de. (1995). A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. (Caps II a XI). Rio de Janeiro: Forense.

Mallart, F. & Cunha, M. I. C. (2019). As dobras entre o dentro e o fora. Tempo soc. 3 (31), 7-15.

Martins, L. A. (2017). Entre a pista e a cadeia. Uma etnografia sobre a experiência da internação provisória em uma unidade socioeducativa no Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais e Jurídicas, UFF, Niterói.

Maia,Boris. (2019). Vida de escola: uma etnografia sobre carisma e autoridade na educação. 1. ed. Niterói: Eduff.

Misse, M. (2006). Crime e Violência no Brasil Contemporâneo: Estudos de Sociologia do Crime e da Violência Urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Misse, M. (2010). Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria" bandido". Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 15-38

Misse, Michel. (2008), Sobre a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Civitas-Revista de Ciências Sociais 8 (3), 371-385.

Neri, Natasha Elbas. (2009). “Tirando a cadeia dimenor”: A experiência da internação e as narrativas de jovens em conflito com a lei no Rio de Janeiro. Tese de doutorado. UFRJ/ IFCS, Rio de Janeiro.

Resolução n. 109, de 11 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília, DF. Recuperado em 18 dezembro, 2019 de: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/tipificacao.pdf

Simião, Daniel Schroeter. Igualdade jurídica e diversidade: dilemas brasileiros e timorenses em perspectiva comparada. In Kátia S.S. Mello & Fario R. Mota & Jacqueline Sinhoreto (Orgs.), Sensibilidades Jurídicas e Sentidos de Justiça na Contemporaneidade. Interlocução entre Antropologia e Direito. (pp. 33-50). Niterói, EDUFF, 2013, p. 33-50.

Silva, G.B. (2019). “QUANTOS AINDA VÃO MORRER, EU NÃO SEI”: O regime do arbítrio, curtição, morte e a vida em umclugar chamado de favela. Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Vianna, A. (2010). Etnografando documentos: uma antropóloga em meio a processos judiciais. Ethnography as Participant Listening. Ethnography. 4 (11).

Vinuto, J. (2019). “O OUTRO LADO DA MOEDA”: O trabalho de agentes socioeducativos no estado do Rio de Janeiro.Tese de Doutorado em Sociologia e Antropologia, UFRJ. Rio de Janeiro.

Vinuto, J. (2020). Ecos da pandemia nos sistemas socioeducativos: Masculinidades caricatas e suas propagações securitárias. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia (pp. 1-13)

Veríssimo, M. (2018). As" drogas ", seus usos e abusos no ambiente escolar. Revista do Departamento de Ciências Sociais, PUC Minas, 1 (16), (p 76- 98).

Wacquant, L. (2003). Punir os pobres: A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 2ª ed. Col. Pensamento Criminológico. Rio de Janeiro: Editora Revan.

Zaluar, Alba. (1994). Condomínio do diabo. Rio de Janeiro: Revan: UFRJ.

Publicado

2022-12-19

Edição

Seção

Dossiê "Desigualdade, direitos sociais e rearranjos institucionais"