A EXPERIÊNCIA ACADÊMICA DO AFETO, OU MEMÓRIAS (E INTERLÚDIOS) DE NOSSO APRENDIZADO COM NEUSA

  • Letícia Dias Fantinel Universidade Federal do Espírito Santo
  • Marina Dantas de Figueiredo
Palavras-chave: Neusa Cavedon, Afeto, Pesquisa, Etnografia

Resumo

Produzimos este texto a partir de nossas experiências de pesquisa sob a orientação de Neusa Cavedon, com foco no afeto como forma de estabelecer relações com o meio acadêmico e de produção de conhecimento engajado, atento, sensível e crítico. Ao revisitarmos o legado de Neusa como pesquisadora, consideramos o imprimir afeto nas relações de pesquisa como uma postura que nos marcou, à época de nossas experiências de orientação, e que influencia nossa forma de fazer ciência e de nos relacionar com o meio científico. Ponderamos ter em conta o afeto como eixo condutor da práxis acadêmica. Pensamos também este tipo de produção textual como homenagem. Neste texto compartilhado, em que nossas vozes se alternam e produzem lapsos ou interlúdios dirigidos ao leitor, experimentamos uma forma de escrita pouco convencional no meio acadêmico, em consonância com os escritos de Neusa, que valorizam a escrita criativa e desafiadora dos padrões.

Biografia do Autor

Letícia Dias Fantinel, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia. Professora Adjunta da Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

Bourdieu, Pierre (2005). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Caldas, Miguel P. (1997). Santo de casa não faz milagre: condicionantes nacionais e implicações organizacionais da fixação brasileira pela figura do “estrangeiro”. In Fernando C. Prestes Motta & Miguel P. Caldas (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira (pp. 73-93). São Paulo: Atlas.

Cavedon, Neusa R. (2014). Método etnográfico: da etnografia clássica às pesquisas contemporâneas. In Eloisio M. Souza (Org.). Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teórico-conceitual (pp. 65-90). Vitória: EDUFES.

Cavedon, Neusa R. (2004). "Pode chegar, freguês": a cultura organizacional do mercado público de Porto Alegre. Organizações & Sociedade, 11(29), 173-189.

Cavedon, Neusa R. (2003). Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS.

Cavedon, Neusa R. (1995). As interfaces entre a Administração, a Antropologia e a Filosofia: um caleidoscópio de idéias. Porto Alegre: PPGA/UFRGS (Documentos para Estudo).

Crubellate, João M. (2005). Estudos organizacionais no Brasil: do futuro que queremos e do futuro que teremos. Cadernos EBAPE. BR, 3(4), 1-4.

Fantinel, Leticia D. & Cavedon, Neusa R. (2010). A cultura organizacional do restaurante Chalé da Praça XV em Porto Alegre: espaços e tempos sendo revelados. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 6-37.

Favret-Saada, Jeanne (2005). Ser afetado. Cadernos de Campo, 13, 155-161.

Fischer, Tânia (1997). A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais – Salvador da Bahia, cidade puzzle. In Fernando C. Prestes Motta & Miguel P. Caldas (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira (pp. 74-88). São Paulo: Atlas.

Fischer, Tania & Mac-Allister, Mônica (2001). Nota técnica: jogando com a cultura organizacional. In Stewart R. Clegg, Cynthia Hardy, & Walter R. Nord (Eds.). Handbook de estudos organizacionais: reflexões e novas direções (pp. 252-259). São Paulo: Atlas.

Goldman, Marcio (2005). Jeanne Favret-Saada, os afetos, a etnografia. Cadernos de Campo, 13(13), 149-153.

Hofstede, Geert (1980). Culture and organizations. International Studies of Management & Organization, 10(4), 15-41.

Lévi-Strauss, Claude (2004). O cru e o cozido: mitológicas 1. São Paulo: Cosac Naify.

MacAllister, Mônica & Moura, Suzana (1996). Cidade estratégica e gestão empreendedora: uma operação de planejamento, pacto e marketing. Organizações & Sociedade, 3(6), 7-29.

Malinowski, Bronislaw (2018). Argonautas do pacífico ocidental. São Paulo: Ubu.

Morgan, Gareth & Smircich, Linda (1980). The case for qualitative research. Academy of management review, 5(4), 491-500.

Peirano, Mariza G. S. (1990). Os antropólogos e suas linhagens. Brasília: Departamento de Antropologia/Universidade de Brasília.

Van Maanen, John (1979). Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. Administrative science quarterly, 24(4), 520-526.

Vergara, Sylvia C.; Caldas, Miguel P. (2005). Paradigma interpretacionista: a busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. Revista de Administração de Empresas, 45(4), 66-72.

Publicado
2020-03-20
Seção
Homenagem a Neusa Rolita Cavedon