EM BUSCA DO IMPACTO PERDIDO? EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS COM SENTIDO LOCAL EM PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO

  • Marcio Gomes Sá UFPE
Palavras-chave: Sentido local, Experiências significativas, Ensino, Pesquisa, Extensão

Resumo

Este depoimento tem como principal foco partilhar experiências significativas, para um professor vinculado ao curso de Administração, de atuação em pesquisa, ensino e extensão num localismo específico, o Agreste pernambucano. Para tal, resgata alguns entendimentos sedimentados sobre aquele contexto e sobre tais ofícios nele, bem como as motivações à criação de sentido local para o seu trabalho. As experiências selecionadas são: a criação e o ensino de da disciplina “Agreste contemporâneo: gente, feira e negócios de confecções”; duas iniciativas de extensão, a assessoria em gestão a uma organização da sociedade civil e a elaboração de um estudo acerca do público lojista de um centro de compras; o horizonte propositivo incomum numa pesquisa sobre membros específicos de uma comunidade artesã (os proprietários de negócios) e seus desdobramentos; e as apresentações públicas de dois livros. Ao seu final, cinco pontos são elencados a título de “conclusão”.

Biografia do Autor

Marcio Gomes Sá, UFPE
Professor do Núcleo de Gestão do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco (NG/CAA/UFPE)

Referências

Araujo, R. M. (2018). As Práticas Problemáticas Recorrentes e a Dimensão Humana na Implementação de uma Solução de TIC: Análise a Partir de uma Experiência no Centro de Educação Popular Assunção. Trabalho de conclusão do curso de graduação em Administração, UFPE, Caruaru, PE, Brasil.

Baranger, D. (2012). Epistemología y metodología en la obra de Pierre Bourdieu (2a. ed.). Posadas, Argentina.

Bourdieu, P. (2014). Por uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70.

Demo, P. (2003). Pesquisa: princípio científico e educativo (10a. ed.). São Paulo: Cortez.

Habermas, J. (1972). Appendix: Knowledge and human interests, a general perspective. In: J. Habermas. Knowledge and Human Interests (pp. 301-350). USA: Beacon Press.

Lyotard, J.-F. (2002). A condição pós-moderna (7a. ed.). Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

Martins, T. L. M. (2017). As diferenças disposicionais que dificultam a relação entre o público lojista e a administração de um centro de compras no Agreste pernambucano. Trabalho de conclusão do curso de graduação em Administração, UFPE, Caruaru, PE, Brasil.

Morais, W. M. (2018). O CEPA e seus egressos: para além da avaliação de projetos, quais impactos podem ser mapeados? Trabalho de conclusão do curso de graduação em Administração, UFPE, Caruaru, PE, Brasil.

Paiva, R. D. S. (2017). A caracterização das disposições administrativas do público lojista de um centro de compras no Agreste pernambucano. Trabalho de conclusão do curso de graduação em Administração, UFPE, Caruaru, PE, Brasil.

Paiva, R. D. S.; Sá, M.; Souza, D. C. (2018). “A gente saiu da feira, mas a feira não saiu da gente”: as disposições administrativas dos proprietários de lojas de um centro de compras no Agreste pernambucano. Cadernos de Estudos Sociais, 33(1), 32-58.

Portocarrero, V. (1994). Filosofia, história e sociologia das ciências. Rio de Janeiro: Fiocruz. Sá, M. (2010). O homem de negócios contemporâneo. Recife: Editora UFPE.

Sá, M. (2015a). Os filhos das feiras e o campo de negócios agreste. Tese de doutoramento em sociologia, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Sá, M. (2015b). Construtivismo bourdieusiano como linguagem: Uma interpretação pragmática. Revista Configurações, 16, 115-128.

Sá, M. (2017). No Agreste com Bourdieu (2007-2016): Pistas para Pesquisa sobre Gente e Negócios em Contexto Periférico. Anais do Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, Florianópolis, SC, Brasil, VI.

Sá, M. (2018a [2011]). Feirantes: quem são e como administram seus negócios (2a. ed.). Recife: Editora UFPE.

Sá, M. (2018b). Filhos das feiras: uma composição do campo de negócios agreste. Recife: Editora Massangana-FUNDAJ.

Sá, M.; Mattos, P. L. C. L. de. (2016). De Pequenos Negócios de Feira à Metodologia Científica: avanços a partir de (e para) experiências em contexto agreste. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 3(7), 605-644.

Sá, M.; Rani, J.; Silva, S.; Leal, B.; Souza, D. C. (2018). Algumas questões do Alto do Moura no século 21 [Relatório técnico-parcial a partir da pesquisa “A gente e o negócio do barro: dilemas e perspectivas para a comunidade artesã do Alto do Moura no século 21”]. Recuperado em 19 de abril, 2019, de: https://www.ufpe.br/documents/1645142/1645174/relatrio+tcnico+parcial_algumas+questes+ do+alto+do+moura+no+sculo+21.pdf/2b523827-70f1-4918-a93f-0c697117ae09.

Sá, M.; Souza, D. C.; Sousa, J. R. F.; Leal, B. T.; Silva, S. K.; Silva, T. F. L. (2018a). Novas e velhas distinções na comunidade artesã do Alto do Moura: tensões emergentes entre membros- proprietários de negócios no século 21. Anais do Encontro da ANPAD (EnANPAD), Curitiba, PR, Brasil, XLII.

Sá, M.; Sousa, J. R. F.; Souza, D. C; Silva, S. K.; Leal, B. T.; Silva, T. F. L. (2018b). Seguir ou não no artesanato: modos de fazer, desafios e emergência de outros negócios no Alto do Moura do século 21. Anais do Encontro da ANPAD (EnANPAD), Curitiba, PR, Brasil, XLII.

Sá, M.; Tabosa, C. F. B.; Araujo, R. M.; Morais, W. M. (2018). Desafios recentes à gestão de uma ONG agrestina: o caso do Centro de Educação Popular Assunção (CEPA) sob diversos olhares. Anais do Encontro Nacional de Pesquisadores em Gestão Social (ENAPEGS), Juazeiro do Norte, CE, Brasil, 2018, X.

Sá, M; Mattos, P. L. C. L.; Barros, A. N.; Costa, A. S. M. (2019). Autoformação Política em Pesquisa Social: Intencionalidades Duradoras e a Prioridade do Local. TPA - Teoria e prática em Administração, 9(1), 1-14.

Serva, M. (2017). A nova ideologia econômica da ciência e a (re)politização do campo.
Ciências em Debate, 2, 52-58.

Souza, D. C.; Martins, T. L. D.; Paiva, R. D. S.; Sá, M. (2017). Caracterização do Público Lojista de um Centro de Compras no Agreste das Confecções: Tendências Disposicionais e

Tensões Administrativas. Anais do Encontro da ANPAD (EnANPAD), São Paulo, SP, Brasil, XLI.

Vessuri, H. (1991). Perspectivas en el estudio de la ciencia. Interciencia, 16, 60-69. Wittgenstein, L. (1999 [1953]). Investigações filosóficas. São Paulo: Editora Nova Cultural.
Publicado
2019-05-27
Seção
Depoimentos