NOVA REPÚBLICA, NOVAS PRÁTICAS: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE EMPRESARIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL (1990-2010)

  • Marcio Silva Rodrigues Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Rosimeri de Fátima Carvalho da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Empresa, Empresarização, Ensino Superior, Discurso.

Resumo

O objetivo deste texto é discutir como as práticas dos grupos que governaram o Estado brasileiro entre 1990 e 2010 contribuíram para intensificar o processo de empresarização do ensino superior no país. De forma geral, os eventos discursivos selecionados e analisados a partir da metodologia da análise crítica do discurso, carregam certa univocidade e apontam a existência de dois importantes momentos desse processo. O primeiro, marcado pelo empenho em produzir um conjunto de práticas orientadas à compreensão da educação superior a partir das maneiras de agir e de pensar que sustentam a ideia de empresa. E o outro, caracterizado pelo esforço em consolidar métodos empresariais no seio das instituições de ensino com o intuito de estabelecer “boas práticas de gestão” e, consequentemente, maximizar os resultados organizacionais. Somado à ressignificação da noção de autonomia universitária, tudo isso parece contribuir para exaltar, ainda mais, o discurso empresarial nesse espaço.

Biografia do Autor

Marcio Silva Rodrigues, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS), do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindustriais (PPGDTSA) e do Curso de Bacharelado em Administração da Universidade Federal de Pelotas. Pesquisador do Observatório da Realidade Organizacional e Líder do Núcleo de Estudos Marcelo Milano Falcão Vieira (NeMaVi). 

Rosimeri de Fátima Carvalho da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professora titular da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora do Núcleo de Estudos Marcelo Milano Falcão Vieira (NeMaVi) e do Observatório da REalidade Organizacional-SC

Referências

Abraham, Y. (2006). L’entreprise est-elle nécessaire? In: J. Dupuis (org.). Sociologie de l’entreprise. Montréal: Gaëtan Morin Editeur.

Almeida, M. P. (2010). Reformas neoliberais no Brasil: a privatização nos governos Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso. Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Arienti, W. L. (2003) Do Estado Keynesiano ao Estado Schumpeteriano. Revista de economia política, 23 (4), 97-113.

Baudrillard, J. (1995). Sociedade de consumo. São Paulo: Elfos.

Borges, M. C. A. (2009). A educação superior numa perspectiva comercial: a visão da Organização Mundial do Comércio. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 25 (1), 83-91.

Braga, R., & Bianchi, A. (2015). Entre duas ameaças: a burocracia e a mercantilização da universidade. Margem Esquerda – ensaios marxistas, 25, 36-42.

Brasil. (1986). I Plano Nacional de Desenvolvimento da Nova República: a retomada do desenvolvimento e o combate à pobreza (1986-1989). Brasília. Recuperado 21 março, 2014, de http://br.vlex.com/vid/diretrizes-primeiro-plano-pnd-periodo-3428013.

Brasil. (1988). Constituição. Brasília: Senado Federal. Recuperado 10 junho, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.

Brasil. (1991). Brasil: um projeto de reconstrução nacional. Brasília: Presidente, 1990-1995 (F. Collor). Brasil.

Brasil. (1995, novembro). Lei 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências”. In: Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado 28 maio, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9131.htm.

Brasil. (1996). Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Institui a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. In: Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado 10 junho, 2014, de http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf.

Brasil. (2003). Bases para o enfrentamento da crise emergencial das universidades federais e roteiro para a reforma universitária brasileira. Brasília: Grupo de Trabalho Interministerial. Recuperado 14 agosto, 2014, de http://www.anped.org.br/reformauniversitaria3.pdf.

Brasil. (2004). Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES e dá outras Providências. In: Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado 21 agosto, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm.

Brasil. (2005). Lei 11.096, de 13 de Janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências”. In: Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado 4 abril, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/L11096.htm.

Brasil. (2007a). Programa de Aceleração do Crescimento. Brasília: Ministério da Fazenda. Recuperado 3 setembro, 2014, de http://www.fazenda.gov.br/portugues/releases/2007/r130307.pdf.

Brasil. (2007b). O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC. Recuperado 30 maio, 2014, de http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me004370.pdf.

Brasil. (2007c). Decreto-Lei n. 6.096 de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI”. In: Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado 27 março, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm.

Brasil. (2010). Sinopse das Ações do Ministério da Educação. Brasília: MEC.

Burawoy, M. (2015). Ensino superior em crise: o contexto global. Margem Esquerda – ensaios marxistas, 25, 43-51.

Cardoso, F. H. (2008). Mãos à obra, Brasil: proposta de governo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Carvalho, C. E. (2003). O Fracasso do Plano Collor: Erros de Execução ou de Concepção?. In: Encontro Nacional de Economia. Niterói: Economia, 4 (2), 283-331.

Chauí, M. (1999). A universidade operacional. Folha Online São Paulo: Folha Online. Recuperado em 2 janeiro, 2015, de http://www1.folha.uol.com.br/fol/brasil500/dc_1_3.htm.

Chauí, M. (2003). Universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, 24, 5-15.

Chauí, M. (2006). Leituras da crise: Diálogos sobre o PT, a democracia brasileira e o socialismo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Chauí, M. (2010). Entrevista Marilena Chauí. São Paulo: Revista Cult. Recuperado em 11 setembro, 2014, de http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/entrevista-marilena-chaui/.

Collor, F. (1990) Discurso de Posse no Congresso Nacional. Recuperado em 2 junho, 2012, de http://www.youtube.com/watch?v=GnU-CZySsFE.

Cunha, L. A. (1989) A universidade crítica: o ensino superior na República Populista. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Cunha, L. A. (1990, agosto). O ensino superior no plano Collor comentários sobre o plano setorial de educação 1991-1995. Revista Educação e Sociedade, 36, 134-138.

Cunha, L. A. (2003, abril). O Ensino Superior no Octênio FHC. Revista Educação e Sociedade, 24(82), 7-22.

Dardot, P., & Laval, C. (2014) The new way of the world: On neoliberal society. London: Verso Books.

Emirbayer, M. (1997, setembro). Manifesto for a Relational Sociology. American Journal of Sociology, 103(2), 281-317.

Emirbayer, M., & Mische, A. (1998, janeiro) What is Agency? American Journal of Sociology, 103(4), 962-1023.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Fairclough, N. (2003). Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge.

Fávero, M. L. A. (2006). A Universidade no Brasil: das origens à reforma universitária de 1968. Educar, 28, 17-36.

Fernandes, F. (1975). Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Omega.

Foucault, M. (2008a). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (2008b). O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Giambiagi, F., Villela, A., Castro, L. B., & Hermann, J. (2005). Economia brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier.

Hollyday, I. (2000). Productivist Welfare Capitalism: Social Policy in East Asia. Political Studies, 48 (4), 706–723.

Lattman-Weltman, F., Carneiro, J. A. D., & Ramos, P. A. (1994). A imprensa faz e desfaz um presidente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta.

Leher, R. (2015). Crise universitária, crise do capital. Margem Esquerda – ensaios marxistas, 25, 27-35.

Leher, R. (2009). ENEM: o que é comodificado é mercadoria. Jornal da ADUFRJ-SSind, 635, 06 de outubro de 2009.

Lima, K. R. S. (2003). Organismos internacionais e política de educação superior na periferia do capitalismo. Reunião anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), Caxambu, Minas Gerais, Brasil, 26.

Lima, K. R. S. (2011). O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, 14(1), 86-94.

Lipovetsky, G. (1989). O Império do Efêmero. São Paulo: Companhia das Letras.

Magalhães, L. A. (2005, setembro). A mídia, o medo e o governo Lula. Margem Esquerda, 6, s/p.

Mancebo, D. (2004, setembro/dezembro). Universidade para todos: a privatização em questão. Pro-Posições, 15(3), 75-90.

Mattei, L., & Magalhães, L. F. (2011). A política econômica durante o governo Lula: cenários, resultados e perspectivas. In: M. de. Paula. Nunca antes na história desse país...? um balanço das políticas do governo Lula. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll.

Meneghel, S. M. (2001). A crise da universidade moderna no Brasil. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Neves, M. L. W. Rumos Históricos da Organização Privatista. (2002). In: M. L. W. Neves (org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã.

Quijano, A. (2000, maio/agosto). El Fantasma del Desarrollo en América Latina. Rev. Venez. de Econ. y Ciencias Sociales, 6(2), 73-90.

Reis, D. A. (2007). O Partido dos Trabalhadores: trajetória, metamorfoses, perspectivas. In: J. Ferreira (org). As esquerdas no Brasil. Revolução e democracia. 1964. 1. ed, v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Rothen, J. C., & Schulz, A. (2005). SINAES: do documento original à legislação. In: 28. Reunião Anual da ANPED: 40 Anos de Pós-Graduação em Educação. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 28.

Sader, E. (1991). A Transição no Brasil. Da ditadura à democracia. São Paulo: Atual.

Sennett, R. (2004). A corrosão do caráter – consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Sguissardi, V. (1993). Universidade, Fundação e Autoritarismo: o caso da UFSCar. São Paulo: Estação Liberdade.

Sguissardi, V. (2005, janeiro/abril). Universidade pública estatal: Entre o público e o privado/mercantil. Revista Educação & Sociedade, 26 (90), 191-222.

Sguissardi, V. (2007). Pós-graduação no Brasil: conformismo, neoprofissionalismo, heteronomia e competitividade. Exposição realizada em Sessão Especial da 30ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, Minas Gerais, Brasil, 30.

Sguissardi, V. (2009). Universidade Brasileira no século XXI. São Paulo: Cortez.

Silva, L. I. L. da. (2002, junho). Carta ao Povo Brasileiro. São Paulo: Partido dos Trabalhadores. Recuperado em 9 agosto, 2014, de http://www2.fpa.org.br/carta-ao-povo-brasileiro-por-luiz-inacio-lula-dasilva.

Solé, A. (2004). ¿Qué es una empresa? Construcción de un idealtipo transdisciplinario. Working Paper, Paris.

Solé, A. L. (2008). ‘enterprisation du monde. In: J. Chauze, & F. Torres. Repenser l'entreprise: Saisir ce qui commence, vingt regards sur une idée neuve. Paris: Le Cherche Midi.

Teixeira, A. S. (1989). Ensino Superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas.

Teixeira, A. S. (1998). Educação e Universidade. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Tragtenberg, M. (1974). Burocracia e Ideologia. São Paulo: Ática.

Van Dijk, T. A. (2008). Discurso e Poder. São Paulo: Contexto.

Weber, M. (2004a). Economia e Sociedade. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Weber, M. (2004b). A Ética protestante e o espírito do capitalismo: texto integral. São Paulo: Martin Claret.

World Bank. (1995). Priorities and strategies for education: a World Bank review. Washington, D.C., World Bank.
Publicado
2019-05-27
Seção
Artigos