CRISE E CRÍTICA: 2013 ENTRE DOMINAÇÃO E RUPTURA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

  • Frederico Rodrigues Bonifácio Universidade Federal de Minas Gerais
  • Rogata Soares Del Gáudio Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Nesse ensaio, pretendemos analisar, a partir de um recorte teórico centrado na apropriação e uso relacionados ao espaço geográfico, as jornadas de junho de 2013 e alguns de seus desdobramentos posteriores, bem como intentamos verificar sua relação com o impedimento do governo Dilma Rousseff em 2016. Assim, inicialmente faremos um resgate dos sentidos e significados da revolta popular de 2013, posteriormente nos ateremos às determinações que imputaram tal revolta, bem como buscaremos compreender seus limites. Limites estes que, como buscaremos delinear, comunicam-se de maneira decisiva a uma forma específica de sociabilidade em que todos os tempos, espaços e ritmos tendem a estar subordinados pelas determinações da abstração real capitalista.  

Biografia do Autor

Frederico Rodrigues Bonifácio, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorando em Geografia. Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da UFMG.
Rogata Soares Del Gáudio, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Educação. Professora do Curso de Geografia e do Programa de Pós Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da UFMG.

Referências

ADORNO, Theodor. A ideia de História Natural. Disponível em: http://planeta.clix.pt/adorno/, 1932.
ADORNO, Theodor. Critica cultural e sociedade. ADORNO, Theodor W. Sociologia. (Org. Gabriel Cohn). São Paulo: Ática, 1994.
ADORNO, Theodor. Palavras e sinais. Petrópolis: Vozes, 1995.
ADORNO, Theodor. Tempo livre. In: Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
ALFREDO, Anselmo. Crise imanente, abstração espacial. Fetiche do capital e sociabilidade crítica. In: Terra livre, n.34. São Paulo, 2010.
ANDERSON, Perry. A crise no Brasil. Blog da Boitempo, postado em 21 abr. 2016. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/terceiros/2016/abril/16.04-Crise-no-Brasil.pdf Acesso em 21 jun. 2017.ARANTES, Paulo. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo, 2014.
ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.
BEY, Hakim. Contra a legalização. Disponível em: http://pt.protopia.at/wiki/Contra_a_Legaliza%C3%A7%C3%A3o, 2011. Acesso em: 14/04/2013.
BONIFÁCIO, Frederico Rodrigues. Negatividade e poiésis: os limites internos absolutos da crítica e da política. In: Anais do Colóquio Internacional Marx e o Marxismo 2017 De O capital à Revolução de Outubro (1867 – 1917). Niterói, 2017.
CUNHA, Daniel. Resistência e direito à cidade: esboço de uma gênese do movimento em Porto Alegre. In: Revista Sinal de Menos: os sentidos da revolta, São Paulo, 2013.
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
DIAS, F.C.T. O tédio como gris administrado: dos limites da organização social do trabalho aos impasses da psicologia. Dissertação de Mestrado em Psicologia, UFSJ, 2014.
GARCIA, Cyro. Partido dos Trabalhadores: da ruptura com a lógica da diferença à sustentação da ordem. Tese de doutorado em História, UFF, 2008.
HOBSBAWM, Eric. A era do capital. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
JAPPE, Anselm. As aventuras da mercadoria: por uma nova crítica do valor, Lisboa: Antígona, 2006.
KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
KURZ, Robert. Cinzenta é a árvore dourada da vida e verde é a teoria. Disponível em: http://www.obeco-online.org/rkurz288.htm, 2007.
KURZ, Robert. A indústria cultural no século XXI: sobre a atualidade da concepção de Adorno e Horkheimer. Disponível em: http://www.obeco-online.org/rkurz406.htm 2010.
KURZ, Robert. Dinheiro sem valor: linhas gerais para uma transformação da crítica da economia política. Lisboa: Antígona, 2014.
LEFEBVRE, Henri. Metafilosofia: prolegômenos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.
LEFEBVRE, Henri. Le Droit à la ville, Paris: Anthropos, 1968.
LEFEBVRE, Henri. Introdução à modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 1969.
LEFEBVRE, Henri. O pensamento marxista e cidade. São Paulo: Ulisseia, 1972.
LEFEBVRE, Henri. A “práxis”: relação social como processo. In: Sociologia e sociedade: Leituras de introdução à sociologia. Marialice Mencarini e Foracchi e José de Souza Martins. (orgs.). Rio de Janeiro: LTC S/A, 1977.
LEFEBVRE, Henri. Rhythmanalysys: space, time and everyday life. London: Continum, 2004.
MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
MARQUES, Paulo. A revolta e seu duplo: entre a revolta e o espetáculo. Revista Sinal de Menos: os sentidos da revolta, São Paulo, 2013.
MARTINS, Sérgio. Poder, política, urbano e a caixa de pandora. In: Cidades. Vol.7, n.11, 2010.
MARX, Karl. Teses sobre Fuerbach. In: MARX, K & ENGELS, F. A Ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.
MARX, Karl. Crítica à filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010.
MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís de Bonaparte. In: A revolução antes da revolução II. São Paulo: Expressão Popular, 2015.
RANCIÈRE, Jacques. O Dissenso. In. BIGNOTTO, N; NOVAES, A. (Orgs.) A Crise da Razão. São Paulo, Cia das Letras, 1996.
Resoluções de Encontros e Congressos 1979-1998. Partido dos Trabalhadores. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 1998.
SAFATLE, Vladimir. A derrota é algo que se constrói a frio. In: Revista Cult n.212. São Paulo, 2016.
SALLES, D. A concepção pedagógica e o projeto educacional conservador e reacionário do Movimento Escola sem Partido: uma crítica a partir da função de subjetivação do processo de ensino-aprendizado. RevistAleph, Ano XIV, número 28, julho 2017. Disponível em: http://revistaleph.uff.br/index.php/REVISTALEPH/article/view/505/336 Acesso em 23 jul. 2017
SINGER, André, Quatro notas sobre as classes sociais nos dez anos do lulismo. Psicologia USP [en linea] 2015, 26 (Enero-Abril) : [Fecha de consulta: 28 de junio de 2017] Disponible en: ISSN 0103-6564.
THERBORN, Göran. La ideologia del poder y el poder de la ideologia. México: Siglo Veintiuno, 1991.
VAINER, Carlos. Quando a cidade vai às ruas. In: Vainer [et. al] Cidades Rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram conta das ruas do Brasil, São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013.
VIEGAS, Maria Ivanice. O enigma do rosário: os mistérios da (re)exsitência nas correntezas da urbanização. Tese de doutorado em Geografia, UFMG, 2014.
ŽIŽEK, Slavoj. A visão em paralaxe. São Paulo: Boitempo, 2008.
Publicado
2019-05-27
Seção
Ensaios