A CONSTRUÇÃO IDEOLÓGICA DO CONCEITO DE POBREZA NOS RELATÓRIOS DO BANCO MUNDIAL

  • Gabriela Cordioli Coto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Raphaela Reis Conceição Castro Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luis Moretto Neto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Silvio Antonio Ferraz Cario Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Banco Mundial, Análise Crítica do Discurso, Pobreza.

Resumo

Os relatórios do Banco Mundial, nos anos 90, passaram a propor ações para adaptação dos Estados nacionais à reconfiguração neoliberal do sistema capitalista. A minimização do Estado e a readequação de suas funções seria possível, de acordo com os organismos internacionais, por meio de um conjunto de reformas. Essas reformas também exigiam uma postura mais ativa dos Estados em relação as políticas sociais, reduzidas, no discurso do Banco Mundial, às políticas de combate à pobreza. Compreendendo que o conceito de pobreza que sustenta os relatórios de Banco Mundial parte de acepções neoliberais que contribuem para o acirramento das desigualdades sociais, bem como dependência internacional, a partir do arcabouço teórico metodológico da Análise Crítica do Discurso, procuramos nesse trabalho analisar de que forma a construção do conceito de pobreza nos relatórios de 1990 e 2000-2001 do Banco Mundial, dissimula relações desiguais engendradas no desenvolvimento dependente dos países da América Latina. 

Biografia do Autor

Gabriela Cordioli Coto, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutoranda em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina.
Raphaela Reis Conceição Castro Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Instituto Federal do Rio de Janeiro e doutoranda em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Luis Moretto Neto, Universidade Federal de Santa Catarina
Professor Titular- Aposentado
Colaborador do Programa de Pós Graduação em Administração
Universidade Federal de Santa Catarina
Silvio Antonio Ferraz Cario, Universidade Federal de Santa Catarina
Dr, em Economia pela UNICAMPProf. dos Programas de Pós Graduação em Economia e em AdministraçãoUniversidade Federal de SC

Referências

Arienti, Wagner L. (2003). Do estado keynesiano ao estado schumpeteriano. Revista de Economia Política, 23(4), 97-113

Azevedo, Darana C. & Burlandy, Luciene (2010). Política de combate à pobreza no Brasil, concepções e estratégias. Katálysis, 13(2), 201-209.

Banco Mundial (1990). Relatório sobre o desenvolvimento mundial 1990. A pobreza. Recuperado em 18 outubro, 2017 de: http://documents.worldbank.org/curated/pt/188701468322757498/Relatorio-sobre-o-desenvolvimento-mundial-1990-a-pobreza.

Banco Mundial (2000/2001). Relatório sobre o desenvolvimento mundial 2000-2001. Luta contra a pobreza. Recuperado em 18 outubro, 2017 de: http://documents.worldbank.org/curated/pt/927161468164645652/Relatorio-sobre-o-desenvolvimento-mundial-2000-2001-luta-contra-a-pobreza.

Boron, Atilio (2011). Pensamiento crítico y emancipación social [discurso inaugural]. Programa latinoamericano de educación a distancia. Buenos Aires: Centro Cultural de la Cooperación Floreal Gorini.

Bresser Pereira, Luiz C. (2009). Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio do Janeiro: Elsevier.

Camara, Guilherme D. (2013). Os programas sociais de combate à pobreza na Argentina e no Brasil: uma abordagem do marxismo latino-americano. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Cano, Wilson (2010). Uma agenda nacional para o desenvolvimento. Textos para discussão, 183, 1-33. Recuperado em 4 setembro, 2016, de: http://www.eco.unicamp.br/docprod/downarq.php?id=1813&tp=a.

Carneiro, Ricardo O. (2006). O desenvolvimento revisitado. São Paulo em Perspectiva, 20(3), 73-82.

Evans, Peter (1996). El Estado como problema y como solución. Desarollo Económico: Revista de Ciencias Sociales, 35(140), 529-559.

Fairclough, Norman (2003). Discurso e mudança social. Brasília: UnB.

Fiori, José L. (1999). Introdução: de volta a questão da riqueza de algumas nações. In José L. Fiori (Org.) Estado e moedas no desenvolvimento das nações (2a ed) (pp. 11-14). Rio de Janeiro: Vozes.

Furtado, Celso (1992). Subdesenvolvimento revisitado. Economia e sociedade, 1(1), 5-19.

Furtado, Celso (1980). Pequena introdução ao desenvolvimento: um enfoque interdisciplinar. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Hunt, Emery K. (1985). Adam Smith. In Emery K. Hunt. História do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Campus.

Iglesias, Enrique V. (2010). O papel do Estado e os paradigmas econômicos. Revista CEPAL, n.spe, 45-53.

Magalhães, Izabel (2005). Introdução: a análise de discurso crítica. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, 21(n.spe), 1-9.

Marini, Ruy M. (2000). Dialética da dependência. Rio de Janeiro: Vozes.

Marx, Karl (1984). O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural.

Paiva, Suzana C. F. (2009). Estratégias de política industrial e desenvolvimento econômico: ideias e ideias de Fernando Fajnzylber para América Latina. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Pereira, Ilidio & Misoczky, Maria C. (2007). Peter Drucker e a legitimação do capitalismo tardio: uma análise crítica do discurso. Gestão.org: Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 5(3), 260-283.

Polanyi, Karl (1980). A grande transformação: as origens da nossa época (3a ed). Rio de Janeiro: Campus.

Resende, Viviane M. & Ramalho, Viviane (2006). Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto.

Sen, Amartya (2000). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Thompson, John B. (2002). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes.

Ugá, Vivian D. (2004). A categoria pobreza nas formulações de política social do Banco Mundial. Revista de Sociologia e Política, 23, 55-62.

Vandenberghe, Frederic (2011). Um estado para o cosmopolitismo. Novos Estudos CEBRAP, 90, 85-101.

Vianna, Maria L. T. W. (2008). Hiper-realidade ou hipnoterapia? A reflexão dos cientistas sociais sobre a política social no Brasil de hoje. In Fatima B. OLIVEIRA (Org.). Política de gestão pública integrada (pp. 63-71). Rio de Janeiro: FGV.

Publicado
2020-03-20
Seção
Artigos