A POLÍTICA DO MAINSTREAM DOS ESTUDOS ORGANIZACIONAIS FRENTE AO POLÍTICO: OFENSIVA NEOLIBERAL À BUROCRATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS

  • Carlos Eduardo Justen Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Eloise Helena Livramento Dellagnelo Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: Estudos organizacionais, Ontologia, Política, Neoliberalismo

Resumo

Este artigo, na forma de um ensaio teórico, intenta demonstrar o caráter político do mainstream dos estudos organizacionais, cujo ocultamento é a base de sua dominação, e, por decorrência, evidenciar a íntima ligação dos estudos organizacionais com o processo social mais abrangente, num contexto de embate real entre projetos políticos hegemônicos que pretendem, a sua maneira, a instituição e a preservação de uma ordem política e social dentre as várias possíveis. Em particular, trata-se de um esforço para evidenciar o posicionamento do mainstream no contexto do projeto neoliberal de enfrentamento da burocratização das relações sociais decorrente do Estado de Bem-Estar Social. Como resultado, tem-se a demonstração da natureza ontológica dos estudos organizacionais e a constituição de um ponto de partida mais adequado para o entendimento das categorias fundacionais desse campo de estudo.

Referências

Alvesson, M. & Deetz, S. (2005). Critical theory and postmodernism: approaches to organizational studies. In: C. Grey & H. Wilmott (Eds). Critical management studies: a reader (pp. 60-106). New York: Oxford University Press.

Barker, J. R. (2005). Tightening the Iron Cage: concertive control in self-managing teams. In: C. Grey & H. Wilmott (Eds). Critical management studies: a reader (pp. 209-243). New York: Oxford University Press.

Baritz, L. (2005). The servants of power. In: C. Grey & H. Wilmott (Eds). Critical management studies: a reader (pp. 29-45). New York: Oxford University Press.

Barnard, C. I. (1971). As funções do executivo. São Paulo: Atlas.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bobbio, N. (1986). O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo (6a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Böhm, S. (2006). Repositioning organization theory: impossibilities and strategies. New York: Palgrave Macmillan.

Castoriadis, C. (1986). A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

Chia, R. (1997). Essai: thirty years on: from organizational structures to the organization of thought. Organization Studies, 18(4), 685-707.

Clegg, S. R. (1998). As organizações modernas. Oeiras: Celta.

Clegg, S. R. & Bier, C. A. (2010). Ethics and power in business schools and organizations. Journal of Power, 3(2), 227-242.

Denhardt, R. B. (2012). Teorias de Administração Pública. São Paulo: Cengage Learning.

Donaldson, L. (1985). In defence of organization theory: a reply to the critics. Cambrigde: Cambrigde University Press.

Enriquez, E. (1974). Imaginário social, recalcamento e repressão nas organizações. Tempo Brasileiro, 36/37, 53-94.

Etzioni, A. (1976). Organizações modernas. São Paulo: Pioneira.

Etzioni, A. (1974). Análise comparativa das organizações complexas: sobre o poder, o engajamento e seus correlatos. Rio de Janeiro: Zahar.

Faria, J. H. (1985). O autoritarismo nas organizações. Curitiba: Criar Edições/FAE.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido (17a ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Friedman, T. L. (2005). O mundo é plano: uma breve história do século XXI. Rio de Janeiro: Objetiva.

Friedman, T. L. (1999). O Lexus e a Oliveira: entendendo a globalização. Rio de Janeiro: Objetiva.
Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: Ideias & Letras.

Hayek, F. A. (1977). O caminho da servidão (2a ed.). Porto Alegre: Globo.

Hobsbawn, E. J. (2009). A era das revoluções – 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Laclau, E. & Mouffe, C. (1987). Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Madrid: Siglo XXI.

Macpherson, C. B. (1978). A democracia liberal: origens e evolução. Rio de Janeiro: Zahar.

Marchart, O. (2007). Post-foundational political thought: political difference in Nancy, Lefort, Badiou and Laclau. Edinburgh: Edinburgh University Press.

Marsden, R. (2005). The politics of organizational analysis. In: C. Grey & H. Wilmott (Eds). Critical management studies: a reader (pp. 132-164). New York: Oxford University Press.

Mendonça, D. (2014). O momento do político: evento, indecidibilidade e decisão. Dados – Revista de Ciências Sociais, 57(3), 745-771.
Misoczky, M. C. A. & Vecchio, R. A. (2006). Experimentando pensar: da fábula de Barnard à aventura de outras possibilidades de organizar. Cadernos EBAPE.BR, 4(1), 1-11.

Misoczky, m. c. a., Moraes, j. & Flores, r. k. (2009). Bloch, Gramsci e Paulo Freire: referências fundamentais para os atos de denúncia e do anúncio. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 448-471.

Motta, F. C. P. (1985). Prefácio. In: Faria, J. H. O autoritarismo nas organizações (pp. 11-14). Curitiba: Criar Edições/FAE.

Mouffe, C. (1999). El retorno de lo político: comunidad, cuidadanía, pluralismo, democracia radical. Barcelona: Paidós.

Parker, M. (2002). Against management: organization in the age of managerialism. London: Polity.

Parsons, T. (1971). Sugestões para um tratado sociológico da teoria de organizações. In: A. Etzioni. Organizações complexas: estudo das organizações em face dos problemas sociais (pp. 43-57). São Paulo: Atlas.
Osborne, D. & Gaebler, T. (1994). Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação.

Quijano, A. (2009). Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. In: C. Araujo & J. Amadeo (Orgs.). Teoria política latino-americana (pp. 21-44). São Paulo: Hucitec/FAPESP.

Schumpeter, J. A. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar.

Selznick, P. (1976). Fundamentos da teoria de organização. In: A. Etzioni. Organizações complexas: estudo das organizações em face dos problemas sociais (pp. 30-42). São Paulo: Atlas.

Simon, H. A. (1970). Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Taylor, F. W. (1990). Princípios de administração científica (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Whitley, R. (1984). The fragmented state of management studies: reasons and consequences. Journal of Management Studies, 21(3), 331-348.
Publicado
2018-07-24
Seção
Dossiê "Organizações Alternativas e Contra Hegemônicas"