EXPERIÊNCIAS DISTINTAS E SENTIDOS COMPARTILHADOS: O USO DE MOEDAS COMPLEMENTARES E SOCIAIS NO BRASIL E NA FRANÇA

  • Ariádne Scalfoni Rigo Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Palavras-chave: Moeda Social. Antropologia Econômica. Palmas. Sol-Violette

Resumo

Com base no entendimento da antropologia econômica sobre a moeda e nos cenários que se delineiam no Brasil e na França em torno do uso de moedas sociais e complementares, este trabalho presenta e discute duas experiências de uso destes circulantes locais: as Palmas, primeira moeda social emitida pelo Banco Palmas de Desenvolvimento, em 2002; e a Sol-Violette, moeda social que circula na cidade de Toulouse, na França, desde 2011. A discussão aponta que mesmo em contextos e modos de funcionamento distintos, as experiências compartilham sentidos comuns para além do econômico, notadamente o político e o simbólico

Biografia do Autor

Ariádne Scalfoni Rigo, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Núcleo de Pós Graduação em Administração da Universidade Federal da Bahia.

Referências

Aglietta, M. & Órlean, A. (1990). A violência da moeda. São Paulo: Brasiliense.

Bilan Phase Expérimental Sol-Violette. (2011). Mairie de Toulose: Economie sociale et solidaire.

Blanc, J. (1998). Las monnaies paralléles: èvaluation du phénomène et enjeux théoriques. Revue D’économie Financière, 49, 81-102.

Búrigo, F. L. (2002). Moeda social e circulação de riquezas na economia solidária. Recuperado em 29 agosto, 2010, de: http://money.socioeco.org/documents/67pdf_Moeda.pdf

Caillé, A. (2002). Antropologia do dom: o terceiro paradigma. Petrópolis: Vozes.

Caillé, A. (1995). Prefácio. In: P. Rospabé. La dette de la vie (pp. 9-25). Paris: La découverte/Mauss.

Carneiro, G. & Bez, A. C. (2011). Clubes de trocas: rompendo silencio, construindo outra história (2a ed.) (pp. 13-28). Curitiba: Editora Popular/CEFURIA.

Centro de Fomação Urbano Rural Irmã Araújo (CEFURIA). (2013). Relação dos clubes de troca [em Curitiba]: com municípios, bairros, dias e horários de funcionamento. Recuperado em 26 fevereiro, 2013, de: http://www.cefuria.org.br/doc/clubes.pdf.

Colliac, S. (2005). Monnaies parallèles provinciales et fédéralisme budgétaire em Argentine. Revue D’ Économie Financière, 81, 1-20.

Faire Mouvement: synthèsis des débats. (2012). Relatório do Rencontre Internationale des Acteurs des Monnaies Sociales et Complémentaires I, Recuperado em 13 janeiro, 2013, de: monnaieendebat.org.

França Filho, G. C., Rigo, A. S., & Silva Junior, J. T. (2012). L’enjeu de le usage des monnaies sociales dans les banques communautaires de développement au Brésil: etude du cas de la Banque Palmas. Revue Internationale de L’économie Sociale, 324, 70-86.

França Filho, G. C.; Silva Junior., J. T. (2009). Bancos comunitários de desenvolvimento (BCD). In: A. D. Cattani, J.-L. Laville, L. I. Gaiger, & P. Hespanha (Orgs). Dicionário internacional da outra economia (pp. 31-37). São Paulo: Almedina.

Freires, M. V. (2011). Moedas sociais: contributo em prol de um marco legal e regulatório para as moedas sociais circulantes locais no Brasil. Tese de doutorado, Faculdade de Direito, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Gelleri, C. (2009). Chiemgauer regiomoney: theory and practice of a local currency. International Journal of Community Currency Research, 13, 61-75.

Godbout, J. T. (1999). O espírito da dádiva. Rio de Janeiro: FGV.

Godelier, M. (1995). L' enigme du don. Paris: Grasset apud Caillé, A. (2002). Antropologia do dom: o terceiro paradigma. Petrópolis: Vozes.

Instituto Banco Palmas de Desenvolvimento e Socioeconomia Solidária. (2012). Relatório anual de 2012. Fortaleza: IBP.

Instituto Banco Palmas de Desenvolvimento e Socioeconomia Solidária (2011). Relatório do mapeamento da produção e do consumo. Fortaleza: IBP.

Instituto Banco Palmas de Desenvolvimento e Socioeconomia Solidária (2009). Relatório do mapeamento da produção e do consumo. Fortaleza: IBP.

Laville, J.-L. (2009). Economia plural. In: A. D. Cattani, J.-L. Laville, L. I. Gaiger, & P. Hespanha (Orgs). Dicionário internacional da outra economia (pp. 145-149). São Paulo: Almedina.

Lieater, B. (2001). The future of money: creating new wealth, work and a wiser world. London: Century, 2001 apud Menezes (2007) Moedas locais: uma investigação exploratória sobre seus potenciais como alternativa à exclusão financeira a partir do caso do Banco Bem em Vitória/ES. Dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Lietaer, B. & Kennedy, M. (2010). Monedas regionales: nuevos instrumentos para una prosperidad sustentable. S.L. : La Hidra de Lerna Ediciones.

Martignoni, J. (2012). A new approach to a typology of complementary currencies. International Journal Community Currency Research, 16, 1-17.

Melo Neto, J. J. & Magalhães, S. (2003). Bairros pobres, ricas soluções: Banco Palmas, ponto a ponto. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Menezes (2007) Moedas locais: uma investigação exploratória sobre seus potenciais como alternativa à exclusão financeira a partir do caso do Banco Bem em Vitória/ES. Dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Menezes, M. S. & Crocco, M. A. (2009). Sistemas de moedas locais: uma investigação sobre seus potenciais a partir do caso do Banco bem em Vitória/ES. Economia e Sociedade, 18(2), 371-398.

Muñoz, R. (2009). Finanças solidárias. In: A. D. Cattani, J.-L. Laville, L. I. Gaiger, & P. Hespanha (Orgs). Dicionário internacional da outra economia (pp. 208-213). São Paulo: Almedina.

Polanyi, K. (2011). La subsistance de l’homme: la place de l’économie dans l’histoire et la société. Paris: Flamarion.

Polanyi, K. (2000). A grande transformação: as origens da nossa época (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Rigo, A. S. & França Filho, G. C. (2017). de. O paradoxo das Palmas: análise do (des)uso da moeda social no “bairro da economia solidária”. Cadernos EBAPE.BR, 15(1), 169-193.

Rocard, M. Prefácio. In: B. Lietaer & M. Kennedy (2010). Monedas regionales: nuevos instrumentos para una prosperidad sustentable (pp. 5-10). S.L. : La Hidra de Lerna Ediciones.

Rospabé, P. (1995). La dette de la vie. Paris: La découverte/Mauss.

Silva Junior, J. T. (2008). Avaliação de impacto e de imagem: Banco Palmas – 10 anos. Fortaleza: Instituto Banco Palmas de Desenvolvimento e Socioeconomia Solidária.

Soares, C. L. B. (2009). Moeda Social. In: A. D. Cattani, J.-L. Laville, L. I. Gaiger, & P. Hespanha (Orgs). Dicionário internacional da outra economia (pp. 255-259). São Paulo: Almedina.

Soares, C. L. B. (2006). Moeda social: uma análise interdisciplinar das suas potencialidades no Brasil contemporâneo. Tese de doutorado, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Théret, B. (2008). Os três estados da moeda: abordagem interdisciplinar do fato monetário. Economia e Sociedade, 17(1), 1-28.

Zelizer, V. A. (2005). La signification sociale de l’argent. Paris: Seuil.
Publicado
2018-07-24
Seção
Dossiê "Organizações Alternativas e Contra Hegemônicas"