DESEMPENHO ACADÊMICO E CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS, COMPORTAMENTAIS, PSICOLÓGICAS E DE FORMAÇÃO DOCENTE: ANÁLISE DE ALUNOS PORTUGUESES DA ÁREA DE NEGÓCIOS

Autores

  • Márcia Juliana da Cunha dos Santos UTFPR - Câmpus Pato Branco
  • Estela Maria dos Santos Ramos Vilhena Escola Superior de Tecnologia
  • Ricardo Adriano Antonelli Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Alison Martins Meurer UFPR

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.5286

Palavras-chave:

Desempenho Acadêmico, Determinantes Socioeconômicos, Determinantes Comportamentais, Determinantes Psicológicos, Área de Negócios

Resumo

Cabe às Instituições de Ensino Superior a responsabilidade pela qualificação de alto nível e a difusão do conhecimento tecnológico e científico aos seus estudantes para que, após o percurso acadêmico, atendam as expectativas profissionais, sociais e acadêmicas. Com isso, esta investigação teve como objetivo analisar a relação entre variáveis sociodemográficas, comportamentais, psicológicas e de formação docente com o desempenho acadêmico de universitários do Ensino Superior português da área de negócios. A população compreende os alunos dos cursos da área de negócios da Escola de Gestão do IPCA em Portugal. Os dados foram coletados por meio de levantamento com a aplicação de uma survey ano de 2017 (n = 188) e os dados secundários foram fornecidos pelos serviços acadêmicos da instituição (N = 435). Nas análises estatísticas foram utilizadas as técnicas de regressão linear múltipla e a path analysis. Os resultados das regressões lineares múltiplas indicaram que o desempenho acadêmico é explicado pela: nota de ingresso no ensino superior; facilidade em cálculos matemáticos; facilidade em interpretação de texto; horas de sono; horas de estudo extraclasse; nível de formação acadêmica do professor; e faltas. A path analysis indicou que o desempenho acadêmico também é explicado indiretamente pela: autoeficácia, otimismo e autoestima. Os resultados desta pesquisa pretendem contribuir proativamente com a gestão acadêmica, auxiliando no desenho de estratégias que visem a melhoria dos processos educacionais e, consequentemente, um maior desempenho acadêmico.

Biografia do Autor

Márcia Juliana da Cunha dos Santos, UTFPR - Câmpus Pato Branco

Mestre em Contabilidade e Finanças pelo Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Barcelos-Portugal

Estela Maria dos Santos Ramos Vilhena, Escola Superior de Tecnologia

Doutora em Ciências Biomédicas. Professora Adjunta no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Barcelos-Portugal

Ricardo Adriano Antonelli, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná, Paraná, Brasil.

Professor do curso de Ciências Contábeis na Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Alison Martins Meurer, UFPR

Doutorando em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná.

Professor do curso de Ciências Contábeis na Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Referências

Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior - A3ES. (2009). Relatório de Actividades: Ano de 2009. Portugal: A3ES. Recuperado em 28 novembro, 2016, de http://www.a3es.pt/sites/default/files/Relatorio_Actividades_2009.pdf

Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior - A3ES. (2013). Portugal: A3ES - Manual de Avaliação. Recuperado em 28 novembro, 2016, de http://www.a3es.pt/sites/default/files/Manual%20de%20avalia%C3%A7%C3%A3o.pdf

Al-Tamimi, H. A. H, & Al-Shayeb, A. R. (2002). Factors Affecting Student Performance in the Introductory Finance Course. Journal of Economic & Administrative Sciences, 18(2), 1-11.

Andrade, J. X., & Corrar, L. J. (2007). Condicionantes do desempenho dos estudantes de contabilidade: evidências empíricas de natureza acadêmica, demográfica e econômica. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), 1-13.

Araújo, E. A. T., Camargos, M. A. de., Camargos, M. C. S., & Dias, A. T. (2013). Desempenho Académico de Discentes do Curso de Ciências Contábeis: uma Análise dos seus Fatores Determinantes em uma IES Privada. Revista Contabilidade Vista & Revista, 24(1), 60-83.

Bandeira, M., Quaglia, M.A.C., Bachetti, L. S., Ferreira, T.L., & Souza, G. G. (2005). Comportamento assertivo e sua relação com ansiedade, locus de controle e auto-estima em estudantes universitários. Estudos de Psicologia, 22(2), 111-121. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2005000200001

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: Toward a unified theory of behavioral change. Psychological Review, 84, 191-215. https://doi.org/10.1037/0033-295X.84.2.191

Barros, J. H.; Barros, A. M. (1989). Locus de Controlo dos Professores: Relação Tempo de Serviço e o Nível de Ensino. In: Cruz, J. F., Gonçalves, R. A. & Machado, P.P.P., Psicologia e educação: investigação e intervenção: actas do encontro internacional de intervenção psicológica na educação, 327-336.

Barros, J. H., Barros, A. M., & Neto, F. (1989). Adaptação da Escala de Locus de Controlo de Rotter. In: Cruz, J. F., Gonçalves, R. A. & Machado, P.P.P., Psicologia e educação: investigação e intervenção: actas do encontro internacional de intervenção psicológica na educação, 337-350.

Batista, M. A., Paula, M. F. F, Oliveira, M. I. A., & Almeida, E. E. (2013). Avaliação institucional no ensino superior: construção de escalas para discentes e docentes. Avaliação Campinas, 18(1), 201-218. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772013000100011.

Baumeister, R.F., Campbell, J.D., Krueger, J.I., & Vohs, K.D. (2003). Does High Self-Esteem Cause Better Performance, Interpersonal Success, Happiness, or Healthier Lifestyles?. Psychological science in the public interest, 4(1), 1-44. http://dx.doi.org/10.1111/1529-1006.01431

Bentler, P. M. (2006). EQS 6 Structural Equations Program Manual: Multivariate Software. Encino: CA.

Blättler, A.; Rapp, J-M.; Solà, C.; Davies, H.; Teixeira, P. (2013). Portuguese Higher Education: a view from the outside. Brussels: European University Association.

Byrne, B. M. (2006). Structural Equation Modeling With EQS: Basic Concepts, Applications and Programming. (2ª Ed.). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Byrne, M., & Flood, B. (2008). Examining the relationships among background variables and academic performance of first year accounting students at an Irish University. Journal of Accounting Education, 26(4), 202–212. https://doi.org/10.1016/j.jaccedu.2009.02.001

Caiado J., & Madeira, P. (2002). Determinantes do desempenho académico nos cursos de contabilidade. Psicologia, Educação e Cultura, 6(1), 171-184.

Carvalho, P. S. (2012). Hábitos de estudo e sua influência no rendimento escolar. 164 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clinica e da Saúde). Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Cavichioli, D., Santos, K.P., & Silva, S. C. (2016). Variáveis que influenciam o desempenho acadêmico em um curso de Ciências Contábeis. In 2º Congresso UnB de Contabilidade e Governança, Brasília, 2016. Recuperado em 22 fevereiro, 2017, de <http://soac.unb.br/index.php/ccgunb/ccgunb2/paper/viewFile/5212/1403>

Coimbra, S. (2010). Uma questão de confiança: o que (des)motiva a geração actual. In: Salgado, L., A educação de adultos: uma dupla oportunidade na família, p. 59-76. Lisboa: Agência Nacional para a Qualificação.

Considine, G., & Zappala, G. (2002). Factors Influencing the Educational Performance of Students from Disadvantaged Backgrounds. Sydney: University of New South Wales.

Cornachione Junior, E. B., Cunha, J. V. A. D., De Luca, M. M. M., & Ott, E. (2010). O bom é meu, o ruim é seu: perspectivas da teoria da atribuição sobre o desempenho acadêmico de alunos da graduação em Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772010000200004

David, F., & Abreu, R. (2009). Implementação do Processo de Bolonha em Portugal. Revista Universo Contábil, 5(3), 139-155. http://dx.doi.org/10.4270/ruc.20095

Decreto-Lei n.º 369/2007 de 5 de novembro de 2007. (2007). Diário da República, 1.ª série, n. 212, 5 nov. 2007, p. 8032-8040. Recuperado em 04 novembro, 2015, de <http://www.a3es.pt/sites/default/files/DL_369-2007_A3ES.pdf>.

Dias, J. (2002). Universidade e avaliação: entre a ética e o mercado. (1ª Ed.). Florianópolis: Insular.

Duff, A. (2004). Understanding academic performance and progression of first-year accounting and business economics undergraduates: the role of approaches to learning and prior academic achievement. Accounting Education, 13(4), 409-430. https://doi.org/10.1080/0963928042000306800

Farias, M. R. S., Alves, F. S., & Farias, K. T. R. (2015). Desempenho académico em métodos quantitativos nos cursos de Ciências Contábeis. Enfoque Reflexão Contábil, 34(2), 37-50. https://doi.org/10.4025/enfoque.v34i2.26818

Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do Desempenho Acadêmico no Enade em Cursos de Ciências Contábeis. 124 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Ferreira, A.; Crisóstomo, J. (2011). A Influência Do Desempenho Acadêmico Na Carreira Profissional: Um Estudo De Caso Em Um Curso De Engenharia. Revista de Ensino de Engenharia, 30(1), 35-44.

Freitas, A. A. M. (2004). Acesso ao ensino superior: estudo de caso sobre características de alunos do ensino superior privado. Inter-Ação, 29, (2), 267-282. https://doi.org/10.5216/ia.v29i2.1416

Gomes, A. C. A. (2005). Sono, sucesso académico e bem-estar em estudantes universitários. 559 f. Dissertação (Doutorado em Ciências da Educação). Departamento de Ciências da Educação, Universidade de Aveiro, Portugal.

Hair Jr., J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. (2005). Análise Multivariada de Dados. (5ª Ed.). Porto Alegre: Bookman.

Henriques, A. P. F. C. M. (2008). Caracterização do Sono dos Estudantes Universitários do Instituto Superior Técnico. Dissertação (Mestrado em Medicina do Sono). Faculdade de medicina de Lisboa, Portugal.

Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modelling. (3ª Ed.). New York: The Guilford Press.

Laginha, M. C. N. (2015). Otimismo, Carreira e Bem-Estar Subjetivo em Estudantes do Ensino Superior. Dissertação (Mestrado de Psicologia em Psicologia da Educação). Departamento de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Algarve, Portugal.

Laranjeira, A. C. (2008). Tradução e validação portuguesa do revised life orientation test (LOT-R). Universitas Psychologica, 7(2), 469-476.

Lei n.º 62/2007 de 10 de setembro de 2007. (2007). Regime jurídico das instituições de ensino superior. Assembleia da República. Lei n.º 62/2007, Diário da República.

Lei, P-W., & Wu, Q. (2007). Introduction to Structural Equation Modeling: Issues and Practical Considerations. Educational Measurement: Issues and Practice, 26(3), 33-43. https://doi.org/10.1111/j.1745-3992.2007.00099.x

Lemos, K. C. S., & Miranda, G. J. (2015). Alto e Baixo Desempenho no ENADE: Que Variáveis Explicam? Revista Ambiente Contábil, 7(2), 1-18.

Mamede, S. P. N., Marques, A. V. C., Rogers, P., & Miranda, G. J. (2015). Determinantes Psicológicos do Desempenho Académico em Ciências Contábeis: Evidências do Brasil. Brazilian Business Review, 12(Ed. Especial), 54-75. http://dx.doi.org/10.15728/bbrconf.2015.3

Marginson, S., & Wende, M. (2009). Europeanisation, International Rankings and Faculty Mobility: Three Cases in Higher Education Globalisation. Higher Educational 2030, 2, 109-144. https://doi.org/10.1787/9789264075375-en

Meriac, J. P. (2012). Work ethic and academic performance: Predicting citizenship and counterproductive behavior. Learning and Individual Differences, 22(4), 549-553. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2012.03.015

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – MCTES. (2016). Reconhecimento de Graus e Diplomas. Recuperado em 24 novembro, 2016, de http://www.dges.mctes.pt/DGES/pt/Reconhecimento/NARICENIC/Ensino+Superior/Institui%C3%A7%C3%B5es+de+Ensino+Superior+Portuguesas/

Miranda, J. G., Lemos, K. C. S., Pimenta, A. S. O., & Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do Desempenho Académico na área de Negócios. Revista Meta-Avaliação, 7(20), 175-209.

Miranda, G. J., Casa Nova, S. P. C., & Cornacchione, E. B. (2013). The accounting education Gap in Brazil. Chinese Business Review, 12, 361-372. https://doi.org/10.17265/1537-1514/2013.04.003

Moura, A. C. R., Miranda, G. J., & Pereira, J. M. (2015). Desempenho académico em ciências contábeis: turno noturno versus diurno. Enfoque Reflexão Contábil, 34(2), 37-50. https://doi.org/10.4025/enfoque.v34i1.23020

Moriconi, G. M., & Nascimento, P. A. M. (2014). Fatores Associados ao Desempenho dos Concluintes de Engenharia do ENADE 2011. Estudos em Avaliação Educacional, 25(57), 248-278.

Nogueira, D. R., Costa, J. M., Takamatsu, R. T., & Reis, L. G. (2013). Fatores que impactam o desempenho académico: uma análise com discentes do curso de Ciências Contábeis no ensino presencial. Revista de Informação Contábil, 7(3), 51-62.

Oliveira, K. L., & Santos, A. A. A. (2005). Compreensão em leitura e avaliação da aprendizagem em universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(1), 118-124. https://doi.org/10.1590/S0102-79722005000100016

Ordem dos Contabilistas Cerificados – OCC. (2017). História da profissão e da instituição. Recuperado em 05 maio, 2017, de https://www.occ.pt/pt/a-ordem/historia

Pavanello, R. M., Lopes, S. E., & Araújo, N. S. R. (2011). Leitura e interpretação de enunciados problemas escolares de matemática por alunos do ensino fundamental regular e educação de jovens e adultos (EJA). Educar em Revista, n.se1, 125-140. https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000400009

Pechorro, P., Marôco, J., Poiares, C., & Vieira, R. X. (2011). Validação da Escala de Auto-estima de Rosenberg com Adolescentes Portugueses em Contexto Forense e Escolar. Arquivos de Medicina, 25(5-6), 174-179.

Rangel, J. R., & Miranda, G. J. (2016). Desempenho Acadêmico e o Uso de Redes Sociais. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(2), 139-154. https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v11i2.13383

Ribeiro, J. L. P. (2017). Adaptação de uma Escala de Avaliação da Auto-Eficácia Geral. Atas de Conferência Internacional, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Recuperado em 15 fevereiro, 2017, de http://www.fpce.up.pt/docentes/paisribeiro/testes/EFICACIA.htm

Rodrigues, B. C. O., Resende, M. S., Miranda, G. J., & Pereira, J. M. (2016). Determinantes do desempenho académico dos alunos dos cursos de Ciências Contábeis no ensino à distância. Enfoque Reflexão Contábil, 35(2), 139-153.

Rosenberg, M., Schooler, C., & Schoenbach, C. (1989). Self-esteem and adolescent problems: Modeling reciprocal effects. American Sociological Review, 1004-1018. https://doi.org/10.2307/2095720

Rotter, J. B. (1966). Generalized expectancies for internal versus external control of reinforcement. Psychological monographs: General and Applied, 80(1), p. 1. https://doi.org/10.1037/h0092976

Satorra, A., & Bentler, P. M. (1994). Corrections to test statistics and standard errors in covariance structural analysis. In A von Eye e C. C Clogg (Eds). Latent variables analysis: Applications for developmental research, 399-419.

Scheier, M. F., & Carver, S. C. (1985). Optimism, Coping, and Health: Assessment and Implications of Generalized Outcome Expectancies. Health Psychology, 4(3), 219-247. https://doi.org/10.1037//0278-6133.4.3.219

Scheier, M. F., & Carver, S. C. (1992). Effects of optimism on psychological and physical well-being: Theoretical overview and empirical update. Cognitive Therapy and Research, 16(2), 201–228.

Silva, V. R., Oliveira, K.G., Rogers, P., & Miranda, G. J. (2015). Comportamento e Desempenho Académico no Curso de Ciências Contábeis. In IX Congresso Anpcont, Curitiba, p. 1-16.

Souto-Maior, C. D., Borba, J. A., Knupp, P. S., & Croll, E. S. Análise dos Fatores que afetam o desempenho de alunos de graduação em administração e Contabilidade na disciplina de pesquisa operacional. ENANPAD XXXV, Rio de Janeiro, p. 1-13, 2011.

Souza, E. S. (2008). ENADE 2006: Determinantes do Desempenho dos cursos de Ciências Contábeis. 96 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis). Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da UnB, UFPB e UFRN, Brasília, Brasil.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (1996). Using Multivariate Statistics (3ª Ed.). New York: HarperCollins College Publishers.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. ( 2007). Using Multivariate Statistics. (5ª Ed.). Boston: Allyn and Bacon.

Ullman, J. B. (2007). Structural Equation Modeling. In: Tabachnick, B. G. & Fidel, L.S., Multivariate Statistics. Boston: Ally & Bacon.

Vasconcelos, A. I. T., Diniz, G., & Andrade, T. (2012). Determinantes Socioeconômicos do Índice de Rendimento Académico dos Discentes de Instituições de Ensino Superior em um Município Cearense. Anais do V Encontro de Pesquisa e Extensão da Faculdade Luciano Feijão, Sobral.

Vieira, C. (2009). Contributos para um diagnóstico do insucesso escolar no ensino superior: a experiência da Universidade de Évora - Reitoria para a Política da Qualidade e Inovação. Cadernos PRPQI, n.10. Évora: Universidade de Évora.

Westrick, P. A., Le, H., Robbins, S. B., Radunzel, J. M. R., & Schmidt, F. L. (2015). College Performance and Retention: A Meta-Analysis of the Predictive Validities of ACT® Scores, High School Grades, and SES. Educational Assessment, 20(1), 3-45. https://doi.org/10.1080/10627197.2015.997614

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

CUNHA DOS SANTOS, M. J. da; VILHENA, E. M. dos S. R.; ANTONELLI, R. A.; MEURER, A. M. DESEMPENHO ACADÊMICO E CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS, COMPORTAMENTAIS, PSICOLÓGICAS E DE FORMAÇÃO DOCENTE: ANÁLISE DE ALUNOS PORTUGUESES DA ÁREA DE NEGÓCIOS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 2, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.5286. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/5286. Acesso em: 31 out. 2020.