MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO E O PAPEL SIMBÓLICO DO TRABALHO NA ATUALIDADE

Claudia Picolotto Concolatto, Tatiana Gassen Rodrigues, Andrea Poleto Oltramari

Resumo


O presente artigo tem por objetivo vincular como as mudanças nas relações de trabalho e em especial sua precarização, vêm contribuindo para a perda do valor simbólico do trabalho na contemporaneidade. Para tanto, esse ensaio teórico apresenta inicialmente como as mudanças nas relações de trabalho vêm se apresentando e em um momento posterior faz uso das lentes teóricas da psicanálise para compreender o sujeito no contexto cultural de trabalho e analisar as relações do mesmo nos tempos atuais: tempos em que a realidade social incrementa o desamparo humano; um tempo de excesso de ofertas e ações, e de escassez de sentidos e significados.


Palavras-chave


relações de trabalho; psicanálise; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Abramides, M. B. C., & Cabral, M. S. R. (2003). Regime de acumulação flexível e saúde do trabalhador. São Paulo em Perspectiva, 17(1), 3-10.

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos.

Andrade, D. P. (2011). Empresa humana ou humano empresa? GV Executivo, 10(1), 38-41.

Antunes, R. (2005). O caracol e a sua concha. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. (2002). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Araújo, A. M. C., Cartoni, D. M., & Justo, C. R. M. (2001). Reestruturação produtiva e negociação coletiva nos anos 90. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 16(45), 85-112.

Arbix, G. (1997). Os descaminhos do governo e a precariedade das relações de trabalho. In L. Carleial, & R. Valle (Org.). Reestruturação produtiva e Mercado de trabalho no Brasil (pp. 480-502). São Paulo: Hucitec-Abet.

Baudrillard, J. (2005). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.

Bauman, Z. (2009). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Beyda, T. T., & Casado R. U. (2011). Relações de trabalho no mundo corporativo: possível antecedente do empredendorismo? Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1066-1084.

Birman, J. (2012). O sujeito na contemporaneidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (2006). Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (2001). Mal-Estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação (3a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Bleichmar, S. (2005). La subjetividad en riesgo. Buenos Aires, Topía.

Bleichmar, S. (2002). Dolor país (5a ed.). Buenos Aires, Libros del Zorzal.

Bleichmar, S. (2000). Ganhadores e perdedores. Clarin.com. Edición Jueves, 28.12.2000.

Boyer, R., & Freyssenet, M. (2001). El mundo que cambió la máquina: um nuevo esquema de análisis de la industria del automóvil. Sociologia del Trabajo, nueva época, 41, 3-46.

Castel, R. (2005). A insegurança social: o que é ser protegido? Petrópolis: Vozes.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Coelho, H., Ferraz, D. L. S., & Moreira, P. A. (2015). Sindicatos: obstáculos e potencialidades ao movimento de constituição da consciência de classe. [Mimeo]. Universidade Federal de Minas gerais, Belo Horizonte, MG.

Dedecca, C. S. (1998). Reorganização das relações de trabalho no Brasil: A flexibilidade é a única alternativa? In: A. M. Carvalho Neto, & R. A. Alves (Orgs.). Sindicalismo e negociação coletiva nos anos 90. Belo Horizonte: IRT/PUC/Minas Gerais.

Dejours, C. (2014). A carga psíquica do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli, & C. Jayet. Psicodinâmica do trabalho, contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 21-32). São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2004). Avant-propos para a edição brasileira. In S. Lancman, & L. Sznelwar. Christophe Dejours: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 17-36). Rio de Janeiro/Brasília: Fiocruz/Paralelo 15.

Dejours, C. (2000). Psicodinámica del trabajo y vínculo social. Revista Actualidad Psicologica, XXIV(274), 2-5.

Ferraz, D. L. S., Maciel, J. A., & Sousa, R. R. (2015). Representações sociais sobre ser trabalhador terceirizado e a precarização do trabalho. Anais do Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho. Salvador, BA, Brasil, V.

Figueiredo, L. C.; Santi, P. L. R. (2000). Psicologia: uma (nova) introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. São Paulo: EDUC.

Fischer, R. M. (1992). Pondo os Pingos nos Is: sobre as relações do trabalho e políticas de administração de recursos humanos. In M. T. L. Fleury, & R. M. Fischer, R.M. (Coord.). Processo e relações do trabalho no Brasil. São Paulo: Atlas.

Foucault, M. (2006). A ordem do discurso (13a ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Freud, S. (2007). El malestar en la cultura: 1930. In S. Freud. Obras completas – Volume XXI. Buenos Aires: Amorrortu.

Garza Toledo, E. & Hernandez, J. M. (2000). Fin del trabajo o trabajo sin fin. In E. Garza Toledo (Coord.). Tratado Latinoamericano de sociologia del trabajo (pp. 755-773). México: Colégio de México/Flacso/UAM/Fondo de Cultura Económica.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: Ideias e Letras.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Holzmann, L. (2014). O futuro do trabalho: perspectivas para 2021. In A. D. Cattani (Org.). Trabalho: horizonte 2021. Porto Alegre: Escritos,.

Hornstein, L. (2011). Sufrimientos y algo mas. Revista Actualidad Psicológica, XXVI(400), 9-13.

König, H. (1994). A crise da sociedade do trabalho e o futuro do trabalho: crítica de um debate atual. In: W. Markert (Org.). Teorias da educação do Iluminismo, conceitos de trabalho e do sujeito (pp. 149-177). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Korman, V. (1998). El Ofício de Analista. Buenos Aires: Paidós.

Loguércio, J. E. (1998). Solução dos conflitos coletivos de trabalho no Brasil. O poder normativo e a arbitragem privada. São Paulo em Perspectiva, 12(1), 118-128.

Morin, E. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41(3), 8-19.

Oliveira, C. A. B. (1994). Contrato coletivo e relações de trabalho no Brasil. In: C. A. B. Oliveira, J. E. L. Matoso, J. F. Siqueira Neto, M. Pochmann, & M. A. Oliveira (Coord.). O mundo do trabalho: crise e mudança no final do século (pp. 209-231). São Paulo: Scritta.

Pochmann, M. (1998). Sindicalismo patronal brasileiro: auge e declínio. São Paulo em Perspectiva, 12(1), 104-117.

Pochmann, M., Barreto, R. M., & Mendonça, S. E. A. (1998). Ação sindical no Brasil: transformações e perspectivas. São Paulo em Perspectiva, 12(1), 10-23.

Schnapper, D. (1998). Contra o fim do trabalho. Lisboa: Terramar.

Sennett, R. (2012). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Tonelli, M. J. (2014). Felicioque? GV Executivo, 13(2), 44-47.

Viñar, M. (2004). La ruina de los ideales: en la bisagra de lo psíquico y lo social ¿Qué sujeto pensamos para hoy? ¿Qué diálogo entre las generaciones? Revista Uruguaya de Psicoanálisis, 99, 37-53.

Weber, M. (1999). A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira.

Wood Jr., T., Tonelli, M. J., & Cooke, B. (2011). Colonização e neocolonização de recursos humanos no Brasil. Revista de Administração de Empresas, 51(3), 232-243.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional